Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Chafariz da Capixaba – Por Adelpho Monjardim

Reforma do Chafariz da Capixaba na administração do Prefeito Américo Monjardim, que exerceu dois mandatos: 1937 a 1944 - 1946 a 1947

O Bairro da Capixaba, na historiografia espírito-santense, é um brado de guerra, sinal para se olhar à direita. Famoso reduto político desde os tempos do Brasil Império, conserva intactas as glórias e as tradições.

Configurando a sua importância no dia-a-dia político e social do Estado; a sua contribuição à cultura, o seu apelativo passou a designar os naturais do Espírito Santo, homenagem não só justa como significativa.

Não obstante o progresso, que modificou a sua feição urbanística e à paisagem, impôs o arranha-céu, espigões buscando o infinito, o centenário chafariz, indiferente à metamorfose, permanece intacto, simples na arcaica estrutura. Sólido, acachapado, data de 1828, sem preocupação outra que a de oferecer a água abundante e boa.

É, arquitetonicamente, um órfão das artes. Por muitos anos abandonado, na Administração do Prefeito Américo Monjardim, entrou em obras, recebendo reparos, pintura e um par de belíssimas torneiras de bronze, que não tardaram a ser roubadas.

A água, pura e cristalina, procede de um recanto da Pedra da Vigia. Fonte perene, jamais secou, incólume às mais rigorosas estiagens. Antes corria livre por sob a mataria espessa. Aumentando o número de moradias, em derredor, a Municipalidade promoveu a sua canalização, evitando a sua poluição.

Situado na curva da Rua Barão de Monjardim, tem à sua direita a Ladeira Cristovam Colombo, de acesso aos morros da Vigia e da Capixaba; à esquerda estreita passagem, ajardinada, que leva às moradas ali existentes.

Nas duas primeiras décadas do presente século, no pequeno largo fronteiro ao chafariz, pompeava frondoso e gigantesco pé-de-fruta-pão. Todos os anos, pelo Natal, os moradores promoviam ali festejos, relíquias dos velhos tempos, como pau-de-sebo e o quebra-pote. O pau-de-sebo era um mastro, não muito grosso, medindo cerca de oito metros, caprichosamente untado de sebo e extremamente escorregadio. No topo uma caixinha ou um pote, contendo certa quantia em dinheiro, prêmio para o vencedor. Para evitar truques eram os candidatos rigorosamente examinados. Raramente logravam o intento, porém a vaia era certa e estrondosa. Não menos divertido era o quebra-pote. Em um dos galhos da árvore, a uns cinco metros do solo, penduravam o pote, contendo um prêmio em dinheiro. Empunhando uma vara, o candidato tinha os olhos vendados. Dois ou três rapazes faziam-no girar várias vezes a fim de desorientá-lo. Completamente desnorteado, vara erguida, como um cego, saía a dar varadas ao vento e não raro nos assistentes. Era muito engraçado.

Nesses folguedos presenciamos cenas interessantes e inesperadas. Lá estava o pote, bem visível, à luz das gambiarras. Empunhando a vara o pretenso quebrador parecia bem orientado. Deu varadas a esmo, mas finalmente acertou o pote, que continha metade de água e um espantadíssimo gato preto. O quebrador levou um banho e o espavorido felino empreendeu a fuga por cima de muitas cabeças. A debandada foi geral. De outra feita, ao quebrar o pote, caiu sobre a multidão um enxame de marimbondos. Ferroadas, gritos, imprecações, ranger de dentes.

Por essas e outras os folguedos foram caindo em desuso. O último foi um paus-de-sebo. Nunca ensebaram tanto o mastro. Malaquias, notório grimpador de mastros ensebados, lá estava para mais uma façanha e abiscoitar o prêmio. Escrupulosamente examinado pela comissão, o moleque atirou-se ao mastro. Abraçou-o resoluto, iniciando a ascensão. Subia um metro descia dois, até chegar ao topo. De posse da valiosa caixinha, deslizou mastro abaixo com agilidade simiesca. No chão, sôfrego, abriu-a ante os olhos curiosos da multidão. Apenas uma papeleta com os seguintes dizeres: “Cansadinho, hem? Vá trabalhar, vagabundo!”

O caldo engrossou. O moleque se espalhou e a polícia entrou em cena.

Não deve o chafariz a celebridade aos fatos aqui narrados, mas à propalada virtude da sua água. O forasteiro que a bebe não mais deixa Vitória. Quantas mocinhas casadoiras lançaram mão dela? Que digam os mineiros.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Guaxindiba – Por Maria Stella de Novaes

Guaxindiba – Por Maria Stella de Novaes

De suas lágrimas, resultou igualmente um rio, pequeno e negro, que vem, súplice, lançar-se nas águas do Itaunas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo
Os Santos Populares – Por Aerobaldo Lellis Horta

Santo Antônio, São João e São Pedro foram sempre considerados santos populares

Ver Artigo