Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Otinho - Poe Elmo Elton

Otinho e Rosinha - Foto de Antonio Carlos Gemada

É, desde muito, o tipo mais popular de Vitória. Perambula pelas ruas da cidade declamando versos de sua autoria e de poetas conterrâneos, assim como poemas de renomados autores nacionais, de Castro Alves a Olegário Mariano. Não gosta de poesia moderna. É conversador, de uma prosa rápida, algo brejeira, sempre relembrando seus amores passados e presentes. Faz questão (absolutíssima) de proclamar-se "a figura mais conhecida da terra", e se aborrece quando alguém, para provocá-lo, lhe cita nomes de outros tipos populares de Vitória, colocando-os, preferencialmente, à sua dianteira, pelo que representaram ou ainda representam de graça ou exotismo.

Orgulha-se de haver participado, com êxito, de vários desfiles de escolas de samba. Poeta famoso, marcha premiada de Jocarly Vasco, deu-lhe destaque no carnaval de 1979, sendo que, anos antes, em 1973, foi homenageado pela Escola de Samba Mocidade da Praia, com o samba enredo "O palácio encantado de Otinho e Rosinha", ocasião em que a imprensa lhe dedicou amplas e ilustradas reportagens.

 "Da noite para o dia, um homem que no contexto de comunidade não passa para alguns de uma figura simploriamente engraçada e que no fundamental é destituído de qualquer participação no complexo produtivo social torna-se notícia de destaque e se vê envolvido como alvo de uma homenagem que, em termos de popularidade, embevece qualquer político. E ele, na sua maneira passiva de encarar o mundo, como simples mecanismo dependente de outras engrenagens, vaidosamente aceita o fato como se toda a glória universal de uma hora para outra abrisse suas asas, envolvendo-o ternamente numa campânula de indescritível felicidade" (A Gazeta, de 7/1/1973).

É claro que Otinho se sentiu "muito honrado" com tais reportagens, guardou-as (tem arquivo), exibindo-as, ainda agora, quando deseja mais patentear a este ou aquele a popularidade de seu nome, conquistada nos bares e esquinas de cada rua de Vitória, já que visto em toda a parte, aqui e ali, durante o dia ou mesmo a noite, sempre a dizer versos, a contar, com pormenores, fatos sobre a vida e a obra de escritores ilustres, ou então, o que é mais comum, a inventar fantásticas estórias a seu respeito ou a propósito de conhecidas figuras conterrâneas. Fala em tom alto, anda ligeiro, de cabeça empinada (tem testa ampla e lustrosa). É mulato, baixinho, galanteador, de cabelos crespos, grisalhando. Espalhafatoso em tudo. Traz, vez por outra ou quase sempre, um caderno à mão, onde garatuja seus textos, zangando-se quando alguém lhe pede a leitura daquilo que vai escrevendo, à pressa, com letra de todo indecifrável.

Quando mais moço, dançava, sob aplausos, já que sempre arrodeado de curiosos, a "dança do laço", maluquice inventada por ele, difícil de ser descrita, sendo que, a esse tempo, gostava de ser chamado Otinho danadinho. Ao final da dança, declamava, com voz rouca, chorosa, versos de amor a A. M. B., moça da melhor sociedade de Vitória, por quem se apaixonou. De uns quinze anos pra cá, passou a viver com Rosinha (Rosa Garcia de Melo). Constantemente ambos são vistos, de mãos dadas, passeando pela cidade. Uma graça de casal!

Um dos prefeitos de Vitória arranjou-lhe lugar de vigia ou de gari do Parque Moscoso, onde costuma pernoitar, ainda que ali não vigie ou limpe coisa alguma, embora divirta os visitantes do logradouro com suas estórias e versos. Otinho (Othon Braga Barbosa), nascido nesta cidade, a 26 de agosto de 1921, já agora com sessenta e três anos, continua lépido, andarilho e palrador. Porque visto, coisa para mais de um ano, sempre com um saco, de linhagem, às costas, aparentemente pesado, perguntei-lhe, indiscreto, sobre a natureza da carga. Resposta: - Minha biblioteca ambulante.

Otinho, lá ia eu esquecendo de dizer, é flamenguista doente.

 

Fonte: Velhos Templos e Tipos Populares de Vitória - 2014
Autor: Elmo Elton
Foto: Antônio Carlos Gemada. Publicada no facebook por Dilio Santos
Compilação: Walter Aguiar Filho, fevereiro/2019

Literatura e Crônicas

Ele era o Professor, nós as Maducas – Por Marilena Soneghet

Ele era o Professor, nós as Maducas – Por Marilena Soneghet

O método do Prof. Guilherme, menos gramático: estimulava a leitura como o ideal para introjetar o aprendizado, melhorar a redação, adquirir estilo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Agapito - Por Elmo Elton

Diariamente era visto na Praça 8, encostado na parede do antigo Café Globo

Ver Artigo
A partida de Samuel - Por Mário Gurgel

A mocidade batista da Primeira Igreja está ferida e inconformada. Samuel era um de seus elementos de destaque, alegre, comunicativo, simples

Ver Artigo
Pedro Furão – Por Elmo Elton

Pedro Furão fundou na Fonte Grande, mas com sede na rua Pereira Pinto, hoje desaparecida, o clube Chuveiro de Prata, com bloco do mesmo nome

Ver Artigo
Cara Grande e seus Irmãos - Por Mário Gurgel

Chegaram aos portões da Assembleia dezenove meninos que vieram solicitar uma providência e um abrigo

Ver Artigo
Meio-Fio - Tipos Populares de Vitória

Foi assassinado, covardemente, em Vitória, no mercado da Vila Rubim, em madrugada de janeiro de 1962

Ver Artigo