Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Personalidade Capixaba - Antônio Pinto Rodrigues

Antônio Pinto Rodrigues

Em 13 de junho de 1903 nasceu, em Vila Velha, Antônio Pinto Rodrigues, filho de Cleto Rodrigues e Henedina Pinto Rodrigues. Seu pai foi secretário da Prefeitura e da Câmara Municipal de Vila Velha, na fase em que a municipalidade dava seus primeiros passos na era republicana desse século. Era uma espécie de intelectual da época, o que por certo influenciou no desempenho do filho.

Antônio chegou a frequentar a Escola D. Pedro II, formando-se como professor, ofício que veio a exercer na vida pública, além de contador, comerciário e jornalista. Veio, ao final, ser serventuário da Justiça em Vila Velha com o cargo de contador, partidor, distribuidor e depositário público.

Foi também poeta, suplente de vereador, representante da imprensa na Comissão de Abastecimento e Preços, nomeado pelo presidente da República (em 1955), presidente de uma Academia de Halterofilismo em Vila Velha (a Titan), e da Academia de Letras Humberto de Campos por diversos mandatos (entre 1952 a 1970) onde se dedicou de corpo e alma. Foi membro de inúmeras instituições literárias e científicas. Teve uma participação expressiva em várias campanhas em prol de melhorias para Vila Velha, como a Maternidade e a reforma da então única ponte da Barra do Jucu (Ponte da Madalena) entre outras colaborações.

Seus discursos eram ouvidos em eventos no obelisco, na Praça da Bandeira (Prainha) em dia 23 de Maio. Como gostava de escrever, manteve uma coluna de crônicas no Jornal A Gazeta com o título de “Vila Velha e seus contrastes”. Deixou vários escritos. Faleceu em 1º de maio de 1971 e hoje, em sua homenagem, tem seu nome em uma escola no em Cavalieri, na Grande Aribiri. Antônio Pinto Rodrigues tinha o seguinte lema: “Não registro ranhuras por onde se insinua o limo da inveja, o azinhavre do rancor ou a ferrugem da malquerença”.

 

Fonte: Jornal Calçadão, Praia da Costa e Itapõa, fevereiro/1998 – Ano II, nº 14. EmCena Comunicação LTDA.
Diretores: Jorge França e Anderson Andreata
Edição: Anderson Andreata
Redação: Anderson Andreata e Luciene de Araújo
Colaboração: Jovany Sales Rey
Editoração: Copgraf Gráfica e Editora LTDA
Comercial: Jorge França
Periodicidade: Mensal
Tiragem: 12 mil exemplares.
Distribuição: Gratuita em condomínios, residências e comércio em geral dos bairros da Praia da Costa e Itapõa.
Material pesquisado por Roberto Brochado Abreu, membro da Casa da Memória de Vila Velha/ES.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2020

Personalidades Capixabas

Os irmãos Martins

Os irmãos Martins

Capixabas estiveram envolvidos em rebeliões ocorridas em Pernambuco, no primeiro quartel do século XIX. Todos eram membros da família Martins. O mais conhecido, certamente, é Domingos José que, homenageado, deu nome a uma cidade das terras altas do Espírito Santo, Domingos Martins.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Saldanha e o seu oceano - Peter Falcão

O Espírito Santo tinha times fantásticos de polo aquático no Saldanha, Álvares e Náutico Brasil, entre outros clubes

Ver Artigo
Centro de línguas para a comunidade - Por Jô Drumont

A experiência iniciou-se em 1993, com apenas 60 alunos. Quatro anos após, já contava com cerca de 7.500 inscritos

Ver Artigo
UFES 65 anos - reminiscências do curso de Direito - Por Getúlio Marcos Pereira Neves

Ao professor Antônio Benedito Amâncio Pereira devo o início da minha vida funcional

Ver Artigo
Doutor Lucilo, o Rei da Praia do Suá

Entre os anos cinqüenta e sessenta, duvido que existisse alguém em Vitória que vivesse a vida mais intensamente do que ele

Ver Artigo
Campus Alaor de Queiroz Araujo - Por Aldo José Barroca

Na década de 1930, estudantes capixabas já frequentavam cursos superiores em Vitória, até que, em 5 de maio de 1954, o governador Jones dos Santos Neves criou a Universidade do Espírito Santo, unindo os cursos dispersos

Ver Artigo