Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Prólogo do Jornal O Continente (01.08.1953)

Jornal O Continente (01.08.1953)

Entregamos hoje, amigo leitor, à vossa elevada crítica, a primeira edição deste nosso semanário. Não somos, é verdade, pioneiros de imprensa nesta terra de Vasco Coutinho. Outros nos antecederam e o fizeram com mais brilho, por certo. Nos fastos de nossa vida jornalística há páginas de intenso civismo, rasgos de elevado idealismo a confundirem-se com filigranas de espírito, brejeiras poesias e pitorescas sátiras. E lá no passado ficaram como marcos de épocas memoráveis, "O Farol", "O Lutador", "O Município", "A Tesoura" e o "Bisturi".

Dentro em suas páginas fala uma geração de idealistas, fala uma plêiade de bons canelas-verdes, que souberam dignificar e defender este pedaço de terra que Palácios transformou em Feudo Divino. Este o legado que nos é transferido hoje. Reconhecemos, todavia, que a incumbência é superior à nossa capacidade. E, assim sendo, amigo leitor, dividimos com todos vós a responsabilidade do êxito dessa tarefa — que nos propomos realisar — porque temos que suprir as nossas deficiências com o vosso apoio, para que o desfalecimento não nos encontre nunca. "O Continente" será espiritualmente vosso. Será o espelho de vossos desejos, o veículo de vossas aspirações. Aqui se abrigarão todas as vossas justas pretensões. Sobretudo, será o arauto das reivindicações do nosso município, que até hoje não tem feito outra coisa senão esperar. Vila Velha precisa de um jornal. Seria vaidade julgar que vimos atender a essa imperiosa necessidade. Enquanto, porém, não aparecer melhor empreendimento, aqui estaremos modestamente, trabalhando e combatendo, aplaudindo, criticando, enfim, fazendo um pequeno jornalismo com um grande argumento: a verdade.

 

WALTER DE AGUIAR

 

Fonte: Jornal O Continente, 1º de agosto de 1953
Redator-chefe: Antonio Gil Vellozo
Diretor: Walter de Aguiar
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2020

Literatura e Crônicas

Dona Calu já partiu - Por Mário Gurgel

Dona Calu já partiu - Por Mário Gurgel

Raymundo é o nome desse rapaz, que empresta agora o seu esforço e a sua colaboração na Companhia Ferro e Aço de Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vitória, cidade bendita pelo sol de cada dia!

O Cruzeiro se podia subir mais fácil pelo nosso imenso quintal, e, eu estudava muitas vezes, lá em cima, pois tinha maior concentração

Ver Artigo
Juiz de Fora - João Bonino Moreira

Estávamos em 1947 e eu, deslumbrando-me com férias cariocas, fui assistir a um jogo de futebol no Estádio do Vasco

Ver Artigo
O Grande Jogo - Hércules Dutra de Campos Filho

Aos dez minutos, 1 a 1, aos quatorze, 2 a 1, aos vinte e cinco, 3 a 1, aos quarenta já ganhávamos por 6 a 2

Ver Artigo
Do campus, minhas lembranças em formol - Poe Anne Mahin

Fiquei para assistir à dissecação do cachorro, que, depois de ter os órgãos retirados e analisados, acabou com a carcaça numa caçamba de lixo

Ver Artigo
Professor Irênio – Por Elmo Elton

Em dado momento, indiferente à zombaria dos que se achavam na praça, subindo o primeiro lance da fronteiriça escadaria da Ladeira da Pedra

Ver Artigo