Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua do Rosário – Por Elmo Elton

Igreja do Rosário - Vitória 1912

Recebeu este nome por estar localizada ao pé do morro onde, no século XVIII, foi construída a igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos. A Irmandade, de igual denominação. "em fins de 1765, levantou a capela de sua Padroeira, na encosta chamada Pernambuco, no princípio da Capixaba, de acordo com a Provisão do Bispado da Bahia, de 14 de setembro do mesmo ano. O capitão Felipe Gonçalves dos Santos, sua filha Bernardina de Oliveira e seu genro Inácio Fernandes Rabelo haviam doado à referida Irmandade, a 23 de julho daquele ano, duzentos e vinte palmos em quadro, para edificação do templo".

A rua, das mais tradicionais da cidade, conservou, até recentemente, suas características de artéria colonial, sendo que, no início do século, para se chegar à mesma, "passava-se por terrenos baldios e de marinha", datando de 1867 seu primeiro calçamento, por decisão da Câmara, em reunião de 28 de janeiro.

Em decorrência da devoção de São Benedito, venerado na igreja do Rosário, cuja imagem foi roubada do Convento de São Francisco, a 23 de maio de 1833, por Domingos do Rosário, o africano liberto Antônio Mota (Matola) e o crioulo Elias de Abreu, os peroás (assim chamados os devotos de São Benedito do Rosário) movimentaram por muito tempo essa rua, sobretudo durante o mês de dezembro, quando, dia 27, saía a procissão do santo franciscano, sempre com grande e tumultuado acompanhamento. Em cima, isto é, no adro do templo, onde se erguem, até hoje, duas magníficas palmeiras imperiais, realizava-se, naquela data, animado leilão, terminando os festejos, cá em baixo, com os devotos cantando ao ritmo de congos ou da filarmônica Rosariense.

Cantavam os devotos, ao tempo das festas:

Areia do má

vamo carregá!

Vamo pro Rosário

já lá vou.

O que nóis queria

já chegou!

 

Ou então estes outros versos, tirados da peça Ontem e Hoje, de Ubaldo Rodrigues, representada no Teatro Melpômene, em 1896, cuja música era assoviada em todos os cantos da cidade não só pelos peroás mas, também, por simpatizantes da Irmandade de São Benedito:

I

lª. Peroá: Sou peroá de fama

Coro: Até morrê!

1ª. 

Caramuru: E eu caramuru, minha ama!

Coro: Cumo quê!

 

Canto

1ª. Peroá — Podeis vestir vosso verde.

Caramuru,

Que a cô que eu visto não perde

Do céu azul!

'Stou no mês d'alegria.

Da festa dos peroá.

Em que passo noite e dia,

Dançando no camundá...

 

(Dança. com requebros, do antigo camundá)

(Coro geral)

 

'Stou no mês d'alegria

Das festa dos peroá.

Em que passo noite e dia.

Dançando do camundá.

 

II

1ª Caramuru: Agora que estais p'ra riba

Falá podeis:

Mas, depois na pindaíba

Ficareis...

 

Repete-se o Coro Geral. E depois versos:

 

1ª. Peroá: A cô azul é celeste

É diviná

As peroá é que veste

P'ra Machucá...

 

Repete-se o Coro Geral. Segue-se o último verso.

 

1ª. Caramuru: Deixai-vos de pabulage.

Ai peroá,

Que eu também trago no traje

A cô do má...

 

No governo de Florentino Avidos, com as obras de alargamento do terreno onde seria construída a Avenida Capixaba, a Rua do Rosário teve parte de sua área destruída, sendo que, atualmente, dispõe de maior número de casas comerciais do que de residências particulares, servindo de tráfego de veículos, dos que vêm da zona norte, contrastando em tudo com sua primitiva aparência.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2017

Bairros e Ruas

Ilha dos Bentos

Ilha dos Bentos

 No local ainda existe um córrego parcialmente coberto por manilhas. A parte descoberta é protegida por pequeno muro gabião

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os nomes de ruas do bairro São Pedro – Por Geert A. Banck

Muito interessante é o caso da rua do Grito, uma inversão política da liderança comunitária, o povo foi sempre oprimido, mas agora chegava  a hora da “nossa” independência, do “nosso” grito: do “grito do povo”

Ver Artigo
Avenida Jerônimo Monteiro (ex-rua da Alfândega)

Atualmente, é a principal artéria central de Vitória. Chamou-se, antes, Rua da Alfândega, sendo que, em 1872, passou a denominar-se Rua Conde D'Eu

Ver Artigo
Avenida Florentino Avidos (ex-rua do comércio)

A primitiva rua do Comércio, que data do século XVII, tinha começo na General Osório e ia até o cais Schmidt

Ver Artigo
Movimento que desenha a cidade – Jardim da Penha

Desse modo, são menos comuns os movimentos urbanos que refletem sobre a qualidade da paisagem urbana, o desenho, o volume das construções

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz (ex-ladeira do Pelourinho) – Por Elmo Elton

Maria Ortiz era filha de Juan Orty y Ortiz e Carolina Darico, nasceu em Vitória em 1603, tendo falecido na vila em 1646

Ver Artigo