Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Sorriso – Por Hermógenes Lima Fonseca

Hermógenes Lima da Fonseca

Era ainda cedo quando resolvi viajar. A minha vizinha estava dormindo e sorriso apareceu me festejando, balançando o rabo, e entrou no carro. Fechei a porta, levantei os vidros e parti em rumo desconhecido para a dona do Sorriso.

Sorriso fedia como o diabo, aliás, segundo algumas pessoas, o diabo fede a enxofre ou a chifre queimado. As pulgas se alvoroçaram, ele se coçava e vinha o banco para frente me perturbando dirigir. Assim não dava, com tanta pulga e tanto fedor. Mas eu tinha que levá-lo.

Mal chequei em casa, tirei a roupa, vesti o calção e me joguei no rio com Sorriso, dando-lhe um esfregão com sabonete. Bicho parece que nunca tinha tomado banho!

Saiu correndo e foi enxugar-se na areia, rolando pra cá e pra lá. Neocid, porém, resolveu o caso.

Não sei o nome que tinha antes. Sorriso e Risada foi o nome que logo lhe deram, porque ele tem os dentes inferiores salientes, e assim ficou conhecido por todo o mundo.

Malu, que estava usando um aparelho para acertar os dentes, prometeu que depois cederia para o Sorriso. Não é que ela me mandou de Buenos Aires, onde tirou o aparelho! Experimentei na boca de Sorriso mas não deu e, por falta de dentista especialista em ortodontia canina, abandonei a idéia de acertar os dentes de Sorriso.

Sorriso revelou-se o maior paquerador da paróquia. Levava dois ou três dias na farra. Não sei se conseguia alguma coisa na disputa do cio de jovens cadelas.

Mas no verão ele se tornou especialista em visitar as barracas armadas no camping, e penetrava para cheirar as campistas dormindo despreocupadamente o mulherio se alvoroçou, os maridos idem, e pediram ao gerente do camping pena de morte para Sorriso.

Cachorro sem vergonha! Se tu continuar com essa sem-vergonhice de ir cheirar as mulheres nas barracas do camping, eu deixo te matar a pau!

 

Fonte: Revista Você – UFES – Ano I Nº 9, março, 1993 (Coluna Curubitos)
Autor: Hermógenes Lima Fonseca 
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2015

Literatura e Crônicas

O Bar do David - Por Miguel Depes Tallon

O Bar do David - Por Miguel Depes Tallon

Ao longo dos anos, o Bar do David foi se especializando em frutos do mar e peixe, com o melhor caranguejo 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Escritos de Vitória - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Em 2008, o tema escolhido foi "Cidade Sol" e, em 2009, "Cidade Ilha"

Ver Artigo
Caramurus e Peroás – Por Elmo Elton

Sabedor que havia um plano para retirar do São Francisco e levar ao Rosário a imagem de São Benedito, Frei Manoel baixou-a do altar

Ver Artigo
Jogo da vida - Por Maurício Ribeiro de Souza

Sempre me surpreendo quando passo pela Beira-Mar, na altura da Esplanada Capixaba

Ver Artigo
Jogos de botões pelas calçadas... Por Marien Calixte

"Jogos de botões pelas calçadas, eu era feliz e não sabia..."

Ver Artigo
Vitória, cidade bendita pelo sol de cada dia!

O Cruzeiro se podia subir mais fácil pelo nosso imenso quintal, e, eu estudava muitas vezes, lá em cima, pois tinha maior concentração

Ver Artigo