Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Tentando o povoamento das margens do rio Doce – Silva Pontes

Indio Botocudo - Foto Walter Garbe

Ao porto do Sousa estava reservado papel de relevo – servir de entreposto do comércio de exportação e importação de Minas Gerais.

Um dos problemas que surgiram com a nova situação foi o de povoar a localidade. Silva Pontes fez o que as circunstâncias permitiam: encaminhou paralá os condenados pela Justiça. A eles foram juntar-se “desertores e criminosos,que buscavam suas matas para escaparem à punição das leis”.(14) Comerciantescapazes de sustentar o tráfego marítimo é que não apareceram, e assim feneceuo plano de transformar o lugarejo no “centro de todas as povoações que sefundassem nas adjacências do Rio Doce”.(15) Antes mesmo de transcorrido umdecênio, a aldeia de Coutins(16) foi visitada pelos botocudos, que mataram umsoldado, puseram os demais em fuga e arrasaram o quartel.(17)

Outro teria sido o destino de Coutins e da própria bacia do rio Doce seo governador Silva Pontes tivesse continuado à frente do governo da capitania.Sua pré-memória de 1802 testemunha o carinho com que encaminhava a soluçãodos problemas ligados ao rio, que, oficialmente, abriu à navegação, tida, aliás, por impossível.

 

NOTAS

(14) - JOSÉ MARCELINO, Ensaio, 140.

(15) - RUBIM, Memórias, 264.

(16) - Coutins – “nome tirado de um couto, em Portugal, pertencente à casa do ministroD. Rodrigo [de Sousa Coutinho]” (MARQUES, Dicion. ES, 177).

(17) - RUBIM, Memórias, 264-5.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2018

História do ES

Vias de comunicações no ES

Vias de comunicações no ES

A navegação fluvial e de canais – que mereceu especial atenção dos poderes públicos durante o reinado de Pedro II – era explorada em bases modestas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo