Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

A Lenda da Ilha do Sapo

Ilha do Sapo - Foto: Walter de Aguiar Filho, outubro/2011

Relacionada com a origem do nome da Praia da Sereia, na Praia da Costa. Conto que ouvi uma única vez, quando ainda jovem, teria talvez meus dez anos; e tinha como personagem, um velho pescador chamado João Rita, que morava ali mesmo, na Praia da Costa. Este pescador João Rita, existiu e era conhecido de quase todos os moradores de Vila Velha, nas décadas de 1930/ 1940.

João Rita era muito pobre, mas alegre e gostava de conversar com qualquer pessoa. Palrador que nem papagaio, especialmente com senhoras e crianças. Sua casa era baixinha, sobre a areia da praia. Para adentrá-la deveria abaixar-se. Suas paredes eram feitas com ramagens da mata de restinga fincados no chão e amarradas nas varas horizontais. Não tinha divisão interna, era de um cômodo só e a cobertura era de palha de coqueiro ou de palmeira.

João Rita era um pescador profissional e costumava pescar de todo jeito e em qualquer lugar. Nos dias chuvosos ou de mar revolto, se limitava ao exame do tresmalho sempre armado ao lado de sua casinha, onde existiu um trampolim de concreto armado para divertimento da rapaziada antiga.

Pescava muito em alto-mar e nas pedras adjacentes. Dizem, que, um dia, João Rita apaixonou-se por uma bonita garoupa que morava numa loca da Ilha do Sapo – uma daquelas que compõem o arquipélago próximo. Foi quando ele viu lá no horizonte uma nuvem escura se aproximando devagar. Ele não procurou abrigo, preferiu ficar ali curtindo sua amada. A nuvem ficou enorme, chegando lentamente, envolveu os dois e os levou para o alto, na direção do Convento da Penha para lá se casar. E lá ficaram... Nunca mais se teve notícias de João Rita.

Dizem que, algum tempo depois apareceu, naquele recanto da Ilha do Sapo, uma Sereia, onde nas noites de lua cantava as mais lindas canções. Coisa que se repetiu durante anos.

Por isso, aquele recanto da Praia da Costa ganhou o nome de Praia da Sereia.

 

Nota: Na primeira edição do livro “Vila Velha – Onde Começou o Estado do Espírito Santo”, cito o pintor de paredes Lúcio Bacelar, como perenizador do nome dado à Praia da Sereia, quando em 1930 pintou, na parede da fachada da sua quitanda, a figura de uma linda sereia. Sinal que ele também ouviu a lenda acima descrita.

 

 

Fonte: Vila Velha – Onde Começou o Estado do Espírito Santo, 2ª edição. 2011.
Autor: Jair Santos
Compilação e fotos: Walter de Aguiar Filho, outubro/2011



GALERIA:

📷
📷


Curiosidades

Os Açorianos fundam Viana

Os Açorianos fundam Viana

Trinta casais de açorianos chegaram ao Espírito Santo no governo de Alberto Rubim. Iniciava-se a imigração européia para o Estado. Eram novos braços para ajudar nos trabalhos da lavoura

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praias - As 10 mais frequentadas por Eurípedes Queiroz do Valle

Iriri. Deriva de reri ou riri, ostras, mariscos que se encontra em toda costa espírito-santense. Irirí vem a ser portanto local onde há abundância de ostras

Ver Artigo
O Liceu: uma fábrica que virou escola - Por Gabriel Bittencourt

Assim nasceu o Liceu, no prédio da fábrica de papéis, na rua Moreira nº 170, depois do desmonte e alienação do maquinário daquele empreendimento industrial

Ver Artigo
Barra do Jucu – Por Seu Dedê

No ano de 1886, administrada pelo doutor Antônio Athayde, foram feitos os reparos, sendo a obra dividida em três lances unidos por um aterro

Ver Artigo
Lembranças, Presentes e Souvenires do ES - Os 10 mais curiosos (1971)

Biscoitos Alcobaça.  São produtos da Fábrica Alcobaça, de propriedade da firma “Rami­ro S.A. Indústria e Comércio”, instalada no Município de Espírito Santo (Vila Velha), com depósitos em Vitória

Ver Artigo
Características Naturais do Espírito-Santense - Por Eurípedes Queiroz do Valle

1) A saudação. Trata-se de uma exclamação de cunho amistoso, usada para saudar amigos e conhecidos. É representada por um “Ei!” pronunciado com uma en­tonação especial de voz

Ver Artigo