Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Avenida Cleto Nunes – Por Elmo Elton

Av. Cleto Nunes 1936, Otavio PAES - UFES

Durante o primeiro governo de Moniz Freire, o Conselho Municipal, composto, em janeiro de 1893, de Antero de Almeida. Joaquim Corrêa de Lyrio. Eugênio Pinto Neto, Passos Costa Júnior, Alvino Aguiar e Cleto Nunes, além de outros, se propõe a trabalhar ativamente pelo progresso de Vitória. "O regimento os obriga a uma sessão por mês, mas a causa municipal os leva a três e quatro reuniões extras. Os problemas são múltiplos, os Conselheiros não se descuidam, sacrificam seus interesses particulares. O Poder Executivo é exercido cumulativamente pelo Presidente do Conselho. Um legítimo colegiado de homens de boa vontade.

Até então, como não existisse ainda uma legislação municipal, o Conselho, por proposta de Cleto Nunes, conforme Resolução de 5 de janeiro de 1893, vota o Código de Posturas, exigindo, para o licenciamento de obras, planta com determinadas especificações. Organiza o serviço de Limpeza Pública. Coleta domiciliária de lixo. Inicia o saneamento de valas e banhados (...) Policia as construções civis e protege matas circunjacentes. Abre novos bairros."

Aprovado aquele instrumento, inicia-se, em 1894, uma estrada melhor para o bairro de Santo Antônio, o mais antigo da capital, daí resultando a abertura da avenida Cleto Nunes, inaugurada a 18 de novembro do mesmo ano.

Concluído o aterro do Campinho e inaugurado o Parque Moscoso, em 1912, a avenida ganhou novo aspecto, outra largura e dimensão, já que, a princípio, tinha a balizá-la apenas as esquinas da Rua General Osório e Presidente Pedreira, sendo que, mais tarde, construiu-se, na antiga ladeira do Egito, artística escadaria, também com o nome de Cleto Nunes, visto que dando frente para a mesma avenida.

A artéria em apreço, hoje de intenso tráfego, com bom comércio, por muito tempo, era conhecida como "Avenida do Clube Vitória", agremiação fundada em 16 de julho de 1912. Esse clube, que ali funcionou, de prédio de esquina com a 23 de maio, tinha freqüência selecionada, era "o aristocrático", conforme a ele se referiam os próprios associados.

Cleto Nunes Pereira, nascido em Vitória, a 13 de maio de 1856, foi deputado de 1878 a 1891. Jornalista, abolicionista e republicano ardoroso, Conselheiro Municipal. Senador em 1898. Faleceu em Friburgo (RJ), a 11 de abril de 1908, com apenas 52 anos de idade.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2017

Bairros e Ruas

Av. Marcos de Azevedo (ex-avenída José Carlos) – Por Elmo Elton

Av. Marcos de Azevedo (ex-avenída José Carlos) – Por Elmo Elton

A partir do governo de Jerônimo Monteiro, essa artéria se enfeitou de belas residências, dentre as quais o palacete de Anísio Fernandes Coelho, construído em 1914

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Avenida Jerônimo Monteiro (ex-rua da Alfândega)

Atualmente, é a principal artéria central de Vitória. Chamou-se, antes, Rua da Alfândega, sendo que, em 1872, passou a denominar-se Rua Conde D'Eu

Ver Artigo
Poema-passeio com Elmo Elton - Por Adilson Vilaça

“Logradouros antigos de Vitória” sempre me impressionou. Mais de década depois, eu faria a segunda edição desta obra pela Coleção José Costa, dedicada à memória e história da cidade, e que foi por mim criada na década de 90

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz

Ao tentar alcançar a parte alta da vila, subindo estreita rampa, conhecida como ladeira do Pelourinho, os corsários foram surpreendidos pela jovem Maria Ortiz

Ver Artigo
Bairro Glória – Por Edward Athayde D’Alcântara

O Bairro Glória era conhecido como “A Fábrica” por ter ali recebido a transferência da fábrica de bombons Garoto

Ver Artigo
Rua Nestor Gomes (ex-ladeira do Chafariz)

No governo de Florentino Avidos, a área foi urbanizada, pondo-se abaixo todos os casarões antigos ali existentes 

Ver Artigo