Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Banho na Maré – Por Edward Athayde D’Alcântara

Colégio Marista, Sítio Batalha e a área onde foi construído o Shopping Praia da Costa, 1986

A gente fugia de casa para tomar banho na maré atrás do morro do Sítio Batalha e, ao chegar em casa, mentia dizendo que estava brincando com colegas.

Era gozado, e gente em casa olhava o olho do gato e acreditava ser a pupila estivesse bem redonda, queria dizer que a maré estava cheia e se estreita a maré estava vazia (baixa). Lá, na margem do rio (maré), havia uma grande laje de pedra que adentrava a água e era o melhor para o mergulho, fora dos olhares dos adultos. Hoje, o local seria do outro lado onde está o Shopping da Costa. Brincávamos de “boto e tainha”. O boto saltava da laje e mergulhava no rio a fim de pegar uma tainha e a tinha presa passava a ser o próximo boto e assim por diante.

Costumava aparecer um engraçadinho que pegava as roupas da gente e dava alguns nós bem apertados. Quando saía do banho e ia pegar as roupas o banhista desmanchava os nós, auxiliado com os dentes, e recebia a gozação dos colegas perguntando se a rosca estava torrada. Às vezes, acontecia alguma maldade como a de urinarem sobre os nós das roupas.

Fora do horário das aulas o banho habitual, consentido pelos pais, era o banho na Prainha porque sempre tinha adulto para vigiar o pequeno. O filho maior podia frenquentar com os colegas o banho no Cais da Prainha ou das Pedrinhas. Na Praia da Costa, só nas férias e aos domingos. Na volta, resolvia pular da ponte do Rio da Costa para tirar o sal.

Nos fins de semana era costume furar ondas para dar e levar caldos. Era difícil voltar para casa sem ser salgado. Salgar era jogar areia no corpo do banhista que desejava sair mais cedo para casa. Até hoje não entendo porque a gente fazia tudo para não ser salgado, pois se logo na ponte do Rio da Costa ia cair novamente na água!

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2020

 

Curiosidades

Viajantes Estrangeiros ao ES – Outros insignes estrangeiros

Viajantes Estrangeiros ao ES – Outros insignes estrangeiros

Não obstante, seria grande a relação dos estrangeiros ilustres que se detiveram no porto de Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praias - As 10 mais frequentadas por Eurípedes Queiroz do Valle

Iriri. Deriva de reri ou riri, ostras, mariscos que se encontra em toda costa espírito-santense. Irirí vem a ser portanto local onde há abundância de ostras

Ver Artigo
O Liceu: uma fábrica que virou escola - Por Gabriel Bittencourt

Assim nasceu o Liceu, no prédio da fábrica de papéis, na rua Moreira nº 170, depois do desmonte e alienação do maquinário daquele empreendimento industrial

Ver Artigo
Barra do Jucu – Por Seu Dedê

No ano de 1886, administrada pelo doutor Antônio Athayde, foram feitos os reparos, sendo a obra dividida em três lances unidos por um aterro

Ver Artigo
Lembranças, Presentes e Souvenires do ES - Os 10 mais curiosos (1971)

Biscoitos Alcobaça.  São produtos da Fábrica Alcobaça, de propriedade da firma “Rami­ro S.A. Indústria e Comércio”, instalada no Município de Espírito Santo (Vila Velha), com depósitos em Vitória

Ver Artigo
Características Naturais do Espírito-Santense - Por Eurípedes Queiroz do Valle

1) A saudação. Trata-se de uma exclamação de cunho amistoso, usada para saudar amigos e conhecidos. É representada por um “Ei!” pronunciado com uma en­tonação especial de voz

Ver Artigo