Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Casa do Navio

Casa do Navio - Foto de Leusa e Danilo Duarte

“E la nave va...”

“C’era uma volta um piccolo navio 
che non sappeva, non sappeva navigare...”

Onde está a nave de enfunadas velas que abrigou meus devaneios de menina aventureira? Minha nave erguia-se imponente à beira do mar. Como uma grande barcaça em repouso, embalada pelo marulho das ondas e o vento norte, vento forte, cheirando a maresia e sal.

Não; não era “piccola”; era grande, enorme, e para navegar bastava-lhe um sonho.

Tinha coração a minha nave. Um coração impetuoso, turbulento e terno.

Foi assim: havia grandes espaços abertos – o areal, a restinga, pedreiras com seus cactos em flor e paus-de-pita. Muita pitanga, amoras silvestres, cajus, goiaba vermelha, branca, goiaba bichada, para todo gosto. Os guruçás festejavam as noites de lua (milhares deles). Noitinha chegando, o programa era pegar Tatuí no vaivém das ondas. Programa que acabava em “fritada”.

Era a Praia da Costa dos anos cinqüenta – onde não passava ônibus mas passava boi, passava boiada, solta e livre.

Poucas casas havia e tão espalhadas que não ocupavam lugar. Na praia da Sereia, algumas casas de veranistas, pitorescas casinhas de pescadores cujo jardim era a areia da praia, florida de barcos e redes e molecotes morenos, espertos, felizes. O Clube dos 40, na ponta da praia, tinha um certo charme. Mais longe, numa enseada tranqüila, a casa do governador (naquele tempo Carlos Lindenberg), sempre aberta às nossas visitas e serenatas.

Uma estradinha de terra, esburacada, levava a Vila Velha.

Eu vivia por lá; eu e Paíco-meu-primo. Primos siameses – onde estava um estava o outro; onde estava o outro estava um. E nós três – ah, sim; a terceira personagem era Kilu, a cachorrinha bassê – conhecíamos cada grão de areia, cada forquilha de goiabeira, cada camaleão e rolinha.

Um belo dia, estávamos eu, Paíco e os filhotes da Kilu que faziam então suas primeiras excursões, a deambular por ali, e eis que nos surge, de supetão, um homem grande e cheio de braços, falando uma mistura de italiano com português. Todos os braços gesticulavam e a voz comandava o vento. Atrás dele uns homenzinhos de prancheta na mão e instrumentos topográficos tomavam sérias medidas em cima, em baixo e em torno da indiferente estradinha. Era tudo interessantíssimo e nós não podíamos perder esta.

Logo fomos notados:
- Eh! Bambini, venite quà! Ma come, come vi chiamate? Che bei cani! Voglio comprare uno...

Foi amor à primeira vista entre nós, ele e os cagnoletti. Batizou-nos de Paípa e Marinella, e os dois cachorrinhos com os quais o presenteamos receberam os nomes de Gin e Whisky. Estava selada nossa amizade.

Desse dia em diante éramos a sombra do Nicola – sim; Nicola Campanelli – o engenheiro italiano contratado para asfaltar a até então humilde estradinha da Praia da Costa que tantos banhos de lama nos dava nos tempos de chuva. Até hoje eu adoro o cheiro de asfalto quente que me reporta àquela época em que eu, Paíco e o Dr. Nicola asfaltamos a estrada. Andávamos de trator, nos pendurávamos nos guindastes, empurrávamos tonéis, salvávamos bezerros e pássaros atolados no asfalto derramado.

Mas se nós já não podíamos viver sem o Campanelli, ele também tampouco nos dispensava:

- Marinella, Paípa, venite! Andiamo a vedere la casa.

Porque também construímos a casa. A casa-navio. A grande nave que despertaria meu coração navegador.

Pedra por pedra, tijolo por tijolo, garrafa por garrafa... Como? Garrafa? Sim; que a fachada da casa foi decorada com fundos de garrafa: verde-oliva, caramelo, marrom-chocolate. Contra a luz transluziam coloridos. A casa, curiosíssima, tinha a forme de um navio. Tinha vigias (janelas redondas) e bem no alto a “cabina de comando”, uma torre oval. Vidraças em lugar de paredes proporcionavam magnífico panorama sobre o verde do mar e o verde da vegetação à volta por onde navegava nossa nave de sonho.

Dentro, tudo moderno. O banheiro de azulejos pretos e espelhos em profusão e, no fundo, entrando-se por uma grande arcada, uma banheira-piscina oval e, nas paredes, afrescos, onde brincavam anjinhos pelados (se bem me recordo, obra do Massena). Tudo era fascinante!

O Campanelli era um tipo sui generis; alegre entusiasta, espalhafatoso, vozeirão dominante, generoso e terno, impulsivo e violento. “Um vero italiano, ma chè!”

Subia na mesa, cantava uma ária, gesticullava e ria, ria deverasmente com gosto, como poucas vezes vi. Era o coração pulsante, vivo, anelante de nossa linda nau. Nossa sim; tudo era um pouco meu: - “Marinella, questa è la sua camera..” “Un giorno ti por teró com me in Italia; - tu e Paípa.” Eu acreditava em tudo. O Nicola me levaria aos astros se quisesse – ele era grande como o mundo.

“C’era uma volta” uma nave de sonho.

Para muitos um ponto turístico – a casa-navio – atrativo curioso que algum maluco bolou.

Para mim, um símbolo, um “ricordo” – uma saudade. “C’era uma volta...”

“E la nave va.”

 

Fonte: Trança 
Autora: Marilena Soneghet



GALERIA:

📷
📷


Variedades

Turismo e Educação - Por Marien Calixte

Turismo e Educação - Por Marien Calixte

Necessário que cada indivíduo seja um pouco do Presidente da República, do Juiz, do Governador, do Prefeito, do Diretor de Turismo, do professor, do pai

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Frases de Caminhão - Por Eurípedes Queiroz do Valle

As 10 mais espirituosas Frase de Caminhão do Espírito Santo, 1971

Ver Artigo
Capítulo III - A viagem a Capitania do ES pelo Príncipe Maximiliano de Weid-Neuwied

Maximiliano e sua comitiva partem rumo ao “desconhecido”, em de novembro de 1815

Ver Artigo
Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo
Hugo Viola - Por Cesar Viola

Em 24 de abril de 1949, o jornalista Waldyr Menezes escreveu em A Tribuna uma reportagem sob o título: "Jardim América, um milagre residencial para Vitória".

Ver Artigo
Com Vistas ao Delegado José Vieira

Além de ser preso injustamente foi esbordoado pelo soldado! - “O Continente” apura o fato”

Ver Artigo