Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

Rua Nestor Gomes

Quando da sucessão de Bernardino Monteiro, a política provocou, novamente, agitação e desassossego.

Numa tentativa de apaziguamento – diante do embate que se prenunciava apaixonado e violento – os partidos acordaram em apresentar o nome do coronel Nestor Gomes como candidato único à presidência do Estado. Mais tarde, entretanto, surgiu nova candidatura: a de Filomeno José Ribeiro.

O pleito decorreu em ambiente calmo, mas, quando da reunião do Congresso Legislativo Estadual para reconhecimento e posse do presidente eleito, estourou uma crise de tamanhas proporções que culminou na secção da Assembléia.

Parte desta, dirigida pelo deputado Geraldo Viana, reconheceu a validade da eleição de Nestor Gomes e continuou funcionando no paço do Congresso. A outra ala elegeu seu presidente o deputado Francisco Etienne Dessaune, que se proclamou chefe do executivo estadual.

No dia vinte e três de maio de 1920, pela manhã, parte do Batalhão de Polícia revoltou-se. Imediatamente, Bernardino Monteiro telegrafou ao presidente da República, solicitando o apoio da força federal. À tarde, transmitiu o cargo a Nestor Gomes.

As duas correntes assentiram, então, em entregar o governo a uma pessoa de confiança do chefe da Nação, que não aceitou a sugestão, por inconstitucional.

A vinte e seis de maio começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções.

Diante da nova situação, o presidente da República decretou a intervenção federal no Estado,(42) fazendo cessar o movimento armado.

Finalmente, a vinte e um de julho, foi sancionada, pelo presidente Epitácio Pessoa, a lei que reconhecia Nestor Gomes como presidente do Estado, depois de o Congresso Nacional se ter manifestado pela legitimidade de sua eleição.(43)

 

NOTAS

(42) - Decreto executivo número 14.191, de vinte e sete de maio de 1920.

(43) - O mesmo ato reconheceu a João de Deus Rodrigues Neto como vice-presidente.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, setembro/2017

História do ES

Agricultura no ES – Século XIX

Agricultura no ES – Século XIX

A maior parte da população dedicava-se à agricultura, rudimentarmente praticada

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Ver Artigo
Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio

Ver Artigo