Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Lembranças Inapagáveis - Isaías Ramires

Crônica de Isaías Ramires - Acervo: Edward Alcântara

Há pouco tempo, numa croniqueta publicada neste jornal, falei dos bondes, evocando passagens diversas de minha meninice em Vila Velha, neste Estado (sim, porque existem mais cidades com esse nome, embora a minha seja a mais antiga do Brasil), época que ficou marcada em minha vida de maneira indelével, e que, ao relembrá-la, me propicia gostosas reminiscências.

Outra lembrança muito forte que conservo daqueles saudosos tempos, é a da Semana Santa, com a procissão, na sexta-feira, do "Senhor Morto", com o encontro, nas proximidades da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, das imagens de Maria Santíssima e de Seu amado filho Jesus, episódio que arrancava lágrimas de grande número de fiéis.

Havia total respeito àqueles dias santificados, chegando ao ponto das senhoras não varrerem suas casas, e as chamadas "Marias" não pentearem os cabelos. Os sinos ficavam mudos. Só se ouvia o barulho estridente das matracas. As imagens e quadros de santos, nas igrejas e nas residências, eram cobertas de panos roxos. Carne, ninguém comia na quinta e sextas-feiras santas. O prato para esses dias era a chamada

"torta capixaba", feita com frutos do mar, palmito e ovos. Uma delícia!

No sábado de aleluia, pela manhã, vários judas eram encontrados pendurados nos postes pela cidade. A meninada, armada de paus e pedras, aguardava impaciente, que o relógio assinalasse dez horas para o início da malhação. Que algazarra sadia!

Naquela época, tudo voltava ao normal após esse horário. Os sinos repicavam, festivamente, Descobriam-se as imagens de santos. Alegria geral!

Hoje, septuagenário, lembro, com profunda saudade, aqueles recuados e saudosos tempos, onde havia mais religiosidade e respeito, E o sentimento de fraternidade era mais exercitado entre as pessoas.

 

Rio 

 

Autor: Isaías Ramires
Fonte: Jornal “O liberal Americano” de 02/02/2000 - “Lembranças inapagáveis"
Compilação: Edward Alcântara, maio/2012 


Literatura e Crônicas

Coisas de sinuca – Por Pedro Maia

Coisas de sinuca – Por Pedro Maia

E neste clima de igualdade as pessoas desabafam com mais liberdade, tornando o salão de sinuca a base da democracia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano Novo - Ano Velho - Por Nelson Abel de Almeida

O ano que passou, o ano que está chegando ao seu fim já não desperta mais interesse; ele é água passada e água passada não toca moinho, lá diz o ditado

Ver Artigo
Ano Novo - Por Eugênio Sette

Papai Noel só me trouxe avisos bancários anunciando próximos vencimentos e o meu Dever está maior do que o meu Haver

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Cariocas X Capixabas - Por Sérgio Figueira Sarkis

Estava programado um jogo de futebol, no campo do Fluminense, entre as seleções dos Cariocas e a dos Capixabas

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo