Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

O outro lado da revolta de Queimado

Igreja do Queimado - Serra,ES

Em 19 de março de 1849, registrou-se na Província um fato que a História denominou “Insurreição do Queimado”. Insurreição é sinônimo de revolta. E tudo aconteceu no Queimado, que é hoje município da Serra.

A história é simples de ser contada.

À margem esquerda do Rio Santa Maria da Vitória que servia de transporte para homens e mercadorias com destino ao interior da região, em certo ponto surgiu um povoado que se denominou São José do Queimado. Aí deveria construir-se uma igreja e não havia recursos para isso. A população era em geral muito pobre e os fazendeiros moravam longe e pouco se interessavam pelo assunto. Mas era uma freguesia e não podia deixar de ter uma igreja bonita, com sinos suspensos numa torre bem alta.

O pároco propôs-se edificar o templo.

Logo correu a notícia de que os escravos que ajudassem a levantar a obra receberiam, no dia da inauguração, a carta de alforria.

O entusiasmo tomou conta dos cativos que se lançaram ao trabalho movidos pelo cântico da liberdade. Os dias santos eram dias de festa e a festa era ver subir as paredes em cujos coroamento estaria o reconhecimento da sua condição de criaturas humanas.

Um ano inteiro trabalharam, isto é, em noites de luar, e aos domingos e nas horas de folga que tivessem nas fazendas.

No dia da inauguração, depois da missa, os escravos esperaram o cumprimento da promessa. Tudo lhes foi negado. O frade italiano, Gregório de Bene, negou tudo e se retirou apressadamente da paróquia.

Mas... teria havido mesmo essa promessa?

Condenar o Padre Bene por uma promessa que não sabemos se foi, realmente, feita, seria uma leviandade. O número de escravos que teriam ajudado a levantar o templo não passou de vinte ou pouco mais. E mais de duzentos participarem do levante.

Não teriam esses negros cativos se aproveitado do episódio para, sofridos e desesperados, fazer ecoar um grito de liberdade?

***

O sacrifício das vítimas serviu de alerta para que as autoridades e o povo em geral pensassem mais e se preocupassem com a terrível dominação do homem pelo homem.

 

Fonte: ESPÍRITO SANTO - História de suas lutas e conquistas, 2002
Autora: Neida Lúcia Moraes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2012

 

Link Relacionado:

Insurreição de Queimado

História do ES

Como se escrevia a história nos tempos de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Como se escrevia a história nos tempos de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Maria Ortiz despejou um caldeirão de água fervente, no Almirante Pieter Pieterszoon Heyn, chefe da expedição holandesa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
O Espírito Santo no Romance Brasileiro

A obra de Graça Aranha, escrita no Espírito Santo, foi o primeiro impulso do atual movimento literário brasileiro

Ver Artigo
Primeiros sacrifícios do donatário: a venda das propriedades – Vasco Coutinho

Para prover às despesas Vasco Coutinho vendeu a quinta de Alenquer à Real Fazenda

Ver Artigo
Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo
A Vila de Alenquer e a História do ES - Por João Eurípedes Franklin Leal

O nome, Espírito Santo, para a capitania, está estabelecido devido a chegada de Vasco Coutinho num domingo de Pentecoste, 23 de maio de 1535, dia da festa cristã do Divino Espírito Santo, entretanto... 

Ver Artigo