Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

O terraço inteligente - Uma invenção popular boa para nosso clima

Feio, o terraço capixaba começa a ser encarado pelos arquitetos

A maior invenção da arquitetura capixaba é o terraço coberto, de uso comum em sobrados e pequenos edifícios, na cidade e na zona rural, em todo o Espírito Santo e até fora do Estado. "Foi uma descoberta genial para o nosso clima quente e chuvoso", diz a arquiteta Cláudia Signorelli, que estudou o assunto durante o curso, concluído em 1990, na Universidade Federal do Espírito Santo.

Em sua pesquisa, que durou três anos, a arquiteta não localizou o autor nem a origem do terraço capixaba. Sem dúvida, o criador não foi um profissional da arquitetura. Trata-se provavelmente do resultado de uma criação coletiva da população. A época do surgimento seria em torno de 1960, pois o terraço só apareceu com materiais modernos, como as lajes pré-moldadas e as telhas de cimento-amianto. Sem contar com nenhuma referência bibliográfica, Cláudia Signorelli concluiu que o terraço capixaba pode ter sido, inicialmente, uma resposta à necessidade do quintal em residências urbanas construídas após o êxodo rural que acompanhou a crise da cafeicultura, na década de 60. Não havendo espaço lateral ou nos fundos, as famílias vindas do campo inventaram o quintal nos altos da residência.

Com o tempo, aquele espaço superior foi coberto para evitar o sol e a chuva. E o vão livre assim criado passou a funcionar eficazmente como um colchão de ar que refresca o interior da habitação. Na maior parte das casas, o terraço é lavanderia, depósito, minihorta e jardim. Em outros lugares, revela possuir múltiplo uso. Em prédios comerciais, pode ser restaurante, academia ou área de lazer. Na zona rural, serve até como secador de café ou careais. Notável invenção para climas quente, o terraço capixaba já faz parte, hoje, da paisagem de Estados vizinhos como Minas e a Bahia. Chegou também à Amazônia, levado provavelmente por capixabas. Em outras regiões do mundo, segundo a pesquisa da arquiteta Cláudia Signorelli, há registro de terraços semelhantes na península ibérica e em países do Oriente Médio, onde esse arranjo arquitetônico já tem cinco mil anos de uso.

 

Fonte: Os Capixabas, A Gazeta 14/12/1992
Pesquisa e textos: Abmir Aljeus, Geraldo Hasse e Linda Kogure
Fotos: Valter Monteiro, Tadeu Bianconi e Arquivo AG
Concepção gráfica: Sebastião Vargas
Ilustração: Pater
Edição: Geraldo Hasse e Orlando Eller
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2016

Curiosidades

Como me tornei viajante – Por Jair Corrêa

Como me tornei viajante – Por Jair Corrêa

A firma do G. Roubach era ali onde hoje é o Edifício Portugal, na esquina da Rua General Osório com a Florentino Avidos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praias - As 10 mais frequentadas por Eurípedes Queiroz do Valle

Iriri. Deriva de reri ou riri, ostras, mariscos que se encontra em toda costa espírito-santense. Irirí vem a ser portanto local onde há abundância de ostras

Ver Artigo
O Liceu: uma fábrica que virou escola - Por Gabriel Bittencourt

Assim nasceu o Liceu, no prédio da fábrica de papéis, na rua Moreira nº 170, depois do desmonte e alienação do maquinário daquele empreendimento industrial

Ver Artigo
Barra do Jucu – Por Seu Dedê

No ano de 1886, administrada pelo doutor Antônio Athayde, foram feitos os reparos, sendo a obra dividida em três lances unidos por um aterro

Ver Artigo
Lembranças, Presentes e Souvenires do ES - Os 10 mais curiosos (1971)

Biscoitos Alcobaça.  São produtos da Fábrica Alcobaça, de propriedade da firma “Rami­ro S.A. Indústria e Comércio”, instalada no Município de Espírito Santo (Vila Velha), com depósitos em Vitória

Ver Artigo
Características Naturais do Espírito-Santense - Por Eurípedes Queiroz do Valle

1) A saudação. Trata-se de uma exclamação de cunho amistoso, usada para saudar amigos e conhecidos. É representada por um “Ei!” pronunciado com uma en­tonação especial de voz

Ver Artigo