Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

O trio da burrice - Por Sérgio Figueira Sarkis

Capa do Livro: No Tempo do Hidrolitol

Eram três amigos inseparáveis: Coelho, Pepe e Tutu nomes fictícios. Unidos de longa data, viviam estarrecendo a sociedade com tiradas de "burrices hidráulicas", como gostava de definir Joubert Furtado.

Um deles, de passeio no Rio de Janeiro, estava em Copacabana, desfilando com um Chevrolet Bel Air conversível e, ao ver uma moça bonita, estaciona o carro e vai de encontro à mesma, para tentar ganhá-la.

Inicia a cantada dizendo ser um empresário residente nos Estados Unidos. A moça, descrente, não dá conversa. Ele, para provar que realmente morava na América, mostra a placa do seu conversível e, apontando a sigla ES, fala:

— Estados Sunidos.

O outro, ao ser testado numa prova de Geografia, não conseguia responder nada. O examinador, vendo que seria reprovado, para ajudá-lo, pediu que dissesse o nome de duas cidades dos Estados Unidos. O professor ficaria satisfeito e lhe daria nota 10. Pensando algum tempo respondeu:

— Nova Iorque.

O mestre pediu então a outra. Após uns cinco minutos respondeu:

— New York. Foi reprovado com distinção.

Mas, se cada um tinha suas falhas de inteligência, imagine os três reunidos. Foi o que aconteceu numa noite no Clube Vitória. A festa já corria solta e Tutu e Coelho estavam numa mesa, aguardando a chegada de Pepe. Ele tinha ido namorar com uma moça cujo pai era muito exigente e não aceitava interessados em sua filha que fossem boêmios.

Depois de algumas horas, chega Pepe, danado da vida porque havia passado aquele tempo todo discutindo com a namorada a necessidade dele se submeter às exigências do pai e abandonar todos os prazeres que o divertiam. Como não estava a fim de um namoro para casamento, disse aos amigos:

— Vou dar um tomé nesta menina.

 Este termo, à época, queria dizer terminar. Imediatamente, Coelho repicou:

— Pois é! O culpado disso foi Tomé de Souza, que descobriu o Brasil. Tutu, intervindo, corrigiu:

— É por isso que lhe chamam de burro. Não foi Tomé de Souza quem descobriu o Brasil. Foi Mem de Sá.

Pano rápido...

 

 

Fonte: No tempo do Hidrolitol – 2014
Autor: Sérgio Figueira Sarkis
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2019

Literatura e Crônicas

Fiado Só Amanhã - Por José Costa

Fiado Só Amanhã - Por José Costa

O que mais me marcou terá sido o clarão solitário exposto à quietude conservadora de Jucutuquara, ao fundo do qual vicejava, tal pétala de pureza brotada no coração do pecado, uma silenciosa moradora da noite

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano Novo - Ano Velho - Por Nelson Abel de Almeida

O ano que passou, o ano que está chegando ao seu fim já não desperta mais interesse; ele é água passada e água passada não toca moinho, lá diz o ditado

Ver Artigo
Ano Novo - Por Eugênio Sette

Papai Noel só me trouxe avisos bancários anunciando próximos vencimentos e o meu Dever está maior do que o meu Haver

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Cariocas X Capixabas - Por Sérgio Figueira Sarkis

Estava programado um jogo de futebol, no campo do Fluminense, entre as seleções dos Cariocas e a dos Capixabas

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo