Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Oferecido pelo sócio Basílio Daemon Carvalho,1800

Basílio Daemon Carvalho, quinto historiador capixaba, na ordem cronológica

Aos 23 dias de novembro de 1800, nesta vila de Nossa Senhora da Vitória, no Colégio de São Tiago, pelos santos óleos ao senhor Rodrigo, nascido na cidade da Bahia e nela batizado in extremis pelo reverendo Fr. Miguel, missionário barbadinho, filho legítimo do ilustríssimo senhor Antônio Pinto da Silva Pontes Leme, governador desta nova capitania e da ilustríssima senhora D. Caetana Herculana Malheiro, neto dos ilustríssimos senhores José da Silva Pontes de Carvalho, cavaleiro da Ordem de Cristo, capitão-mor da cidade de Mariana e D. Mariana Dias Pais Leme, e pela materna dos ilustríssimos senhores Alexandre José de Souza Menezes, cavaleiro da Ordem de Cristo, moço da Câmara de Sua Majestade, e D. Ana Antônia Pereira Malheiro de Souto Maior, morgada de Fernandeira e Cartemil em Ponte de Lima, nascido, digo, aos 27 de outubro de 1799; assistiram a esta solenidade por procurações que tiveram da cidade de Lisboa o senhor doutor ouvidor geral desta capitania, do ilustríssimo e excelentíssimo senhor Dom Rodrigo de Souza Coutinho, do Conselho de Estado, padrinho que era no batismo solene, cujo teor é o seguinte: “Dom Rodrigo de Souza Coutinho, do Conselho de Estado, ministro e secretário de Estado dos Negócios da Marinha e Domínios Ultramarinos, etc., constituo meu bastante procurador ao senhor doutor ouvidor geral da capitania, para que em meu nome possa extrair da fonte batismal a um filho do ilustríssimo senhor Antônio Pires da Silva Pontes Leme, governador da capitania do Espírito Santo, a este fim lhe concedo todos os poderes em direito necessários. — Lisboa, 9 de dezembro de 1799. — Dom Rodrigo de Souza Coutinho.”

O senhor capitão-mor das Ordenanças José Ribeiro Pinto, da ilustríssima e excelentíssima Senhora D. Maria Balbina de Souza Coutinho, senhora de Pancas, cujo teor é o seguinte: “Dona Maria Balbina de Souza Coutinho, senhora de Pancas, etc. Pela presente procuração, por mim assinada, dou poder ao senhor capitão-mor de Ordenanças da vila da Vitória, para que em meu nome possa elevar de sacra fonte um filho ou filha do ilustríssimo senhor Antônio Pires da Silva Pontes Leme, governador da capitania do Espírito Santo, e da ilustríssima senhora Dona Caetana, que para tudo lhe concedo todos os poderes que me são permitidos pelo sagrado Concílio de Trento. — Lisboa, 9 de dezembro de 1799. Dona Maria Balbina de Souza Coutinho.”

E não se continha mais coisa alguma nas referidas procurações, que fielmente aqui as copiei e de tudo para constar fiz este termo em que me assino. — Vigário José Pinto dos Santos.

* * *

Extraído do livro de batismos com visto dos dois bispos: D. José Joaquim Justiniano Mascarenhas Castelo Branco e D. José Caetano da Silva Coutinho.

Oferecido pelo sócio Basílio Carvalho Daemon.

 

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2018

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viagem ao Espírito Santo (1888) - Princesa Teresa da Baviera (PARTE VI)

Um pouco mais tarde, ouvimos a voz exótica de uma saracura, isto é, de um raleiro que poderia ser uma Aramides chiricote Vieill

Ver Artigo
A possível verdadeira história da tragédia da Vila Rubim - Adilson Vilaça

Bernardino Realino pode ser invocado como protetor de certas categorias de cidadãos, que julgam poder contar com poucos santos

Ver Artigo
Bibliotecas - As 10 mais importantes

1) A Biblioteca Pública do Estado. Fundada em 16-6-1855, pelo Presidente da Província Dr. Sebastião Machado Nunes.

Ver Artigo
Atividades Pioneiras - As 10 mais importantes

2) Advogados no Tribunal. Partiu da Constituição Espírito-santense de 1892 a prerrogativa dada hoje aos Advogados de participarem da composição dos Tribunais   

Ver Artigo
A origem da Praia da Costa

Ao tomar posse da Capitania do Espírito Santo em 1535, Vasco Fernandes Coutinho reservou para si uma área que veio a ser conhecida como " Fazenda da Costa".

Ver Artigo