Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

República, a grande transformação - Por Cristina Dadalto

Viaduto Caramuru, 1930

"E Vitória parecia mesmo um presépio que ainda mais belo se tornava à noite, com a iluminação feérica e colorida dos logradouros, tendo, fizesse luar, a lua como que caída do alto de seus montes para boiar nas águas mansas da baia."

Elmo Elton - Logradouros Antigos de Vitória.

 

A declaração da proclamação da república não provocou em Vitória qualquer movimento de insatisfação. Governava a província José Caetano Rodrigues Horta, que, em 20 de novembro de 1889, transferia o governo a Afonso Cláudio, então nomeado pelo governo provisório.

É um novo período que se inicia. Fase de progresso e de realização de obras que mudam a feição da cidade. Há influência do moderno urbanismo francês, é construída a Avenida Jerônimo Monteiro, o logradouro mais comercial, de maior trânsito e que abrigava os prédios mais valiosos da cidade. É o período de criação de novos bairros e de aterramentos.

Diz Luiz Serafim Derenzi: "Ao se proclamar a república, o Espírito Santo acorda de longo sono, cheio de pesadelos, e se apercebe de sua miséria física e moral. Valoriza seus filhos e passa a governar-se por si mesmo. (...) Os problemas administrativos são encarados com realismo. Adotam-se soluções."

Naquele período, Vitória contaria com homens públicos, organizados em conselhos, que iriam atuar gratuitamente. É elaborado um Código de Posturas, que passa a exigir licenciamento de obras, organiza o serviço de limpeza pública, policia as construções civis, protege as matas. Abre novos bairros. Vitória vivencia um efêmero progresso comercial.

Em 23 de maio de 1908 Jerônimo Monteiro assume o governo do Espírito Santo. Vitória havia estacionado, regredido economicamente - o comércio se encolhera. Ainda, segundo Luiz Serafim Derenzi, o Centro de Vitoria era assim: "Um bonde a tração animal trafegava pela cidade baixa, de Vila Rubim ao Forte São João, passando pelo largo da Conceição, ruas do Rosário, Cristóvão Colombo e Barão de Monjardim. (...) A Rua Primeiro de Março tinha o prédio mais alto da cidade. Aqui afluíam as damas ricas e elegante, da cidade para compras de seda, veludos, cambraias, perfumes, calçados, etc. (...) A Rua da Alfândega era a melhor. Um tanto estreita, com fachadas das casas mal alinhadas apresentava-se suficientemente reta. (...) O largo da Conceição não tem forma geométrica. Os urubus, empoleirados na cobertura do teatro, espreitam o lixo exposta à vista nas marés baixas, quando se descobrem os fundos das ruas do Rosário, General Câmara e São Manoel."

A cidade que Jerônimo Monteiro encontrou mantinha sua estrutura colonial. A Rua Duque de Caxias estava em decadência acelerada, o desconforto atingia os visitantes, que não encontravam hotéis de qualidade, a iluminação das ruas era feita à base de lampiões a querosene, as escolas eram em número insuficiente.

Pouco tempo após sua posse, Vitória começa a sentir os efeitos da mudança. É introduzida a energia elétrica e com ela surge o bonde elétrico, aposentando o bonde de burro. É reaberta a Biblioteca Pública, a Escola de Belas Artes é fundada. As ruas são urbanizadas e alargadas, recebendo tratamento de drenagem, aterros, água e esgoto. Constroem-se edifícios, jardins e parques: e as matas fronteiras à rua Sete de Setembro são desapropriadas.

Mas foi também no governo Jerônimo Monteiro que o Centro de Vitória viu alguns de seus patrimônios históricos serem demolidos. A igreja de Santiago, anexa ao velho palácio, foi desapropriada para dar espaço às exigências da reforma administrativa do Estado.

A capela de Nossa Senhora da Conceição foi derrubada para possibilitar a construção do Teatro Melpômene. E a igrejinha da Misericórdia, meio em ruínas, comprada por Henrique Coutinho, deu lugar ao edifício da Assembléia Legislativa. Aliás, foi Henrique Coutinho o planejador da expansão e melhoria da cidade no governo de Bernadino Monteiro.

Bernadino Monteiro daria continuidade às obras urbanísticas do irmão. As sociedades recreativas cresceram, as regatas se revigoraram, o Melpômene tinha noitadas agradáveis. Vitória se desenvolvia intelectualmente.

Foram tempos que duraram até a posse do coronel Nestor Gomes. Em seus dois primeiros anos de governo ficaram praticamente interditadas todas as obras da Cidade Alta, na Praça Costa Pereira, na rua Jerônimo Monteiro e na Zona da Capixaba.

A excelente situação financeira do Estado e os planos anunciados por Nestor Gomes transformavam Vitória numa terra de cabarés e jogatinas. A assunção do presidente Florentino Avidos, em 1924, vinha dar novo alento ao Centro de Vitória.

Foi a partir do governo de Florentino Avidos que Vitória passou a ser conhecida como cidade presépio, apelido carinhosamente recebido do médico e jornalista Aerobaldo Léllis, em crônica publicada, possivelmente, na revista Vida Capixaba.

No período de governo de Florentino Avidos várias edificações importantes para o Centro foram iniciadas: a construção do Viaduto Caramuru — planejado para ser uma linha de bonde, por onde bonde algum nunca passou, do Grupo Escolar Gomes Cardim (atual Fafi), a Imprensa Oficial, Arquivo Público, Biblioteca, Mercado da Capixaba — onde hoje tem sede a Secretaria Municipal de Cultura de Vitória.

Depois, nos governos que se seguiram, o Centro viu ser demolido o velho mercado na Avenida Jerônimo Monteiro para dar lugar à praça Oito, que teve parte ocupada pelo edifício dos Correios e Telégrafos.

E seguia a vida dos moradores do Centro de Vitória com relativa tranquilidade, quando, no verão que iniciava a década de 30, mais precisamente a 13 de fevereiro, a cidade viu-se em meio a uma situação traumática.

Parlamentares, jornalistas, acadêmicos e oposicionistas ao governo de Getúlio Vargas realizavam comício pela Aliança Liberal, na área fronteira ao Colégio do Carmo. Oradores postados nas janelas do colégio, cerca de 3 mil pessoas, acotovelavam-se na audiência, quando a polícia iniciou a repressão. Uma verdadeira chacina, que resultou em centenas de feridos e dezenas de mortos.

Depois desse episódio, poucas vezes o Centro viveu momentos de barbaridade de tal porte. E seguiu seu ritmo de desenvolvimento urbano e comercial sem muitas alterações, até 1960.

"Assim foi Vitória por anos seguidos... Acontece que, a partir da década de 60, começa a perder suas características..." lamenta Elmo Elton, em seu livro Logradouros Antigos de Vitória.

 

Fonte: Centro de Vitória, Coleção Elmo Elton nº2 – PMV, 1999
Texto: Maria Cristina Dadalto
Fotos: Judas Tadeu Bianconi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2020

História do ES

Serious Game -  Cultura Geral do Espírito Santo - Rodada 101

Serious Game - Cultura Geral do Espírito Santo - Rodada 101

O hotel de Sr. João Nava, na Rua Vasco Coutinho (Rua do Convento da Penha) foi utilizado inicialmente para dar apoio as atividades de implantação de que órgão?

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Ver Artigo
Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio

Ver Artigo