Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Vitória, cidade portuária

Capa do livro de Francisco Aurélio Ribeiro

No início do século XX, a modernidade chegava a Vitória com a construção de trilhos de bonde, estrada de ferro, ponte ligando a capital ao continente, a urbanização da cidade, avenidas e parques. A cidade vai perdendo a sua característica colonial e o porto de Vitória também se transforma, deixando de ser entreposto de comercialização de mercadorias para um grande porto de exportação de café, e posteriormente, minério de ferro. Em 1906, o Governo Federal autorizou a Companhia Porto de Vitória a modernizar o Porto, construindo um cais de 855 metros, ponte, armazéns, acesso ferroviário, pátio de carga e descarga e drenagem da barra. Tais obras levaram mais de 20 anos, sendo inauguradas na década de 1940, quando o Governo do Estado, a partir da inauguração, assumiu a administração do Porto de Vitória (GURGEL, Antônio de Pádua – Portos do Espírito Santo. Vitória: Contexto, 2001, p.24-30).

Conforme Antônio Gurgel, “O café fez do Porto de Vitória um dos mais importantes do país” (GURGEL, 2001, p.31), mas foi a exportação do minério de ferro, a partir da década de 1960, e a inauguração do terminal de Tubarão, no outro lado da entrada da barra da baía de Vitória, no município da Serra, que modificou totalmente, a cidade, transformando-a, nas décadas seguintes, numa metrópole. Essa transformação da cidade já se pode observar conforme publicação de 1970:

“O Porto de Vitória, situado na Baía do Espírito Santo, tem águas sempre tranqüilas e oferece abrigo seguro às embarcações. A entrada é formada por um canal dragado com cerca de 3,5 milhas marítimas de extensão e uma profundidade mínima de 10,60 metros.

Através dessa pitoresca via de acesso, chega-se à acolhedora cidade de Vitória, Capital do Espírito Santo.

Justificando a fama de uma das mais belas baías do Brasil, ostenta um colar de ilhas esparsas, verdadeiras pérolas engastadas em suas profundas e tranqüilas águas. Por entre esse cenário de rara beleza, que se desdobra ao longo do percurso, entre a ilha e o Continente, os navios vão acostar ao cais da Cidade Presépio”. (Administração do Porto de Vitória. Um passeio ao mar. Publicação de 1970).

O epíteto “Cidade Presépio” a Vitória foi consagrado pelo escritor Aerobaldo Lelis Horta, em poema publicado em 1951, na revista Vida Capichaba, mas outros autores como Almeida Cousin, em 1930, e Teixeira Leite também em 1930, já fizeram referências a Vitória como “Cidade Presépio”, além de Adolfo Fraga, no texto d (TATAGIBA, José. Vitória Cidade Presépio. Vitória: Multiplicidade, 2005, p.06).

 

Fonte: Vitória, Cidade Portuária, na visão de seus cronista, poetas e historiadores-Vitória,2007.
Autor: Francisco Aurélio Ribeiro



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

Bodas de Prata de Cinira Benezath Furtado

Bodas de Prata de Cinira Benezath Furtado

Conhecemos Cinira Benezath Furtado quando ela andava, ainda menina, estudando, pela Escola Normal

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano Novo - Ano Velho - Por Nelson Abel de Almeida

O ano que passou, o ano que está chegando ao seu fim já não desperta mais interesse; ele é água passada e água passada não toca moinho, lá diz o ditado

Ver Artigo
Ano Novo - Por Eugênio Sette

Papai Noel só me trouxe avisos bancários anunciando próximos vencimentos e o meu Dever está maior do que o meu Haver

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Cariocas X Capixabas - Por Sérgio Figueira Sarkis

Estava programado um jogo de futebol, no campo do Fluminense, entre as seleções dos Cariocas e a dos Capixabas

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo