Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Banho na Maré – Por Edward Athayde D’Alcântara

Colégio Marista, Sítio Batalha e a área onde foi construído o Shopping Praia da Costa, 1986

A gente fugia de casa para tomar banho na maré atrás do morro do Sítio Batalha e, ao chegar em casa, mentia dizendo que estava brincando com colegas.

Era gozado, e gente em casa olhava o olho do gato e acreditava ser a pupila estivesse bem redonda, queria dizer que a maré estava cheia e se estreita a maré estava vazia (baixa). Lá, na margem do rio (maré), havia uma grande laje de pedra que adentrava a água e era o melhor para o mergulho, fora dos olhares dos adultos. Hoje, o local seria do outro lado onde está o Shopping da Costa. Brincávamos de “boto e tainha”. O boto saltava da laje e mergulhava no rio a fim de pegar uma tainha e a tinha presa passava a ser o próximo boto e assim por diante.

Costumava aparecer um engraçadinho que pegava as roupas da gente e dava alguns nós bem apertados. Quando saía do banho e ia pegar as roupas o banhista desmanchava os nós, auxiliado com os dentes, e recebia a gozação dos colegas perguntando se a rosca estava torrada. Às vezes, acontecia alguma maldade como a de urinarem sobre os nós das roupas.

Fora do horário das aulas o banho habitual, consentido pelos pais, era o banho na Prainha porque sempre tinha adulto para vigiar o pequeno. O filho maior podia frenquentar com os colegas o banho no Cais da Prainha ou das Pedrinhas. Na Praia da Costa, só nas férias e aos domingos. Na volta, resolvia pular da ponte do Rio da Costa para tirar o sal.

Nos fins de semana era costume furar ondas para dar e levar caldos. Era difícil voltar para casa sem ser salgado. Salgar era jogar areia no corpo do banhista que desejava sair mais cedo para casa. Até hoje não entendo porque a gente fazia tudo para não ser salgado, pois se logo na ponte do Rio da Costa ia cair novamente na água!

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2020

 

Curiosidades

Maria Ortiz e a Caprichosos de Pilares

Maria Ortiz e a Caprichosos de Pilares

Ainda no embalo do Carnaval 2006, muito se tem dito sobre Maria Ortiz, que no desfile da escola de samba Caprichosos de Pilares, no Rio, foi representada como prostituta.

Mas afinal, quem foi Maria Ortiz, consagrada como heroína capixaba quando da invasão dos holandeses ao Espírito Santo, em 1625?

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praias - As 10 mais frequentadas por Eurípedes Queiroz do Valle

Iriri. Deriva de reri ou riri, ostras, mariscos que se encontra em toda costa espírito-santense. Irirí vem a ser portanto local onde há abundância de ostras

Ver Artigo
O Liceu: uma fábrica que virou escola - Por Gabriel Bittencourt

Assim nasceu o Liceu, no prédio da fábrica de papéis, na rua Moreira nº 170, depois do desmonte e alienação do maquinário daquele empreendimento industrial

Ver Artigo
Barra do Jucu – Por Seu Dedê

No ano de 1886, administrada pelo doutor Antônio Athayde, foram feitos os reparos, sendo a obra dividida em três lances unidos por um aterro

Ver Artigo
Lembranças, Presentes e Souvenires do ES - Os 10 mais curiosos (1971)

Biscoitos Alcobaça.  São produtos da Fábrica Alcobaça, de propriedade da firma “Rami­ro S.A. Indústria e Comércio”, instalada no Município de Espírito Santo (Vila Velha), com depósitos em Vitória

Ver Artigo
Características Naturais do Espírito-Santense - Por Eurípedes Queiroz do Valle

1) A saudação. Trata-se de uma exclamação de cunho amistoso, usada para saudar amigos e conhecidos. É representada por um “Ei!” pronunciado com uma en­tonação especial de voz

Ver Artigo