Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Marista e o Sítio do Batalha, contribuição de Lilindo

O sítio deve seu nome a um seu antigo proprietário conhecido como Francisco Batalha. Eram seus herdeiros as irmãs Batalha: Santinha, Lazinha e Lindinha.

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa. A entrada principal ficava na Avenida Jerônimo Monteiro através de uma cancela, uma tranca do tipo pica-pau servia para evitar que os animais domésticos fugissem para a rua. Somente à tardinha, depois do apascentamento deles era passado um cadeado. A passagem de pedestres era conhecida como engana-bode; era uma entrada feita de mourões de camará e arame farpado em paralelo, formando um ângulo agudo onde o animal não tinha condição de virar sem que ficasse agarrado nas farpas do arame.

Pelo lado do mar (leste) fazia divisa com o Rio da Costa e pelo sul, em parte, com o rio citado e um regato que hoje seria o canal Bigossi tendo na outra margem os terrenos de Dona Emilinha Tesh Mascarenhas; no lado oeste sua divisa começava com os fundos das casas de seu Ailton (marido da professora Dona Amália), do senhor Câmara (pai de Chico), seu Canico (casado com Dona Laura e pai do Silmo, Layr, Marinalva, Élcio e Lauro Antônio), seu Jonas (casado com Dona Viruta e pai do Asdrúbal e José), seu Zezinho Queiroz (marido de Dona Isaura e pai de Maria Carmem e Yeda), e seu Vitor (casado com Dona Vitória e pai do Menininho, Jorge e Lindaura) até atingir a Rua Sete de Setembro e daí em diante acompanhando o caminho do Lixo até o pequeno córrego do Celamim e por este até alcançar o Regato (canal Bigossi) nos terrenos de Dona Emilinha. Mais tarde, ao longo do caminho diversas pessoas construíram suas residências.

No sítio, uma casinha coberta de zinco onde morava o seu Reparato e os filhos Valdemar, Ernani (Paizinho) e Romeu e as filhas, Jacy, Zizi e Aracy.

Comprado e doado pela Prefeitura do Município à  Brasileira de Educação e Ensino para construção do educandário dos Irmãos Maristas, pelo artigo 2º da Lei Municipal nº 85.

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2020

Variedades

Turismo e Educação - Por Marien Calixte

Turismo e Educação - Por Marien Calixte

Necessário que cada indivíduo seja um pouco do Presidente da República, do Juiz, do Governador, do Prefeito, do Diretor de Turismo, do professor, do pai

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vitória (Em passado próximo) - Seus passeios e atrações turísticas

O Centro da Capital (Cidade alta). Atrações: - a Catedral Arquidiocesana com o seu rendilhado gótico

Ver Artigo
Compositores da Moderna Canção Popular - Os 10 mais conhecidos

Na Guanabara consolidou o prestigio de compositor com a marcha-rancho “Depois do Carnaval”. Chico Lessa figura hoje como uma das grandes figuras da mú­sica popular brasileira

Ver Artigo
Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo
Frases de Caminhão - Por Eurípedes Queiroz do Valle

As 10 mais espirituosas Frase de Caminhão do Espírito Santo, 1971

Ver Artigo
Hugo Viola - Por Cesar Viola

Em 24 de abril de 1949, o jornalista Waldyr Menezes escreveu em A Tribuna uma reportagem sob o título: "Jardim América, um milagre residencial para Vitória".

Ver Artigo