Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Vitória (Em passado próximo) - Seus passeios e atrações turísticas

Vitrô da Catedral de Vitória na Cidade Alta

Os 10 mais interessantes

1) O Centro da Capital (Cidade alta). Atrações: - a Catedral Arquidiocesana com o seu rendilhado gótico. A Cúria, antigo Palácio dos Bispos. O novo Palácio da Justiça (Palácio Moniz Freire). O Palácio do Congresso (Palácio Domingos Martins), completamente remodelado, vendo-se no saguão de entrada a escultura, em madeira, de seu patrono, em tamanho natural. O Museu de Arte Religiosa, instalado na anti­ga Capelinha de Santa Luzia, a mais antiga do Estado, construção do século XVI. O Palácio Anchieta (Palácio do Governo) antigo Convento dos Jesuítas. O Túmulo de Anchieta, na cripta da antiga Igreja de São Tiago, hoje dependência do Palácio do Go­verno, é aberto à visitação pública. A Biblioteca e o Arquivo Públicos. O novo edifício sede da Embratel. A Casa de Saúde Governador Bley. O Monumento de Domingos José Martins, herói da Revolução Pernambucana de 1817. O Monumento aos soldados espírito-santenses mortos na Campanha da Itália. O edifício sede da Legião Brasileira de Assistência. A nova Biblioteca da Assembleia Legislativa, com entrada independente pelo Boulevard Pedro Palácios e aberta ao público e o Instituto Jerônimo Monteiro.

2) Jucutuquara. A dois quilômetros do centro urbano. É o primeiro e o mais próximo bairro da cidade de quem se dirige para a zona sul. Está praticamente ligado ao centro urbano pela longa Avenida Vitória, com início no Forte de São João. Atra­ções turísticas: o Museu Histórico da Cidade, com sede no velho Solar Monjardim, hoje sob a direção da Universidade Federal. A Fábrica de Tecidos (Manufatora de Tecidos). O Estádio Governador Bley, o maior e o mais antigo da cidade. A Escola Técnica Federal, com os seus diversos Pavilhões, suas Oficinas e seu Teatro.

3) Praia Comprida. A cinco quilômetros do centro urbano. E o bairro aris­tocrático da cidade. Atrações: - as suas largas Avenidas. Seus modernos prédios residenciais. Sua praia de banhos, preferida pelos Colégios e Educandários dada a mansidão de suas águas e sua pouca profundidade. O Colégio Sacré-Coeur de Marie em privilegiada situação topográfica com vista panorâmica para qualquer ângulo de visão. O Iate Clube, pitoresco recanto arborizado. O Praia Clube, social e esportivo, com os seus campos de basquete e suas piscinas. A Igreja de Santa Rita de Cássia, em fase de conclusão. A Fábrica de presentes, lembranças e “souvenir” de jacarandá, da firma “Santa Rita Ind. e Com., Madeira Ltda. de Ernest Riusech, onde se pode adqui­rir jarros, jarrões, estátuas cinzeiros, bibelôs, objetos de escritório, adornos, cofres, depósitos de joias e tudo do melhor jacarandá capixaba.

4) Santo Antônio. Está a dois quilômetros da cidade. É o mais populoso bairro de Vitória e de sua zona norte. Atrações: as Obras Sociais dos Padres Pavonianos. Suas Oficinas tipográficas. O “atelier” do afamado escultor italiano, Prof. G. Greppas, da Escola Superior Belas-Artes da Universidade, com sua coleção de esboços e mode­los. O Santuário de Santo Antônio em fase de acabamento. Edificado num “plateau” com excelente vista para o canal da Ilha de Vitória, na sua parte mais larga. Trata­-se de construção notável pela sua arrojada arquitetura, constante de quatro grandes abóbadas no meio das quais surge uma abóbada central. Do alto, lembra um trevo de 4 folhas. Da que a plataforma circunda o seu 5. ° andar, obtêm-se excelente vista pa­norâmica sobre o bairro e sobre as suas cercanias. Neste bairro se encontram, ainda, os 3 mais antigos Cemitérios da Capital, com os seus velhos e artísticos mausoléus. Também nesse bairro tem início a Avenida de Contorno, que circunda toda a Ilha de Vitória, numa extensão aproximada de 14 quilômetros, através de lindos panoramas. Já está em construção a nova seção da Avenida Beira-Mar, que, partindo do arrabalde da Vila Rubim, ligará esse bairro ao centro da cidade.

5) O Cais de Minério da Capuaba. Situa-se no morro desse nome, no conti­nente, fronteiro à capital. Merece ser visitado, não só pelo traçado caprichoso com que a Estrada de Ferro Vitória à Minas chega ao alto do morro, contornando-o em curva suave, como pela maneira com que o minério é descarregado nos silos e destes chega aos porões dos navios. Em face do novo e moderno Cais do Tubarão construí­do, também, para o embarque de minério, que desce das jazidas mineiras, este passou a receber apenas o minério fino. O Governo projeta prolongar o pequeno cais de embarque que passará então a Cais Auxiliar do Cais Comercial da cidade.

6) O Cais de Minério de Tubarão. É de construção recente. Pela sua capaci­dade e pelos seus modernos maquinismos, é considerado um dos maiores da Amé­rica, no seu gênero. Está construído na Ponta do Tubarão, que lhe dá o nome. O seu grande “píer” permite que dois ou mais navios sejam simultaneamente carregados em poucas horas. Em vias de conclusão está no mesmo local a grande Oficina de Pelotização do minério para maior facilidade de seu embarque e transporte. Merece ainda ser visitada, nas proximidades desse porto, a Casa de Residência que hospeda os Diretores da Companhia Vale do Rio Doce, situada em aprazível local e com todos os requintes de bem-estar. O Porto de Tubarão está ligado à capital espírito-santense por excelente rodovia que acompanha toda a ampla e suave curva da Praia de Cam­buri, uma das mais belas e frequentadas de Vitória, onde já se constrói no momento vários núcleos residenciais.

7) A Fábrica de Bombons Garoto. Está situada no continente, no quilômetro 8 da Rodovia Carlos Lindemberg, que conduz à vizinhança cidade do Espírito Santo, antiga Vila Velha. Merecem ser visitados o seu mostruário de produtos fabricados, sua seção de vendas a varejo, os seus moderníssimos maquinismos e a sua curiosa seção de embalagem. Nas suas proximidades se encontra a fábrica dos conhecidos sabonetes Florsy, na sua grande variedade.

8) A Cidade do Espírito Santo. E a antiga Vila Velha. Está a 10 quilômetros da capital, pela rodovia Carlos Lindenberg. É a mais antiga cidade do Espírito Santo. Na sua pequena e pitoresca enseada aportou, em 23 de maio de 1535, o primeiro Donatá­rio da Capitania, o fidalgo português Vasco Fernandes Coutinho. Atrações: o Palácio da Municipalidade com a sua curiosa arquitetura que lembra uma enorme barraca de campanha. A Igreja do Rosário, construção do século XVI, já tombada pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. O Obelisco, no jardim fronteiro à re­ferida Igreja do Rosário, assinalando o local onde foi construída a primeira habitação espírito-santense. O Santuário do Espírito Santo, construção recente, com capaci­dade para quatro mil fiéis. O Quartel do 3 Batalhão de Caçadores, abrigado entre morros verdejantes e onde se destaca a histórica Fortaleza de Piratininga, de forma circular, na qual o seu atual comandante Cel. Venâncio Alves da Cunha, pretende instalar o Museu Militar do Estado. A moderna Escola de Aprendizes Marinheiros situada, igualmente, num recanto pitoresco da Enseada de Inhoá, à margem esquerda do canal de acesso ao Porto de Vitória.

9) O Convento da Penha. Ergue-se no alto do morro das Palmeiras, hoje mor­ro da Penha, a 130 metros de altura. Relíquia histórica do Século XVI, já tombado pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Atrações principais: o seu histórico portão de entrada, do lado do mar. No oratório, que se vê ao lado des­se portão, encontra-se uma cópia do painel da Virgem da Penha, nome dado pelo povo à N. S. dos Prazeres, trazida da Espanha pelo fundador do Convento Frei Pedro Palácios. Duas ladeiras levam o visitante ao Convento: a denominada Sete Voltas, a primitiva com o seu velho calçamento e a nova, para automóveis, denominada Dom Luiz Scortegagna, homenagem ao velho e saudoso Bispo Diocesano. Ambas condu­zem ao “plateau” que antecede às escadarias de acesso ao Templo. Nesse “plateau”, denominado Campinho, encontra-se a primitiva Capelinha de São Francisco cons­truída por aquele velho catequista, hoje restaurada. Nela faleceu Pedro Palácios em maio de 1570. No alto, o tradicional Convento, com os seus históricos altares, seus corredores laterais ao longo das velhas celas e onde se encontram grandes quadros do pintor brasileiro Calixto, representando cenas e milagres da história do Santuário. Ao lado do corpo do Convento, em edifício anexo, encontram-se o Museu de História Natural e o salão dos Milagres. De qualquer ponto ou ângulo do Convento obtém o observador panoramas empolgantes sobre o Oceano e sobre a velha cidade que se renova e amplia.

10) A Praia da Costa. É uma das mais amplas e belas praias do Espírito Santo, desembocam nas Avenidas projetadas pela Municipalidade, partindo do primitivo centro urbano da velha cidade do Espírito Santo. Atrações: suas belas e luxuosas re­sidências de veraneio. Seu antigo “Clube dos 40” num recanto arborizado. O “Clube Libanês”, recém-construído, que é, no momento, 1970, o mais luxuoso da cidade e um dos melhores do Estado, erguido em local privilegiado da praia, que se segue à da Costa, do lado norte. O “Farol da Barra”, na Ponta sul da baía de Vitória, dominando toda a vastidão dessa baía. A residência de verão dos Governadores, com a sua pe­quena e graciosa praia privativa, e, afinal, os novos bares, restaurantes e boates, que se abrem na convergência dessas duas praias da velha cidade dos “Canelas verdes”.

Fontes para estudos: “Revista Guia de Vitória”. Publicação recente. Direção ge­ral de Everaldo De Prá. Ilustrada com mapas e plantas da cidade. “Cidade de Vitória” (Come nasceu. Como se desenvolveu. Sua fisionomia atual. Seus monumentos públi­cos. Sua vida cultural. Sua vida social e recreativa. Seus pontos de atração turística. Seus Prefeitos. Seu futuro). Estudos de Eurípedes Queiróz do Valle. Publicado pela Diretoria de Recursos Audiovisuais da Secretaria da Educação e Cultura do Estado em 1970. “Pe­queno Dicionário In formativo do Estado do Espírito Santo”. Do mesmo autor. Ed. do Departamento de Imprensa Oficial. Vitória, 1959. “Biografia de uma Ilha” do Prof. Luiz Serafim Derenzi. Ed. Pongetti. Rio. 1969. “Cidade de Vitória”. Relatório do Dr. Danilo Rangel Brigido. Publicação Oficial da Prefeitura de Vitória. Ed. de 1930.

 

Academia Espírito-Santense de Letras

Ester Abreu Vieira de Oliveira (Presidente)

João Gualberto Vasconcellos (1° Vice-Presidente)

Álvaro José Silva (1° Secretário)

Marcos Tavares (1° Tesoureiro)

Secretaria Municipal de Cultura - Prefeitura de Vitória

Lorenzo Pazolini (Prefeito Municipal)

Estéfane da Silva Franca Ferreira (Vice-Prefeita)

Luciano Pícoli Gagno (Secretário Municipal de Cultura)

Elizete Terezinha Caser Rocha (Coordenadora da Biblioteca Municipal Adelpho Poli Monjardim)

Conselho Editorial

Adilson Vilaça

Álvaro José Silva

Ester Abreu Vieira de Oliveira

Elizete Terezinha Caser Rocha

Fernando Achiamé

Francisco Aurelio Ribeiro

Getúlio Marcos Pereira Neves

Organização e Revisão

Francisco Aurelio Ribeiro

Capa e Editoração

Douglas Ramalho

Impressão

Gráfica Espírito Santo

Imagens

Arquivos Pessoais

 

Fonte: O Estado do Espírito Santo e os Espírito-santenses - Dados, Fatos e Curiosidades (os 10 mais...) - 4° Edição (Reedição da 3ª ed. de 1971)
Autor: Eurípedes Queiroz do Valle
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2023

Variedades

O Samba Corre Nessas Veias – Por José Carlos Mattedi

O Samba Corre Nessas Veias – Por José Carlos Mattedi

Mais antigo puxador de samba-enredo de Vitória, Lajota, lembra seus 35 anos de carnaval, o aprendizado com os grandes mestres, como Cartola, da Mangueira

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vitória (Em passado próximo) - Seus passeios e atrações turísticas

O Centro da Capital (Cidade alta). Atrações: - a Catedral Arquidiocesana com o seu rendilhado gótico

Ver Artigo
Compositores da Moderna Canção Popular - Os 10 mais conhecidos

Na Guanabara consolidou o prestigio de compositor com a marcha-rancho “Depois do Carnaval”. Chico Lessa figura hoje como uma das grandes figuras da mú­sica popular brasileira

Ver Artigo
Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo
Frases de Caminhão - Por Eurípedes Queiroz do Valle

As 10 mais espirituosas Frase de Caminhão do Espírito Santo, 1971

Ver Artigo
Hugo Viola - Por Cesar Viola

Em 24 de abril de 1949, o jornalista Waldyr Menezes escreveu em A Tribuna uma reportagem sob o título: "Jardim América, um milagre residencial para Vitória".

Ver Artigo