Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vasco Fernandes Coutinho

Empresa difícil, homens de fibra

Empresa difícil, homens de fibra

Vasco Coutinho em busca de recursos. Em Lisboa ficou hospedado em uma casa na Rua do Barão de  Alvito (1540)

D. Jorge de Menezes à frente da capitania

D. Jorge de Menezes à frente da capitania

Rocha Pombo resumiu o homem nestas palavras: “Valente, é exato, mas cheio de paixões incompatíveis com a compostura de uma autoridade

Delação de Duarte de Lemos e outras cartas

Delação de Duarte de Lemos e outras cartas

Carta de DUARTE DE LEMOS escrita de Porto-Seguro a D. João III, em 14/07/1550. “Senhor, V. A. saberá como Vasco Fernandes Coutinho...”

Comércio direto com Portugal

Comércio direto com Portugal

Já nos referimos ao primeiro carregamento de açúcar despachado para a metrópole, no barco de Brás Teles, em 1545

O donatário visto pelo governador Duarte da Costa

O donatário visto pelo governador Duarte da Costa

“Velho pobre e cançado”, foi como Duarte da Costa definiu Coutinho à sua passagem pela Bahia

Coutinho ausenta-se novamente da capitania

Coutinho ausenta-se novamente da capitania

Posta certa ordem na governança, Vasco Coutinho atirou-se novamente ao mundo

Vasco Coutinho volta ao Brasil, ano de 1555

Vasco Coutinho volta ao Brasil, ano de 1555

O navio em que Coutinho regressou ao Brasil tocou em Pernambuco e, com certeza, era de sua propriedade

Vasco – Por quê a Ilha do Frade para Valentim Nunes?

Vasco – Por quê a Ilha do Frade para Valentim Nunes?

Nunca fui plebeu. Disfarcei minha condição para me proteger na cadeia. Meu nome é Valentim Nunes

Vasco Coutinho – Por Serafim Derenzi

Vasco Coutinho – Por Serafim Derenzi

Vasco Coutinho não foi o amolecido degenerado das crônicas mal avisadas, nem tão pouco um mistificador, que tramava contra a coroa

65 anos após o desembarque de Vasco Fernandes Coutinho

65 anos após o desembarque de Vasco Fernandes Coutinho

Muito progredira a capitania desde a chegada da Grorya à enseada do Espírito Santo. Vivo estivesse, o primeiro donatário poderia dizer, com justo orgulho, que não fora vão o sacrifício que se impusera para plantar a bandeira do seu rei nesta nesga do solo brasileiro