Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Avenida da República (ex-rua da Vala) - Por Elmo Elton

O antigo palacete que abrigou o Club dos Bohemios e também o IHGES, foi demolido em 1977, para a construção do Edifício Domingos Martins (onde fica a atual sede do IHGES).

Primitivamente, tinha começo na Rua do Comércio e terminava na Cleto Nunes. Depois, inaugurado o Parque Moscoso, se estendeu até a praça do Quartel (atual Misael Pena). Recebeu a denominação de Avenida da República a 5 de julho de 1895, sendo o canal, então ali existente, coberto, em 1911, com concreto armado e laje de metal "deployer", sendo autor do projeto o engenheiro Pedro Bosísio, os serviços executados por Serafim Derenzi, mediante contrato firmado entre o Governo e o Sr. Antônio José Duarte. Esse senhor, capitalista, sócio da firma Duarte & Beiriz, comerciante em Iconha, foi o empreiteiro geral de todas as obras construídas no governo de Jerônimo Monteiro.

A parte comercial dessa artéria ia só até a Cleto Nunes, em cuja esquina (onde hoje se acha o cinema Santa Cecília) se construíra amplo barracão, de propriedade do português José Ferreira Bento, nele funcionando o Politeama, cinema que fez época em Vitória, apesar de suas precárias instalações. O Politeama exibia bons filmes, era mesmo freqüentado por pessoas da melhor sociedade vitoriense, sendo que, às segundas-feiras, oferecia uma sessão colosso, — alcunhada por muitos de feijoada —, repetição da matinê de domingo, seguida de um filme de mistério, quando os freqüentadores passavam a ser outros: — estudantes, operários, empregadas domésticas, prostitutas, mormente moradores da Vila Rubim, a fila, para a compra dos ingressos, se alongando por toda a artéria, meninos e rapazolas vendendo, ao redor, balas, pirulitos, amendoim, cartuchos de tapioca com coco, biscoitos sinhá: — Oia o baleiro, ba-lei-ro! Uma preta gorda, madurona, com tabuleiro firmado em armação em X, vendia, frente à portaria do cinema, cocada-preta, coco-queimado, mole, cada porção a 200 réis. Uma sirene, estridente, ali instalada, emprestava como que nova vibração à redondeza.

Nessa mesma artéria comercial ficavam o Café Jaú, a Padaria Sarlo, vendendo os pães mais gostosos da cidade, o Bar Teixeira, a Agência da Chevrolet, a Casa Scall, de móveis, o Armazém Santa Maria, de secos e molhados, a Casa Evaristo Pessoa, de ferragens, A Normalista, papelaria, mais outras firmas, além do prédio. de sólida construção, onde funcionou o Departamento Estadual de Estatística, em cujo andar térreo esteve instalado, por algum tempo, o correio.

Na outra parte da avenida, isto é, a que dá frente para o Parque Moscoso, erguiam-se belas residências, todas com jardins amplos, bem, cuidados. Residiam, aí, entre demais famílias de projeção, o professor Arnulpho Mattos, o maestro Ernesto Strobach, os Sarlo, sendo que, no lugar dessas residências, porque, já agora, todas demolidas, se ergueram modernos edifícios, situando-se, ao termino do logradouro, o prédio do Clube dos Boêmios Carnavalescos. Esse prédio, depois, passou a ser sede própria do instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo. Na década de 70, o IHGES, mediante contrato com firma construtora, permitiu a demolição do imóvel, onde foi construído, então, o Edifício Domingos Martins, em cujo primeiro andar se acha instalada aquela tradicional entidade, fundada em 1916.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2017



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Escadaria São Diogo - (ex-ladeira da Pedra)

Escadaria São Diogo - (ex-ladeira da Pedra)

O local da escadaria era chamado originalmente de Ladeira da Pedra, por ter na época uma precária escada esculpida diretamente na pedra bruta. Em 1942, foi construída uma nova escadaria e, com seu estilo eclético

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Primeiros moradores do Farol de Santa Luzia

Os primeiros moradores da região do Farol de Santa Luzia, na Praia da Costa, Vila Velha, foram...

Ver Artigo
Rua Dois de Dezembro (ex-rua do Beco) – Por Elmo Elton

Tinha começo em frente à Loja Maçônica Ordem e Progresso, onde se construíra um chafariz, e terminava no largo da Matriz, quase paralela à José Marcelino

Ver Artigo
Rua Cristóvão Colombo (desaparecida) – Por Elmo Elton

Da antiga Cristóvão Colombo resta um trechinho de nada, ao lado da Barão de Monjardim, sendo que uma escadaria, ao término da extinta rua, tem, agora, o nome do descobridor. A escadaria, estreita, em rampa íngreme, dá subida para o morro do Vigia

Ver Artigo
Movimento que desenha a cidade – Jardim da Penha

Desse modo, são menos comuns os movimentos urbanos que refletem sobre a qualidade da paisagem urbana, o desenho, o volume das construções

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz (ex-ladeira do Pelourinho) – Por Elmo Elton

Maria Ortiz era filha de Juan Orty y Ortiz e Carolina Darico, nasceu em Vitória em 1603, tendo falecido na vila em 1646

Ver Artigo