Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Carta de doação – Limites da capitania

João III de Portugal - Reinado de 1521 até 1557 (coroado em 19 de dezembro de 1521)

Em Évora, a primeiro de junho de 1534, D. João III apôs sua real assinatura à carta de doação a Vasco Fernandes Coutinho de cinqüenta léguas de terra sobre a costa do Brasil.

A demarcação geográfica da capitania, contida no documento, é um espelho dos conhecimentos e da atitude diplomática da Coroa em relação à possessão americana. Diz o diploma que as “cinqüenta léguas de terra se começarão na parte onde acabarem as cinqüenta léguas de que tenho feito mercê a Pero do Campo Tourinho e correrão para banda do sul tanto quanto couber nas ditas cinquenta léguas entrando nesta capitania quaisquer ilhas que houver até dez léguas ao mar na frontaria e demarcação destas cinqüenta léguas ... as quais ... se entrarão e serão de largo ao longo da costa e entrarão na mesma largura pelo sertão e terra firme a dentro tanto quanto puderem entrar, e for de minha conquista”.(1)

No que respeita à testada marítima, nenhuma alusão a acidente físico que determinasse as raias do quinhão. Em profundidade, sertão a dentro, ia até a linha de Tordesilhas, limite convencionado entre Portugal e Espanha para as respectivas expansões territoriais.

Natural, naturalíssima, a ausência de dados certos e definidos. Eram decorridos apenas trinta e quatro anos do achamento da terra. Não teria sido possível às expedições portuguesas que visitaram os mares do Brasil fazerem um levantamento minucioso das setecentas e tantas léguas de costa,(2) lutando, a cada momento, com os audaciosos contrabandistas franceses.

Não se sabe qual o processo ou por que convenção se estabeleceu o rio Mucuri como o limite setentrional da capitania. O rio Itapemirim, ao sul, como contérmino das terras de Vasco Coutinho e Pero de Góis, sabemos que foi objeto de negociações entre os interessados e de uma carta régia homologando o ajustado.(3)

 

NOTAS

(1). Carta de doação, Nota I do capítulo II da Introdução deste livro.

– É curioso que texto assim tão claro desse margem a que o jurisconsulto mineiro FRANCISCO MENDES PIMENTEL afirmasse que sertão a dentro – no sentido leste-oeste – o território da capitania se reduzisse a cinqüenta léguas de testada. Eis as palavras daquele ilustre cultor do direito: “a do Espírito Santo reverterá à Coroa, sem que os donatários tivessem, ao menos, tentado varar o sertão até as cinqüenta léguas de fundo da primitiva concessão...” (Questão de Limites, 47).

No entanto, a carta régia é de uma clareza meridiana: “entrarão na mesma largura [cinqüenta léguas] pelo sertão e terra firme a dentro tanto quanto puderem entrar, e for de minha conquista”.

(2) - CAPISTRANO, Capítulos, 43.

(3) - “Constava de cinqüenta leguas de terras que principiavam ao sul da barra do Rio Mucuri e findavam ao sul do Rio Managé, o atual Itabapoana, mas depois do acordo feito com Pero de Góis [aos catorze de agosto de 1539], donatário da Capitania de São Tomé, que teve a confirmação régia em doze de março de 1543, ficou como limite o Baixo de Pargos, à margem do Rio Itapemirim, do lado do norte” (LAMEGO, Terra Goitacá, V, 370).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

Por que Morro do Moreno?

Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1870 – Por Basílio Daemon

Em 1870 o governo geral, por aviso de 23 de abril deste ano, mandado construir um farol na barra desta capital a bem de servir aos navegantes

Ver Artigo
Ano de 1871 – Por Basílio Daemon

Falece no Convento do Carmo, frei Antônio de Nossa Senhora das Neves, prior do mesmo convento, cargo que ocupava desde 1853

Ver Artigo
Ano de 1869 – Por Basílio Daemon

É criado um estabelecimento que teve posteriormente o título de Colégio Nossa Senhora da Penha, e a ele foi anexa a Escola Normal do sexo feminino

Ver Artigo
Ano de 1866 – Por Basílio Daemon

Revoltam-se os escravos da Fazenda da Safra, de propriedade da viúva D. Josefa Souto, causando horrível pânico às vilas de Itapemirim e Cachoeiro 

Ver Artigo
Ano de 1867 – Por Basílio Daemon

Em 14 de fevereiro de 1867, caíram dois raios na tarde deste dia no antigo e monumental Convento de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo