Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ceia Natalina

Panetone

A ceia natalina do Brasil e de outros países guardam muitas tradições em comum. Elas tem origem em velhos hábitos da Roma antiga, como o consumo de frutas secas nesta época do ano. Saiba porque alguns desses alimentos viraram tradição no Natal.

Nozes

Na Europa do século XV, as pessoas costumavam ir em jejum à missa natalina e, naturalmente, chegavam em casa famintas. Por serem um alimento capaz de conferir rápida sensação de saciedade, as nozes se tornaram a iguaria mais popular para apaziguar a fome no pós-missa.

Frutas Secas

Na Roma antiga, havia o costume de presentear as pessoas com frutas secas durante a Saturnália, celebração no início do inverno, justamente em 25 de dezembro. Acreditava-se que as frutas trariam sorte às pessoas. Com o decreto do papa Júlio I, de 350 d.C., essa se tornou a data de comemoração do Natal - mas o hábito de comer frutas secas permaneceu intacto.

Peru

O navegador genovês Cristóvão Colombo trouxe algumas espécies em seu navio, na viagem de volta da América à Europa, no século XV. Os ingleses foram os primeiros a aderir ao hábito de servir peru no Natal. A razão: a ave ganhava peso com mais facilidade do que gansos e pavões, até então tradicionais na ceia.

Panetone

Motivado pela concorrência com um padeiro vizinho, o milanês Antonio Toni decidiu enriquecer uma velha receita de pão com frutas cristalizadas. Foi no século XV, em meio aos festejos natalinos. Acredita-se que o panetone tenha surgido a partir da popularização do tal pane (pão, em italiano) do Toni.

Bacalhau

Na Idade Média, o bacalhau era um peixe barato, fácil de encontrar e tradicionalmente consumido em períodos durante os quais, por recomendação da Igreja Católica, as pessoas não comiam carne vermelha. O Natal era uma dessas ocasiões.

 

Fonte: Revista Veja (19/12/2007)
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2012 

Matérias Especiais

O Bar Globo da Praça Oito

O Bar Globo da Praça Oito

O Bar Globo era um bar típico da época, com suas mesas de madeira, cadeiras também de madeira, sem nada de especial

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As precursoras de uma literatura feita por mulheres no ES

Francisco Aurélio Ribeiro comprova em seu livro, A Literatura do Espírito Santo, que no final do século passado a tônica era machista. As mulheres podiam fazer versos, desde que não os publicassem...

Ver Artigo
As revolucionárias nos anos 30 - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Maria Stella de Novaes (1894-1990) e Haydée Nicolussi (1905-1970) são da mesma geração e foram revolucionárias de seu tempo, cada uma a sua maneira

Ver Artigo
Gabriel Bittencourt e a Historiografia Espírito-Santense - Por Marcello de Ipanema Cybelle de Ipanema

Prefácio do livro de Gabriel Bittencourt escrito em 1989. Uma incrível visão da cultura regional atualizadíssima. Parabéns Marcello de Ipanema e Cybelle de Ipanema

Ver Artigo
Dr. Luiz Buaiz - Ícone da medicina

Dr. Saulo Ribeiro do Val, ginecologista e obstetra, apresenta Luiz Buaiz como um ícone da Medicina, em Vitória

Ver Artigo
Abastecimento de água em Vitória – Por Areobaldo Lellis Horta

Além desse chafariz, existiam ainda os do Largo de Santa Luzia, em frente ao atual Ginásio São Vicente

Ver Artigo