Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Estrada de Contorno - Por Adelpho Monjardim

Estrada do Contorno - 1950

Nasceu a estrada de Contorno de feliz inspiração do prefeito Dr. Américo Poli Monjardim, para benefício da capital e das vastas propriedades daquela zona, isoladas de seu convívio. Era o seu acesso tão difícil como os ignotos sertões e consumia tempo igual ao de uma viagem a Colatina ou mais longe. A estrada resolveu o problema, integrando à coletividade vitoriense uma das suas melhores porções. Não são as únicas vantagens. A região, fertilíssima, possui esplêndidos sítios que estão suprindo a cidade de verduras, legumes, leite etc. A segunda foi o rápido desenvolvimento de toda a região, cifrado nas construções que se estão erguendo à margem da estrada, partindo de ambas as extremidades.

O projeto primitivo dava para a estrada a largura de cinco metros e assim foi iniciada em abril de 1939, sob orientação técnica do Dr. Laurentino Proença, diretor de Engenharia da Prefeitura Municipal de Vitória. Em tempo foi a largura aumentada para oito metros, que é a atual. Parte a estrada da estaca zero no cruzamento da estrada de Maruípe, ao lado do Quartel do Grupo de Artilharia Móvel da Costa, e atravessa trechos dos sítios: Maruípe, Maria Nunes do Amaral Pereira, Barreiros, José Nunes Monteiro, Godofredo do Amaral Pereira, Sidnei Pereira de Souza e terras de Francisco Xavier e Pedro Oliveira, até desembocar em Santo Antônio, na Praça Santos Dumont, junto ao Aeroporto.

Entre os quilômetros 6 e 7 passa junto à ilha das Calheiras ou Caieiras, hoje ligada a Vitória. Nesse povoado extremamente pitoresco habita um núcleo de pescadores e sobre pequena colina, à beira-mar, uma capelinha dedicada a Nossa Senhora da Conceição serve ao culto daquela boa e humilde gente. Junto à praia, também rua principal, ergue-se o velho chafariz mandado construir pelo barão de Monjardim, ainda no tempo do Império, cujo fornecimento d'água, interrompido há vinte e cinco anos, foi restabelecido no governo de Sua Excelência, Dr. Carlos Fernando Monteiro Lindenberg, por ordem do prefeito Dr. Ceciliano Abel de Almeida, no dia 5 de setembro de 1948. Há de importante, no povoado, a fábrica de cal, propriedade da firma Miranda Sobrinho, a maior do Estado.

O trecho norte de Vitória era completamente desconhecido, pois apenas em alguns pontos era acessível por veredas transitáveis por pedestres e cavaleiros. Agora poderá ser percorrido por automóveis, desfrutando-se os mais variados panoramas, numa seqüência que a impressão é de se estar fora de Vitória. A estrada corre maior extensão no sentido norte-sul, e noroeste-sudeste pequeno trecho até alcançar Maruípe. Em todo o percurso as rampas máximas são de 8% e as curvas de raio nunca inferiores a cinqüenta metros, todas abauladas e providas de bueiros, cercas, valetas de proteção, banquetas, tudo, enfim, necessário a uma boa estrada. Do seu início até o quilômetro 3 avistam-se o povoado de Goiabeiras, o campo de aviação, a estrada da Serra e ao fundo o Mestre Alvo; de repente, atravessando-se um corte, descortina-se o inverso do panorama: Itanhenga, o mar, a mata e como pano de fundo as primeiras casas da ilha das Calheiras. Atravessam-se trechos em matas, em verdes pastagens, em cultivados pomares, em rocha bruta, em mangues, numa sucessão que aturde e encanta.

Para oeste a paisagem apresenta-se quase sempre plana e em alguns lugares movimentada, com minúsculos vales e belas formações rochosas que se estendem, em lençóis de rocha negra, sobre o tabuleiro de relvas. A leste a montanha continua e alguns cabeços formam elevações curiosas, agressivas, de beleza arrebatadora e selvagem. As cuidadas encostas são pastagens onde o gado campeia livremente. Há, numa delas, interessante gruta onde se fazem piqueniques e é desejo da Prefeitura dotá-la para tal fim; bem como prover a estrada de uma arborização condizente; de um chafariz em estilo colonial e de um relógio de sol.

Nas alturas da ilha das Calheiras, no cotovelo da estrada, alto paredão de pedra barra o caminho, obrigando-o a dilatada curva. Forma-o espetacular molhe de granito que é uma das pontas do morro do Cabral a cair sobre o Contorno. No paredão, a pique, os gravatás vicejam dando-lhe tinturas frescas ao semblante carrancudo e sombrio; aos seus pés, que se aprofundam na terra úmida e fofa, as piteiras de folhas largas apontam para o céu os finos estipes. No rebordo que se debruça para o abismo, profundos sulcos formam calhas por onde as águas da chuva se lançam a jorros, motivando a alcunha de pedra da Mijada. Junto, dentro da mata, fica o reservatório de água para Calheiras. Todo de pedra, hermeticamente fechado, é muito antigo, talvez colonial. Situa-se à entrada de uma lapa, sob a qual corre o regato que o alimenta. Forma-se a lapa de blocos rolados das encostas vizinhas e tem outra abertura pela parte superior, por onde árvores seculares deitam raízes e cipós até o manancial interior, captado pela Prefeitura. Por entre arredondados blocos de granito pode-se descer ao interior, o que não é aconselhável pelo risco que se corre de ser picado por alguma serpente, ali tão numerosas.

Distanciados, ao longo da estrada, três casarões se alinham. Bastante arruinados, ainda atestam a abastança dos antigos senhores. Habitados por gente humilde, gangrenados pelo tempo, vão-se desmembrando, lentamente, como três morféticos, até que restem as pedras secas dos alicerces. Pertenceu um deles ao antigo senhor do Santo Antônio, homem de largas posses e influência. Fala a lenda da existência de um subterrâneo em que, outrora, se homiziavam os salteadores do mar.

Não escapou ao plano diretor da cidade a importância da estrada de Contorno como elemento decorativo, de progresso e de harmonia no conjunto maravilhoso da ilha. Esta esplêndida via, terminada em 1943 e que se estende por treze quilômetros, em caprichosas curvas e prolongadas retas, custou aos cofres municipais a quantia de Cr$ 647.733,20, sendo inestimável o seu valor para a economia do município.

 

Fonte: Vitória Física, 1995
Autor: Adelpho Monjardim - Prêmio Cidade de Vitória, 1949
1ª Edição: Revista Canaan Editora, 1950
2ª Edição: Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Vitória, 1995
Prefeito Municipal de Vitória: Paulo Hartung
Secretário Municipal de Cultura e Turismo: Jorge Alencar
Diretor do Departamento de Cultura: Luiz Cláudio Gobbi
Editor Executivo: Adilson Vilaça
Produtora Executiva: Silvia Helena Selvática
Projeto Gráfico: Ivan Alves
Editoração Eletrônica: Edson Maltez Heringer
Foto e Capa: Léo Bicalho
Revisão: Reinaldo Santos Neves
Chefe da Biblioteca Municipal Aldelpho Poli Monjardim: Ligia Maria Melo Nagato
Bibliotecárias: Elizete Terezinha Caser Rocha e Cybelle Maria Moreira Pinheiro
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Entradas: A exploração do interior - João Eurípedes Franklin Leal

As entradas organizadas para exploração do interior da capitania do Espírito Santo visavam, principalmente, as riquezas minerais, como a sonhada Serra das Esmeraldas, e a procura de ouro

Ver Artigo
O Espírito Santo no Romance Brasileiro

A obra de Graça Aranha, escrita no Espírito Santo, foi o primeiro impulso do atual movimento literário brasileiro

Ver Artigo
Anotações a respeito de Frei Pedro Palácios

Nasceu em Medina do Rio Seco, na Espanha, perto de outra cidade maior, Medina Del Campo. Ambas hoje são cidades turísticas e perto da famosa Salamanca

Ver Artigo
Victória – Cidade Presépio, 1937

A linda capital do Espírito Santo. A cidade de Vitória está situada numa ilha banhada por águas do oceano Atlântico

Ver Artigo
Os cônsules no Espírito Santo

São representantes junto ao Governo do Estado, com residência nesta capital

Ver Artigo