Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Estrada de Ferro Vitória Minas

A Maria-fumaça. Arquivo CVRD/ MVRD.

Era o início do século 20. Os primeiros automóveis a gasolina eram produzidos nos Estados Unidos, enquanto o brasileiro Alberto Santos Dumont projetava o 14 Bis e realizava seu primeiro vôo, que ocorreu em 1906, na França. No Brasil, a população vivia os primeiros anos da República, deixando para trás o período imperial e vislumbrando um futuro de muito desenvolvimento. Café, madeira e minério chegavam aos portos do país no lombo de jumentos e, embarcados em navios, seguiam para a Europa e América do Norte, ampliando as fronteiras da economia brasileira por meio das exportações.

Para impulsionar a produção nacional e o crescimento do interior do país, o governo federal lançava incentivos para a construção de ferrovias ligando as diversas regiões nacionais, com o objetivo de trazer as riquezas para o litoral e levar o progresso.

Foi nesse cenário que o engenheiro Pedro Nolasco desenhou o traçado da Estrada de Ferro Vitória a Minas. Sua idéia inicial era construir uma ferrovia partindo do litoral capixaba rumo a Diamantina, no interior mineiro, para escoar toda a produção agrícola, de pedras preciosas e de madeira. Com a ajuda financeira de seu sogro, o marquês de Sapucahy, e de investidores estrangeiros, o apoio político do deputado baiano João Neiva e a mão-de-obra de trabalhadores vindos em grande maioria do Nordeste brasileiro, Nolasco e seu grupo superaram dificuldades. Calor, chuvas, pântanos e rochas não impediram o avanço dos trilhos. Em 13 de maio de 1904, foram inaugurados os primeiros 30 quilômetros da linha, ligando os municípios capixabas de Cariacica e Alfredo Maia.

Em menos de quatro anos, já haviam sido assentados mais de 300 quilômetros de trilhos, que chegavam ao território das Minas Gerais. Nessa época, eram as locomotivas a vapor que cruzavam a divisa dos Estados puxando vagões de carga. O trem de passageiros se resumia a um único carro para 40 pessoas. Mesmo assim, “as plataformas das estações regurgitavam de povo, homens usavam guarda-pó por causa da fuligem da maria-fumaça, enquanto as senhoras se vestiam sobriamente”, segundo explica o escritor Ceciliano Abel de Almeida.

A descoberta do minério de ferro provocou uma mudança nos rumos da Vitória a Minas. Diamantina deixou de ser o objetivo final. Tornou-se necessário fazer com que o minério extraído das minas de Itabira e região chegasse até o porto no Espírito Santo. Assim, em 1932, a linha chegou a Nova Era, com a inauguração da estação de Desembargador Drumond, para onde as cargas de minério eram levadas em carros de boi, vindos do Morro do Cauê, em Itabira. A uma velocidade máxima de 30 quilômetros por hora, as tradicionais locomotivas levavam mais de 30 horas para completar o percurso entre Cariacica a Nova Era.

Pouco depois, a Estrada de Ferro Vitória a Minas perderia seu idealizador, Pedro Nolasco. Mas sua morte não acabou com o sonho da ligação entre mar e montanha. “Os trilhos seguiam, como a vida, entre altos e baixos, empurrados por gente como João Linhares, João Chrisostomo Belesa, João Teixeira Soares e Eliezer Batista”, conforme historiador Antônio Tavares Paula.

 

Fonte: Revista Nos Trilhos - outubro/2005
Texto: Roberta Palma

Portos do ES

Companhia Vale do Rio Doce S. A.

Companhia Vale do Rio Doce S. A.

A Companhia Vale do Rio Doce foi organizada pelo decreto-lei n.° 4.352, de 2 de junho de 1942  para resolver o problema da exportação do minério de ferro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

As jazidas com maior atividade ficavam em Carapebus, na Serra, mas também há registros de retirada de areia em Vitória

Ver Artigo
A dupla do milagre - Christiano Dias e Arthur Gerhardt

Seja quem for o pai do Espírito Santo moderno, Arthur e Christiano formaram uma dupla de sucesso nos primeiros momentos da Revolução de 1964

Ver Artigo
Dos trilhos para o mundo (Tradução para o inglês)

A história da ferrovia Vitória à Minas já estava essencialmente atada a CVRD quando dos quadros da ferrovia ascendeu para a presidência da empresa o engenheiro Eliezer Batista

Ver Artigo
A queda do Porto de São Mateus – Por Fernando Schwab Firme

Projetos não são problemas e sim a definição de sua utilidade e sua elaboração em resposta a uma demanda efetiva

Ver Artigo
Do Espírito Santo para o mundo

O Cais de Minério guarda muitas histórias, a começar pelas designações que possui. Alguns o chamam Cais do Atalaia

Ver Artigo