Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Indústrias – Construção naval – Artes e ofícios

"dentista ferreiro"

Além de alguns curtidores de couro – que juntavam esta habilidade à profissão de sapateiro – “mastão miseráveis que não merecem o nome de fabricantes e não curtem nem para oconsumo da terra”, havia preparadores de cal de ostras.

As fábricas de açúcar e aguardente andavam por sessenta e oito, sendoque a maior produzia, anualmente, cento e cinqüenta caixas de quarenta acinqüenta arrobas.

Olarias – em número de oito – faziam telhas, tijolos e utensílios para cozinha.

Embora não existissem estaleiros, até sumacas se construíam aqui e, commaior facilidade, lanchas de doze e dezesseis toneladas. Mas eram raras essas obras,não obstante dispor a província de florestas riquíssimas de madeiras próprias eoperários especializados.

Alguns ourives, rábulas, carpinteiros, marceneiros, sapateiros, seleiros,pedreiros, alfaiates, ferreiros, carniceiros, tecelões, latoeiros, em boa parte,cativos. Nem um dentista, “mas é suprida esta falta por um ferreiro curioso”, explica o presidente.(68)

A pescaria vinha decrescendo por vários motivos: diminuição do peixe, emprego das lanchas de pesca no transporte de farinha, falta de proteção aospescadores contra o recrutamento e, mais, a presença de piratas no Atlântico Sul. Deste modo, as dez embarcações de outros tempos estavam reduzidasa duas, e o pescado era insuficiente para o consumo local. Utilizavam-se alinha, a rede, fisgas, tarrafas e muzuás. Também aqui concorria o trabalhodos escravos.(69)

 

NOTAS

(68) - “As artes liberais são mui pouco ou nada cultivadas na Província. A música daCapital se compõe de oito pessoas quase todas da mesma família e que tocam as mesmas peçasem todas as festas, que compõe um rabecão, dois violinos, uma flauta e quatro cantores e sesucede isto com esta arte divina o que acontecerá com as outras! Em suma, há seis ourives,um pintor e dois aprendizes; cinco rábulas, dois armadores. De ofícios mecânicos cincomestres de carpinteiros, três oficiais e um aprendiz; sete oficiais de calafates; dez carpinteirosda Ribeira; dez mestres de marcenaria, vinte e quatro oficiais e dezesseis aprendizes; trintaoficiais de pedreiros; dois cabouqueiros; trinta e oito mestres de sapateiros, trinta e umoficiais e quarenta aprendizes; vinte e quatro alfaiates, vinte e cinco oficiais e vinte e umaprendizes; treze ferreiros; quatro carniceiros; trinta e sete tecelões; um latoeiro, três seleiros.

De todos estes são cativos quinze. Não há dentista, mas é suprida esta falta por um ferreiro curioso. Não há encadernador, mas serve de tal um rábula e assim se suprem e se remedeiamas faltas como se podem” (Memória).

(69) - “O costume dos pescadores é cada um pescar para si e dar a quinta parte do peixeao dono da canoa ou lancha, à exceção do mestre que não paga quinto; e quando pescamcom rede metade do pescado é para o dono dela” (Memória).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2018

História do ES

Sedição de Piúma – Questão Christie

Sedição de Piúma – Questão Christie

Grandes e pequenos vibraram de justa indignação contra a atitude desairosa do diplomata inglês. Choveram donativos de todos os quadrantes da província

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O 408 Aniversário da Colonização do Espírito Santo

Foi sem dúvida a falta de justiça a causa da decadência do primitivo sistema de colonização

Ver Artigo
A Colonização do solo Espírito-Santense - Por: Yvone Amorim

Vasco Fernandes Coutinho faleceu a 16 de janeiro de 1561, em Vila Velha, onde residia. Acreditamos, em um futuro bem próximo, que se possa resgatar a importância da figura do donatário, como a melhor forma de cultivar a sua memória

Ver Artigo
O plano português para colonização das terras doadas - Sesmarias

A 28 de fevereiro de 1532, D. João III, por carta, cientificou a Martim Afonso de Souza a resolução que tomara de dividir o litoral do Brasil, de Pernambuco ao Rio da Prata, com o fim de formar capitanias com cinqüenta léguas da costa

Ver Artigo
População e colonização no ES em meados de Século XIX

Santa Isabel ia em progresso. O presidente da província já denunciava, porém, a resistência dos colonos a que fosse ministrado o ensino de português aos seus filhos 

Ver Artigo
Padres, cirurgiões, rábulas etc. - Província do ES

Os capixabas não podiam se queixar – como em outros tempos tantas vezes o fizeram – da falta de sacerdotes

Ver Artigo