Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Místico e o Convento da Penha

Frei Pedro Palácios - Tela de Benedito Calixto

O primeiro donatário ainda era vivo. Velho, doente e cansado, sobre ele desabavam as mais difíceis atribulações de sua vida. Exatamente nessa época, no ano de 1558, desembarca na Prainha de Vila Velha o franciscano irmão leigo frei Pedro Palácios.

Natural de Medina do Rio Seco, na província de Salamanca, Espanha, o irmão Pedro, que já era idoso, aqui chegou afagando o desejo de salvar almas e com o propósito de servir a Deus de maneira solitária e contemplativa. Era um asceta.

Segundo a tradição, dias após o desembarque sentiram a ausência de frei Pedro. Depois de muita procura foram encontrá-lo em uma cabana que fizera no “campinho”, na parte mais ou menos plana da colina. Estava a rezar. A seu pedido, os moradores da vila construíram no lugar da cabana uma capelinha onde o religioso passou a guardar o painel de Nossa Senhora e a pequena imagem de São Francisco. Ali o humilde anacoreta descansava o corpo envelhecido.

Tempos depois, em 1566, com a ajuda dos mesmos habitantes da vila e o auxílio financeiro de pessoas abastadas, frei Palácios deu início à construção de uma ermida sobre rocha escalvada, entre duas palmeiras. Estava convencido de que ali Nossa Senhora desejava fosse erguida a sua igreja. A capela foi inaugurada a 30 de abril de 1570, oportunidade em que foi comemorada a primeira Festa da Penha. Nessa época a Colônia continuava sendo administrada por Belchior de Azeredo. O segundo donatário ainda não tomara posse da Capitania.

Dois dias depois, a 2 de maio, foi encontrado morto na capelinha de São Francisco o “místico velhinho”.
Durante o dilatado período de 99 anos, a contar do lançamento da pedra fundamental, em 1651, prosseguiram as obras de edificação com várias e longas interrupções, até que, em 1750, sobre o rochoso cume da colina, o Convento assume a forma que hoje tem.

Por três vezes o Santuário da Penha foi objeto de assalto por parte dos holandeses. Tanto na primeira tentativa, em 1625, como na segunda, em 1643, foram mal sucedidos. Acabaram batidos e fugiram depois de algumas baixas, sem nada saquear.

Na terceira tentativa, em 1653, os holandeses conseguiram seu intento. Informados por um português das preciosidades em ouro e prata que existiam no alto da Penha, certa madrugada os holandeses que navegavam em direção ao sul saltaram em Vila Velha e, subindo a ladeira, de surpresa invadiram o Santuário. Não fizeram vítimas. No entanto, recolheram todos os objetos de valor encontrados na sacristia e no altar e tudo levaram, inclusive os escravos da Penha.

A “ladeira da penitência”, de pedras irregulares, foi construída em 1643. Era a única via de acesso ao alto da Penha até que em 1928 foi aberta a estrada de rodagem. O esforço para subir a ladeira, sombreada por árvores seculares, é compensado pela exuberante beleza das lianas pendentes de ramos verdejantes, ou pelo perfume silvestre de virentes folhagens. No período de julho de 1774 a dezembro de 1777, a ladeira foi novamente calçada e, na ocasião, levantados seus muros laterais.

Arrojadamente plantado na crista de escarpada rocha, a 154 metros de altitude, o Convento de Nossa Senhora da Penha durante séculos foi batido pela fúria dos ventos e atingido pela inclemência das tempestades. Nos anos de 1769, 1867 e 1868 sofreu consideráveis danos provocados por chuvas de granizo e raios. Até o ano de 1900 nele não existia pára-raios, circunstância que o deixava vulnerável a desastrosas descargas elétricas da atmosfera. Por isso, sofreu desgastes que ao longo dos tempos exigiram reparos imediatos. Os pára-raios só foram instalados em 1901.

Entre os guardiães do Convento, um se destacou pela sua cultura reconhecida no Brasil do século XIX. Trata-se do frei Francisco de Monte Alverne (1784-1858), a quem foi entregue a guardiania do Convento no período de outubro de 1819 a outubro de 1821. Quando aqui chegou contava 35 anos e já era considerado o maior orador sacro de sua época. Atraía multidões com o encanto de sua retórica e o poder de sua eloqüência. O espaço do Santuários da Penha era muito pequeno para conter os fiéis que aos domingos vinham de todas as partes e subiam a colina para ouvir durante a missa os belos sermões de Monte Alverne.

Quis, porém, o destino, que o grande orador poucos anos depois contraísse violenta enfermidade que o deixou cego até o final dos seus dias.

Conta-se que, durante a cegueira, o franciscano Monte Alverna proferiu os mais eloqüentes sermões de toda sua vida.


Trecho transcrito do Livro: Vila Velha, seu passado e sua gente, 2002
Autor: Dijairo Gonçalves Lima
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2010

Convento da Penha

Milagres da Penha - Os soldados da Virgem

Milagres da Penha - Os soldados da Virgem

Foi em 1640, por ocasião da segunda invasão os holandeses na então capitania do Espírito Santo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pedro Palácios – Por Norbertino Bahiense

Em 1864, Frei Teotônio de Santa Humiliana, o último guardião do Convento, mandou colocar na gruta a seguinte lápide

Ver Artigo
Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo
Pedro Palácios, o São Francisco de Assis do Brasil

Fundador do santuário de Nossa Senhora da Penha, seu nome recorda as doces figuras dos ermitões de outrora

Ver Artigo
A Arquitetura do Convento da Penha, pela voz de um técnico americano

O Alpendre, que, avançando, projeta ao espaço, por assim dizer, a sobriedade das linhas retas e formas sólidas das paredes da fachada

Ver Artigo