Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Visitantes Ilustres do Convento da Penha – Os Primeiros (Parte I)

Visitantes Ilustres do Convento da Penha – Os Primeiros (Parte I)

Outras personagens lá estiveram e entre elas a própria Dona Luísa Grinalda, que, como Governadora da Capitania

Visitantes Ilustres do Convento da Penha – Diogo Antônio Feijó (ParteII)

Visitantes Ilustres do Convento da Penha – Diogo Antônio Feijó (ParteII)

Nestes cinco meses, a terra capixaba abrigou em seu seio o venerando brasileiro que foi deputado às Côrtes Portuguesas, representando o seu glorioso Estado de São Paulo, que deu o que pode em favor da Independência

A Arquitetura do Convento da Penha, pela voz de um técnico americano

A Arquitetura do Convento da Penha, pela voz de um técnico americano

O Alpendre, que, avançando, projeta ao espaço, por assim dizer, a sobriedade das linhas retas e formas sólidas das paredes da fachada

D. Luís de Céspedes Xeria (1628) – Por Norbertino Bahiense

D. Luís de Céspedes Xeria (1628) – Por Norbertino Bahiense

A promessa foi cumprida ao chegarem em Vitória. Subiram à Ermida e ali cumpriram os seus votos 

Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

João de Laet

João de Laet

Auguste de Saint Hilaire no seu livro “SEGUNDA VIAGEM AO INTERIOR DO BRASIL – ESPÍRITO SANTO”, registra: “João de Laet que escrevia em 1633 descreveu melhor a baía do Espírito Santo que os modernos. Eis, com efeito, como se exprime:“

Anchieta no Convento da Penha (1594)

Anchieta no Convento da Penha (1594)

Um registro precioso da passagem do “Apóstolo do Brasil” no Convento da Penha foi feito por Simão de Vasconcelos, em sua grande obra de meados do século XVII.

Os Ataques dos Franceses, Ingleses e Holandeses

Os Ataques dos Franceses, Ingleses e Holandeses

O corsário, como todos os outros que ousaram transpor a barra sobre a qual se estende a sombra do Convento da Penha, não foi feliz

Guardiões do Convento da Penha: Frei Vitorino, Frei Valadares e Frei Humiliana

Guardiões do Convento da Penha: Frei Vitorino, Frei Valadares e Frei Humiliana

Exposto aos vendavais e de construção antiga, exigia o Convento reparos constantes na guardiania de Frei Vitorino de Santa Felicidade