Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Todos os motivos nos levam à Festa da Penha

Festa da Penha 1969 - Acervo: Edward Athayde DAlcântara

Desde 1570 comemoramos a Festa da Penha oito dias após a Páscoa. Ela é a festa cristã pioneira da América. A da "Virgem de Guadalupe", padroeira do México e da América Latina (1945), foi instituída em 12 de dezembro de 1754, embora a imagem da "Virgem de Guadalupe", milagrosamente estampada sobre poncho de tilma (tecido frágil feito com fibras de agave), tenha sido apresentada ao bispo, em 1531, pelo índio São Juan Diego, proclamado santo por João Paulo II.

Para a primeira Festa da Penha, veio de Portugal uma caixa contendo o menino Jesus, as mãos e a cabeça da Virgem, esculpidos em madeira. Frei Pedro Palácios, usando um tronco da mata, montou a imagem de Nossa Senhora da Penha, e arrumou-a com vestido e manto.

As obras de engenharia, conferindo ao Convento a imponência que apresenta, foram realizadas dos sécs. XVII ao XIX, principalmente às expensas do campista Salvador Correa de Sá e Benevides. Em 1652 ele fez doação de "ordinária anual de trinta cabeças de gado", mantida por seus descendentes até 1846. O prelado-mor da Bahia concedeu-lhe e aos descendentes o título de "Padroeiros Venturosos do Convento". Durante muitos anos os festejos da Penha só começavam com a chegada da romaria de Campos, vinda pelo mar.

O Convento alcançou o aspecto atual no princípio do séc. XX, quando ganhou (após tombamento pelo Iphan) a grande chaminé da fachada voltada para o leste. O altar-mor, em mármore de Carrara, foi inaugurado em 1910. Benefício do paulista Cícero Bastos ao genro, governador Jerônimo Monteiro, autor do "Veto da Penha" (vetou, em decorrência da Constituição Republicana, que separou a Igreja do Estado, uma ajuda financeira ao Convento, aprovada na Assembléia Legislativa e apoiada pelo povo). A decisão foi difícil. O bispo do Espírito Santo, D. Fernando, era irmão do governador.

São diferentes os motivos que levam as pessoas ao Convento da Penha. Prevalece o espírito religioso. Alguns sobem o morro para ver belas paisagens; outros buscam referências geográficas; estudiosos e curiosos querem apreciar a arquitetura, as esculturas e as pinturas. Muitos de todos os credos vêm participar, com alegria, da maior festa popular do Espírito Santo.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, 10/04/2015
Autor: Kleber Galvêas

Convento da Penha

A Chegada de Frei Pedro Palácios

A Chegada de Frei Pedro Palácios

Do livro O RELICÁRIO DE UM POVO – Santuário de Nossa Senhora da Penha (1958, 2ª Edição), da autora Maria Stella de Novaes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Arquitetura do Convento da Penha, pela voz de um técnico americano

O Alpendre, que, avançando, projeta ao espaço, por assim dizer, a sobriedade das linhas retas e formas sólidas das paredes da fachada

Ver Artigo
As Festividades da Penha – Por Heribaldo Lopes Balestero

Gottfrio Alberto Anders prestou homenagem à memória de Frei Pedro Palácios, inaugurando-lhe a estátua na praça fronteira ao pórtico, na Prainha

Ver Artigo
Visitantes Ilustres do Convento da Penha – Os Primeiros (Parte I)

Outras personagens lá estiveram e entre elas a própria Dona Luísa Grinalda, que, como Governadora da Capitania

Ver Artigo
Origem do nome Convento da Penha

Nossa Senhora da Penha era o cognome da Nossa Senhora dos Prazeres ou das Alegrias, amplamente venerada pelos fiéis que cultuavam Maria Santíssima. Os antigos portugueses a veneravam como Nossa Senhora da Penha de Cintra,

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo