Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Suá hoje - José Carlos Mattedi

Setor pesqueiro da Praia do Suá

A Praia do Suá atual é limitada pelas avenidas Leitão da Silva (setor sul) e César Hilal (oeste), e por uma linha reta imaginária partindo do prédio da Prodest até o canal de Vitória (leste), na proximidade do Trapiche. Compreende ainda o ex-morro da Garrafa (norte), hoje habitado por duas comunidades que contam com associações próprias de moradores: Alto São José e Alto Santa Helena. Toda essa área abriga prédios importantes na vida capixaba, como a própria Prodest (Processamento de Dados do Espírito Santo), a Sedu (Secretaria Estadual de Educação) e a Faculdade de Ciências Humanas.

Há, ainda, outros endereços de peso na região, como o Hortomercado, o Colégio Polivalente, o Hospital São Sebastião e o Terminal de Pesca Alvarenga, que centraliza a atividade pesqueira. Tem também um posto policial e duas praças modernas, com quadras esportivas e uma pista de bocha: a Dr. Demócrito Freitas, na César Hilal, e a José Francisco Arruela Maio, na Rua João Batista Parra. Um estaleiro para atender os pescadores locais e de outros bairros da capital está sendo providenciado pela prefeitura, sendo erguido no terreno da Colônia Z5, ao lado da Capitania dos Portos.

A Praia do Suá convive hoje com ruas movimentadas, bares populares e densidade habitacional — são cerca de 4 mil moradores, fora a população flutuante. Ainda é conhecida como área tradicional de venda de frutos do mar. Mantém as peixarias na Almirante Tamandaré e, sobre suas calçadas, ambulantes negociam o pescado em barracas improvisadas. Tudo um pouco diferente de antes, mas seus habitantes continuam sofrendo de um "mau local virtuoso": o bairrismo. "Não existe melhor lugar no mundo do que aqui", exulta Maria Leonor, assinalando que os mais antigos conservam o costume de sentar nas calçadas para conversar, relembrar histórias ou falar da vida alheia... E existe coisa melhor?

Ilha urbana

O bairro deixou de ser uma praia para se tornar uma ilha urbana, cercada pela modernidade da Enseada do Suá e de Bento Ferreira (a ex-área de mangue que vem crescendo verticalmente), possibilitando assim que guarde costumes e aspectos passados. O núcleo da ex-colônia de pescadores parece dominar a volúpia dos complexos imobiliários, mantendo a todo custo legados de outrora. É possível, por exemplo, andar pelas ruas centrais, sobre calçadas arborizadas, onde moradores ficam conversando no portão por horas, como se o mundo não tivesse pressa — "e daí?", peguntariam.

Diferentemente do que ocorreu em outras regiões de Vitória, hoje nobres, cuja população nativa foi "empurrada" para a periferia para dar espaço à especulação imobiliária, na Praia do Suá — estranhamente — isso não ocorreu por inteiro. Antigos proprietários ainda preservam suas casas, tanto é que não se vê nenhum arranha-céu no centro do bairro ou grandes lojas de departamento. Um dos motivos para tal resistência seria o fato de que os filhos dos pescadores se tornaram "doutores", obtendo assim ascensão social e melhorando o padrão familiar com o status de classe média.

Peso político

Zezito Maio, neto de um dos fundadores da colônia (David Maio), é um exemplo, ou uma mostra de que muitos descendentes de pescadores já não querem mais a solidão do mar, preferindo outras profissões. Contudo, poucos deixam de lado suas raízes praianas. Vereador no segundo mandato, Zezito tem um história de luta em favor da preservação dos costumes e tradições do Suá, e por isso tem o apoio e a confiança da comunidade. Dinâmico, conta que o bairro ganhou ao ter um representante na Câmara Municipal, listando em seguida uma série de obras conquistadas em seus mandatos. Sua casa virou ponto tradicional de encontro de políticos capixabas. É reduto de parlamentares, prefeitos e ministros, que comparecem para discussões ideológicas e para apreciar a moqueca e o peixe assado feito por sua mãe, Gilda. Os tempos realmente são outros: se antigamente os governantes corriam do lugar, ou o mantinham longe dos investimentos, agora o bairro também tem o seu peso político, e já briga por seus interesses. Nos últimos anos, o Suá ganhou ruas asfaltadas, uma praça, uma unidade de saúde, abertura da rua Professor Sarmento (antigo "Beco do Formigueiro"), melhoramento de escadarias e de saneamento básico em São José e Santa Helena, além de ver realizado o sonho de ter um píer para os pescadores.

É certo que o bairro já não tem a mansidão de outrora, mas, por outro lado, melhorou em comércio e tem boa infraestrutura. "A comunidade da Praia do Suá obteve qualidade de vida e, melhor, sem abrir mãos de seus valores e costumes. O pescador hoje tem mais condições profissionais, é alfabetizado. Há mais barco e ganha-se mais dinheiro", destaca Zezito. A opinião do vereador é compartilhada por José Pedro: "Antigamente havia muito peixe, mas tinha pouco valor porque quase não havia comprador. Hoje é melhor ser pescador, pois se vende o que se pesca". E completa: "A Praia do Suá é mais rica e agora tem de tudo. Antes ficávamos aqui isolados. Tudo era longe".

Peixarias

A tradição da pesca é o que movimenta o comércio local. São cerca de 400 pescadores no bairro, ou seja, 10% da população, sendo que, indiretamente, outras 600 pessoas vivem da pesca, o que corresponde a 25% do total de moradores, segundo informações da Colônia Z5. Os marujos saem de madrugada para o mar, viajando uma hora de barco. Quando não trabalham para terceiros, vendem pescado para os comerciantes ou no mercado da colônia. A Almirante Tamandaré é o corredor das peixarias — são sete. Nas calçadas, ambulantes montam suas quitandas onde é possível comprar todos os temperos, primordiais à culinária capixaba.

Uma diversidade de peixes e mariscos são expostos nos balcões. O cheiro é forte. O movimento de fregueses é diário, e aumenta durante o verão com a chegada de turistas e na Semana Santa, época em que o peixe torna-se ingrediente essencial à torta capixaba. A mais tradicional das peixarias é a Colônia Z5 (criada na década de 20), que abriga o pescado dos associados, e a Capixaba, fundada na metade dos anos 60 por César Stocco, José de Castro, Eugênio Rodrigues e José Arruela Maio, e que agora tem outros donos. Mas, já no final dos anos 50, Eugênio vendia seu produto em uma grande banca de pesca na Almirante Tamandaré, sendo ainda fornecedor de restaurantes — para muitos, esta banca foi a primeira peixaria particular do bairro.

 

Fonte: Praia do Suá – Coleção Elmo Elton nº 9 – Projeto Adelpho Poli Monjardim, 2002 – Secretaria Municipal de Vitória, ES

Prefeito Municipal: Luiz Paulo Vellozo Lucas

Secretária de Cultura: Luciana Vellozo Santos

Subsecretária de Cultura: Joca Simonetti

Administradora da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim: Lígia Mª Mello Nagato

Conselho Editorial: Adilson Vilaça, Condebaldes de Menezes Borges, Joca Simonetti, Elizete Terezinha Caser Rocha, Lígia Mª Mello Nagato e Lourdes Badke Ferreira

Editor: Adilson Vilaça

Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica: Cristina Xavier

Revisão: Djalma Vazzoler

Impressão: Gráfica Sodré

Texto: José Carlos Mattedi

Fotos: Raquel Lucena

Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020

Bairros e Ruas

Jucutuquara - Por Adelpho Monjardim

Jucutuquara - Por Adelpho Monjardim

É ainda em Jucutuquara que se pode admirar o Estádio Governador Bley, dos melhores e mais modernos do país

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça João Clímaco (ex-praça Afonso Brás) – Por Elmo Elton

Em 1910, Jerônimo Monteiro, quando o logradouro tinha o terreno inclinado, para aplainá-lo, construiu-se um muro de arrimo, coroado por balaustrada, fronteiro à atual Rua Nestor Gomes

Ver Artigo
Como nasceu a Vitória – Por Areobaldo Lellis

Circundada por montanhas desabitadas, os seus extremos eram ligados, a partir das Pedreiras, hoje Barão Monjardim

Ver Artigo
Rua 13 de Maio (ex-rua do Piolho) – Por Elmo Elton

Esse caminho, sinuoso passou a ser a Rua do Piolho, que, já neste século, trocaria de nome para rua Treze de Maio

Ver Artigo
Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Ponta da Fruta – Por Edward Athayde D’Alcântara

Até os anos 40 era pequena e conhecida ainda como vila de pescadores e era considerada área rural do município

Ver Artigo