Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Peixes catalogados em 1862 no ES

Mercado de Peixes de Guarapari - vários peixes catalogados por Brás da Costa Rubim em 1862, infelizmente já estão extintos

 Veja as espécies marinhas catalogadas pelo escritor Brás Rubim em 1862, no Espírito Santo:

"No mar que banha sua costa – alvacor, agulha, arraia, bacalhau, badejo da lama, baiacu, baleia, batata, boca de velha, bonito, budião, badejo, bagre, beijupirá, barbudo, bicuda, bom-nome, boto, cabrinha, cação, cação-bagre, cação-chapéu, cação-de-dente, cação-golfinho, cação-pata, cação-viola, cação-anequim, cação-bicudo, cação-da-areia, cação-espadarte, cação-moenda, cação-tinchereiro, cabeça-dura, caldeirão, canhenha, caramuru, caranha, carapeba, catoá, caramurupi, carapau, caratinga, cavala, xaréu cherne, chicharro, corcoroca, charelete, chernote, coara cachocô, corvina, dardo, dourado, enchova, espada, galo, garoupa-de-são-tomé ou garoupa-dos-abrolhos, gueba, graçainha, guaibira, huja, jeriquiti, jamanta, João-guruçá, lula, manjuba, manjuba-arenque, manjuba-chaveia, manjuba-perna-de-moça, manjuba-cascudo, manjuba-lombo-azul, maraçapeba, mero, michole, moréia, murucutuca, namorado, olhete, olho-de-cão, olho-de-boi, olho-de-boi-pitanga, palombeta, papa-terra, pargo-pena, pegador, peixe-fila, peroá, peroá-garacheta, pescada, pescada-gunan, peixe-boi, pescada-dentuça, piquira, pirituma, pinta-no-rabo, polvo, pratucano, pratipema, realito, robalo peba, robalo-pocu, robalete, roncador, saiuba, saminduara, sarda, sardinha, serra, sambetara, sargo-de-beiço, sargo-de-dente, senhor-de-engenho, sirioba, tainha, taboca, tapucu, toninha, uberana, vermelho, vento-leste, voador."

 

Fonte: Dicionário Topográfico da província do Espírito Santo. In Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil, 1862, tomo XXV, p. 597-648.
Autor: Brás da Costa Rubim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2013

História do ES

De Volta a Santa Cruz – Por Auguste François Biard ( Parte VI)

De Volta a Santa Cruz – Por Auguste François Biard ( Parte VI)

Imensos mangues, cujas raízes desenham arcos, avançando pela água salgada, a perder de vista como uma extraordinária inundação

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O ES em meados do século XVIII

Seria o caso de se perguntar – em que estágio de civilização vivia o homem, neste pedaço de Brasil, em meados do século XVIII?

Ver Artigo
Estende-se a jurisdição da ouvidoria

Pelos fins de 1743, o ouvidor Ferreira de Veras, acompanhado de outras autoridades, piloto e gente do povo, demarcou as terras que, pelo ato instituidor da ouvidoria, passaram à jurisdição do foro capixaba

Ver Artigo
Revolta dos índios de Iriritiba – Aldeia de Orobó

Consequência dessas lutas foi a fundação da aldeia de Orobó, “nas cabeceiras do rio Reritigba, a três léguas do mar"

Ver Artigo
Minas do Castelo

Ao se iniciar a segunda metade do século XVIII, o ouvidor do Espírito Santo estabeleceu as minas do Castelo

Ver Artigo
Divisão administrativa do ES - Derradeiros tempos coloniais

Eram cinco as vilas até então criadas: Vitória, Espírito Santo, Guarapari, Nova Almeida e Benevente

Ver Artigo