Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Quando o Penedo falava – Por Maria Stella de Novaes

Penedo - Acervo: Edivaldo Machado Lima

Recordava-se uma velha escrava do que lhe contaram, na infância: — Muitas vezes, na quietude das ondas, na calma da brisa, ouvia-se a melodia dos sons de um búzio encantado, instrumento soberbo de um gênio residente, num misterioso palácio, oculto no Penedo. Em determinadas horas, fendia-se o rochedo, como talhado pelo relance de um raio, ou espada invisível de um titã. Logo, o vulto, semelhante a um príncipe intrépido e formoso, caminhava sobre as ondas, chegava à praia belíssima, ainda intata, pela ausência da civilização. Tomava o búzio lindo e refulgente, na irisação de sua madrepérola, e desferia música suave, harmoniosa e enlevante!

Alguém, certo dia, ouviu-lhe a história — Gênio bom e manso, fora enclausurado, no coração da pedra, para assistir a todos os triunfos e todas as amarguras da Terra Espírito-Santense. Conheceu, assim, as primitivas tribos, em completa selvageria, errantes, na opulência maravilhosa da floresta. Chegaram as naus lusitanas, na ambição das explorações e, depois, a caravela "Glória", trazendo um Donatário, para dominar os índios, verdadeiros senhores da terra. E aquele vulto misterioso assistiu à trucidação dos silvícolas, às investidas dos franceses e holandeses, ao cativeiro dos africanos, ao apostolado dos jesuítas e outras passagens da História do Espírito Santo. Encerrado, no Penedo, como se fora a alma da sentinela granítica de Vitória, presenciara a tudo, enquanto implorava aos deuses que protegessem a Terra Capixaba, felicitando-a e enaltecendo-a.

E, todas as noites, quando as estrelas cintilavam, o gênio voltava ao seu relato sincero e interessante. Recomendava-lhe, entretanto: Se denunciares a alguém minha existência, nunca mais teus olhos hão de me ver".

Logo, o búzio encantado soltava os primeiros compassos da melodia deliciosa e o vulto afastava-se... Parecia conduzido pelas vibrações etéreas e mágicas... Sumia-se, nos anfractos da rocha.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Hermógenes - Contador e Professor

Hermógenes - Contador e Professor

Após a formatura em Contabilidade pela Escola Superior do Comércio de Vitória, em 1944, Hermógenes pediu demissão da Western Telegraph e assumiu a nova função de contador, trabalhando para o empresário Manoel Francisco Gonçalves

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo