Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

Marcondes Alves de Souza e Bernardino de Souza Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918. Não foram de prosperidade, esses anos, muito ao contrário. Os governos, que presidiram os destinos do Estado, pautaram-se por poupança austera, mantendo em alta escala o bom nome financeiro, que o Espírito Santo alcançara.

O honrado Cel. Marcondes de Souza, que substituiu a Jerônimo Monteiro, limitou-se a dar a última polidura às obras inauguradas no crepúsculo doirado de seu grande antecessor. Como complemento à restauração do Quartel de Polícia, construiu a Vila Militar, dando casa limpa aos oficiais e sargentos.

Nada se podia desejar após conquistados os elementos fundamentais à vida urbana. O tesouro do Estado exigia medicina cautelosa e Marcondes soube ministrá-lo nas horas prescritas.

O Dr. Bernardino Monteiro assumiu o governo no auge da guerra, em 23 de Maio de 1916. Homem de força de vontade e equilibrado, inaugurou a política rodoviária do Estado, verdadeiro milagre administrativo, sob a profunda depressão financeira nacional.

Construiu as estradas de traçado mais difícil do Estado: Santa Leopoldina a Santa Teresa e Castelo a Muniz Freire.

Henrique de Novaes, notável engenheiro sob todos os títulos, estudou-lhes e dirigiu-lhes a construção, não obstante ocupar o cargo de Prefeito da Capital. Essas estradas, modificaram fundamentalmente a estrutura econômica das regiões atingidas. Assim, muito antes do tráfego motorizado na Capital, o interior agreste das montanhas, via sua produção circular, em auto-caminhões.

Henrique de Novaes foi o planejador da expansão e melhoria da cidade. Pouco realizou concretamente por falta de recursos, mas desapropriou grande número de imóveis, atingidos pelo seu projeto de remodelação. Demoliu a velha matriz para construir a Catedral, cujas obras ainda se arrastam. Foi infeliz na escolha do estilo ogival, custoso e difícil.

A previdência desse técnico cachoeirano facilitou, em parte, ao presidente Ávidos, realizar suas obras urbanas, em 1924. Bernardino Monteiro, não obstante sua austeridade como chefe de governo, continuou a feliz iniciativa de Jerônimo, abrindo, em certo dia da semana, à família capixaba, os salões simples e acolhedores de sua residência, concorrendo para formação da vida social da cidade. Todos eram recebidos com simpatia, num ambiente verdadeiramente familiar e amigo.

A cidade inicia, assim, em bom estilo, o cultivo da Vida social e esportiva. As sociedades recreativas, incipientes ou adormecidas, animam-se e crescem. O Clube Vitória e o dos Boêmios passam a ter freqüência diária. As regatas se revigoram em competições festivas e interessantes. A juventude se exercita no jogo do futebol amador, em partidas famosas, disputadas entre os, clubes Vitória e Rio Branco, ambos ambicionando popularidade maior. O Melpômene tem noitadas agradáveis.

Na ante-sala do "Cine Central", orquestra de câmera, se faz ouvir com repertórios vienenses. Vitória se urbaniza intelectualmente. O número de estudantes que cursam escolas superiores, na Capital Federal, é apreciável. A sociedade vai perdendo hábitos provincianos, para se tornar cosmopolita. Trens da Leopoldina e navios da Companhia Costeira, com horários quase que infalíveis, mantêm intercâmbio precioso com a cidade do Rio de Janeiro. Até então o capixaba pouco viajava. Os habitantes dos municípios do Sul do Estado, tributários do Rio, tornam-se freqüentes na ilha vaidosa e progressista.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2016

História do ES

Engenhos de açúcar no ES

Engenhos de açúcar no ES

O texto abaixo é transcrito do que é considerado o primeiro livro sobre o Brasil. Em 1576, em Lisboa, Pero de Magalhães de Gândavo imprimiu as páginas de sua História da Província de Santa Cruz (um dos primeiros nomes do Brasil) no mesmo local onde foi editado os “Lusíadas”.

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Ensino – Presidente Jerônimo Monteiro

Que era o ensino no Espírito Santo, até 1908? Um mito e, para as famílias abastadas, em pequeno número por sinal, um privilégio

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Os Primeiros Passos

Jerônimo Monteiro foi um predestinado. Surgiu no horizonte governamental na hora justa de sua maior dificuldade histórica 

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
Ainda a cidade que Jerônimo Monteiro encontrou

A cidade não se modificara na sua estrutura colonial. Não havia edifícios públicos, que correspondessem à necessidade funcional da administração

Ver Artigo
Surge ao longe a estrela prometida – Jerônimo Monteiro

No Campinho, brejo e mangue, o quartel de Polícia mostrava-se imponente

Ver Artigo
Então Vitória era assim (1908-1912) – Era Jerônimo

Um bonde a tração animal trafegava pela cidade baixa, de Vila Rubim ao Forte São João, passando pelo Largo da Conceição, Ruas do Rosário, Cristóvão Colombo e Barão de Monjardim

Ver Artigo
A Igreja de Santiago – Governo Jerônimo Monteiro

A reforma administrativa do Estado, operada por Jerônimo Monteiro, exigiu mais espaço para as repartições públicas

Ver Artigo