Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Origem da Torta Capixaba no ES

Torta Capixaba

Aqui no Espírito Santo, desde tempos remotos, o paladar capixaba elegeu, como prato típico na Semana Santa, a Torta de mariscos.

Temos registro dessa nossa predileção desde, pelo menos, o século passado, através de anúncios que a imprensa de Vitória então publicava. Por exemplo: em a Gazeta da Victoria, edição de 28 de março de 1878, divulgava-se: “aos amantes das Tortas. Camarões secos na casa de negócio Casilhas, à rua de São Diogo”. O mesmo jornal, na edição de 18 de abril do mesmo ano, inseria este anúncio: “Alta novidade para Tortas e Empadas! Ver para crer na Travessa do Ouvidor 6 – antiga casa do Comendador Souto”. Seguem-se os petiscos (entre outros): “o bom Bacalhau, Azeite-doce, vinagre de Lisboa, Cebolas grandes, não esquecendo a boa pinga dos principais vinhos do Porto, engarrafado e em barril. Lisboa muito bom. Virgem especial e muitos outros, que só com a vista poderão ser apreciados pela sua qualidade. Tudo isto vende-se por preço muito módico na Casa de Augusto Aguiar.

Que esses anúncios visavam à freguesia da Semana Santa não há dúvida, principalmente se se verificar (como o fizemos) que, em 1878, a Quinta-Feira Santa caiu no dia 18 de abril, e o Domingo da Páscoa, consequentemente, a 21 do mesmo mês.

A tradição continua teimosa e gostosa. Em todo o Espírito Santo se prepara, nessa época, a Torta da Semana Santa. Não há capixaba que, vivendo aqui no Estado, ou perdido em distantes plagas por esse Brasil a dentro, não procure comer a sua, a nossa Torta, por ocasião da Páscoa. Sei até que é de rigorosa praxe a expedição, por via aérea, de centenas de frigideiras de barro contendo a famosa torta nossa, enviadas, como encomendas ou como presentes e lembranças pascoais, a capixabas ausentes no Rio e noutras paragens. Tal a força da tradição secular!

O preparo da Torta capixaba requer muito engenho e muita arte. Nela (quando Deus não manda o contrário...) se empregam os mais variados mariscos; nela se misturam temperos de diversos tipos e qualidades; nela se aplicam enfeites caprichosos, com rodelas de ovos, de cebolas e azeitonas. Dentro do seu estojo natural – a frigideira ou panela de barro – a Torta, afinal, se apresenta como um belo trabalho de arte, que deleita a vista, o olfato e o paladar. Trabalho de arte, sim senhor! “...um pudim bem feito (afirma Gilberto Freire), um carneiro bem assado, um peixe bem temperado (uma torta bem preparada...) são, na realidade, trabalhos d’arte; e os cozinheiros, os quituteiros, os doceiros – artistas, tanto quanto os pintores, os músicos e os escultores (Região e Tradição, pág. 212).

Mas, como se prepara essa Torta famosa? Está indagando a leitora impaciente.

Temos o maior empenho em divulgar a mágica receita, recolhida, por informação, da veneranda senhora D. Otília Goulart Grijó, cujas saborosas Tortas tem fama em Vitória vai para mais de setenta anos. Tomem nota:

“Preparam-se todos os mariscos: siris, caranguejos, camarões, ostras, sururus do mangue, ou mexilhões... bem como os palmitos. Depois de limpos, desfiados, cozidos e espremidos, faz-se o tempero com alho, cuentro, azeite doce, limão, cebola e, querendo, algumas pimentinhas, sem esquecer cravo socado, cuminho e pimenta do reino. Cozinha-se bem o tempero com banha, caldo de toucinho (toucinho derretido e bastante azeite doce). Logo que estiver cozido, numa frigideira de barro (essencial!) misturam-se todos os mariscos e o tempero, tendo o cuidado de adicionar um pouco de peixe desfiado (peixe salgado) para enxugar e ligar a torta. (Alguns usam o bacalhau). Mexe-se muito bem, deixando-se secar a água que “chora” dos mariscos. Depois de tudo bem enxuto e seco, botam-se azeitonas. Batem-se os ovos (6, 12, 18... conforme o tamanho da torta) e com eles cobre-se esta. Cozinham-se à parte uns ovos, e aplicam-se cortados, juntamente com azeitonas e rodelas de cebola, para enfeite da torta. Vai ao forno, retirando-se quando estiver bem coradinha. A torta deve ficar bem enxuta e seca, pois é servida fria em fatias”.

O Dr. Christiano Fraga, em breve registro sob o título “A Torta da Semana Santa” (in Folclore, n 16/17, jan-abril de 1952), nos dá outra receita do velho prato capixaba. Aqui vai ela, para melhor informação ao leitor ou leitora: “Prepara-se um estrugido (refogado) com rodelas de cebola, alho, pimenta, azeite doce, banha de porco, azeitona, e leva-se ao fogo com palmito previamente cozido, mexendo até desaparecer a água do palmito e ganhar certa consistência. Juntam-se depois: ostra, sururu, camarão, siri e caranguejo desfiados, continuando a mexer até evaporar a água dos novos ingredientes. Retira-se então para arrefecer um pouco, e ajunta-se misturando uma parte da espuma de doze ou mais claras em neve com as respectivas gemas batidas separadamente (como se fosse para pão-de-ló). Vai tudo a uma frigideira untada de banha ou azeite doce, cobrindo-se com resto de ovos batidos e enfeitando-se com rodelas de cebola, salsa, tomate e azeitona, antes de levar ao forno. Não havendo forno pode-se corar colocando acima da torta um braseiro sobre um pedaço de flandres” (...) “É necessário que os mariscos estejam em bom estado e sejam apanhados na época própria, o que é sempre fácil de conseguir, evitando alguma intoxicação desmancha-prazeres. Alguns dispensam a diversidade de mariscos, e preparam a torta de puro caranguejo desfiado, a carne talvez mais fina e delicada entre todas”.

Outrora, a Torta tradicional era servida às oito horas da noite de Sexta-feira Santa. Hoje em dia, come-se a Torta em almoço ou jantar ou ceia, na quinta-feira, sexta e sábado e domingo – caso sobre, está claro...

Aliás, as horas das refeições tem variado através dos tempos. O que não variou – e queira Deus não varie jamais – é o vezo, o costume, a tradição velha dos capixabas: de saborearem, na Semana Santa, a nossa deliciosa Torta de Mariscos!

 

Fonte: Torta Capixaba - Editora Âncora, Vitória, 1962
Autor: Guilherme Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2011
Nota do Site: Augusto Aguiar era tataravô de Walter de Aguiar Filho
Pesquisa: Casa da Memória de Vila Velha 

 

 

Link Relacinado´

Árvore Genealógica Família Aguiar


Culinária Capixaba

Panelas de barro enfeitadas

Panelas de barro enfeitadas

As tradicionais panelas de barro de Goiabeiras não são os únicos objetos que podem ser feitos com barro do Vale do Mulenbá. Pare vencer a concorrência das panelas de barro industriais e atrair clientes, as paneleiras estão investindo em novidades

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Tradição da Torta Capixaba – Por Areobaldo Lellis Horta

Uma tradição existe, que lhe é própria, que lhe pertence por inteiro e cujas origens aprofundam raízes em épocas imemoriais. Essa tradição é a TORTA

Ver Artigo
A Origem da Torta Capixaba no ES

Há registro em a Gazeta da Victoria, edição de 28 de março de 1878, divulgava-se: “aos amantes das Tortas. Camarões secos na casa de negócio Casilhas, à rua de São Diogo”

Ver Artigo
Culinária Capixaba - CALDEIRADA

Parafraseando o escritor Deomar Bittencourt, nós, no Espírito Santo, achamos que só quem sabe preparar peixe é o capixaba

Ver Artigo
Receita da Moqueca Capixaba

A moqueca capixaba é um prato conhecido no país inteiro pelo seu sabor. O prato que é a cara do Espírito Santo!

Ver Artigo
Moquecas e peixadas – Por Cacau Monjardim

Do hábito indígena de "moquear" o peixe, nossos antepassados, de pai para filho, foram melhorando a técnica de preparo

Ver Artigo