Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1562 – Por Basílio Daemon

Capela de São Tiago, cuja fundação é datada de 1562

1562. Neste ano são atacados os povoadores desta capitania pelos índios aimorés, que dos centros vieram a tudo destruir, obtendo vitórias assinaladas os mesmos índios, que só mais tarde foram rechaçados.

Idem. Neste ano, a 10 de junho, a mandado do padre Brás Lourenço, escreve o padre Torres, que aqui se achava, uma carta ao superior da Companhia relatando também o que era esta capitania e o seu estado, assim o ter vindo no ano antecedente duas naus francesas que, desembarcando tropa, foram pelos da capitania repelidas, como ainda o ter chegado neste mesmo ano outra nau, que não pôde dar saltada em terra à gente que trazia nem explorar a terra, pois fora imediatamente repelida, obrigada a recuar e fazer-se de vela a dita nau (82). Neste tempo já se achavam muito adiantadas as obras do convento e capela dos padres da Companhia,(83) existindo uma casa que servira de seminário no princípio da rua do Egito e onde moraram o padre Brás Lourenço [no original, Lourenço Brás] e padre Fabiano de Lucena, muito conhecedor da língua indígena, o primeiro encarregado de confessar os homens e ensinar seus filhos o latim, português e doutrina, o segundo incumbido da conversão e civilização dos indígenas. Havia ainda em companhia dos padres jesuítas um irmão coadjutor, que servia de cozinheiro, assim outro moço de idade de 18 anos que sabia a língua indígena, o qual, com o padre Brás Lourenço, aprendia o latim, sendo de muita inteligência e engenho. Ali, naquela casa ou seminário, que mais tarde pertenceu a Manoel José e depois a Francisco dos Santos, a qual tinha o nº 574, quando foram sequestrados os bens dos jesuítas, estiveram muitos padres da Companhia, entre eles Luís da Grã, Manoel da Nóbrega e José de Anchieta, tendo todos os três sido provinciais da Ordem. Também ali estiveram os padres Diogo Jácome e Pedro Gonçalves, que na aldeia de índios da hoje vila de Santa Cruz doutrinaram e chamaram dos sertões os tupiniquins, os goitacases, os puris, os aimorés e os temiminós, catequizando-os.

Idem. Neste ano fazem os índios pitaguares uma erupção nesta capitania. Tendo devastado as capitanias dos Ilhéus e de Porto Seguro, internaram-se nesta assolando-a e matando os povoadores, travando-se por diversas vezes renhidos combates entre estes índios e os habitantes do Espírito Santo, e que só foram apaziguados ao poder da palavra sagrada de José de Anchieta, que aqui chegando pôde sossegá-los e obter paz.

 

Notas

82 Carta do Brasil, do Espírito Santo, para o padre doutor Torres, Lisboa, por comissão do padre Brás Lourenço, de dez de junho de 1562. Segundo Brás Rubim [Memórias, p. 164] e Vasconcelos [Ensaio, p. 18], o original dessa carta estaria em poder da Biblioteca Pública do Rio de Janeiro (Biblioteca Nacional), porém não o localizamos.

83 D. João Nery identifica essa capela como a de São Tiago, a mesma do Colégio dos Jesuítas, cuja fundação seria datada de 1562, aproximadamente. [Nery, Carta pastoral, p. 26]

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2019

 

História do ES

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Ver Artigo
Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio

Ver Artigo