Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Morre a Madalena que inspirou o Congo mais famoso do Estado

Maria Madalena de Jesus Simões que inspirou o congo mais famoso do Estado

“Madalena, Madalena... você é meu bem-querer...”. Cantar essa toada de congo, que ganhou notoriedade pelo país depois de gravada pelo sambista Martinho da Vila, vai perder um pouco do encanto. Maria Madalena de Jesus Simões, que segundo mestres de congo foi a fonte de inspiração para a canção, morreu na última terça-feira, aos 85 anos.

A história contada pelo também falecido mestre Antônio Rosa, dá conta de que mestre Zé Maria, pai de Madalena, teria feito a toada para ela, na época do seu nascimento.

A presidente da Associação das Bandas de Congo da Serra, Terezinha Machado Pimentel, lembra que a história era confirmada entre os antigos mestres congueiros.

Oralidade

“Quem conheceu muito a família de Madalena foi meu pai. Ele conviveu com mestre Zé Maria. Eu a conheci há apenas dois anos. Lembro que meu pai costumava dizer que Zé Maria tinha feito a música para sua filha. Essa é uma história que eu conheço e que se passa de um para o outro, na oralidade”, diz.

Sebastião e Edna Simões, filhos de Madalena, relembram que a mãe ainda acompanhava a festa de São Benedito. “Ela fazia hemodiálise há oito anos, mas sempre acompanhava a festa de São Benedito para ver os grupos de congo”, contam. Atualmente, ela morava em Maria Ortiz, Vitória.

 Mesmo com a saúde debilitada, no dia 2 deste mês, dona Madalena deu uma entrevista para a revista Nu-Informativo Cultural da Serra. “Levamos dona Madalena a Putiri, na Serra, nas proximidades da antiga fazenda do pai, onde ela nos contou sua história”, conta Fábio Boa Morte, diretor da revista Nu. A entrevista será publicada na próxima edição.

 

Herança

"Sempre ouvi que foi meu avô que fez a música para minha mãe” (Sebastião Simões Filho de Madalena)

 

Madalena do Jucu


Adaptação do sambista Martinho da Vila


Madalena, Madalena

Você é meu bem querer

Eu vou falar pra todo mundo

Vou falar pra todo mundo


Que eu só quero é você



Minha mãe não quer que eu vá

Na casa do meu amor

Eu vou perguntar a ela

Eu vou perguntar a ela

Se ele nunca namorou


Madalena...

O meu pai não quer que eu case

Mas me quer namorador

Eu vou perguntar a ele

Eu vou perguntar a ele

Por que ele se casou


Madalena...

Eu fui lá pra Vila Velha

Direto do Grajaú

Só pra ver a Madalena

E ouvir tambor de congo

Lá na Barra do Jucu

 

Da Serra ou da Barra do Jucu?


Segundo pesquisas e observações pessoais do historiados Eliomar Mazzoco, é difícil afirmar quem é o verdadeiro criador da toada “Madalena, Madalena”

 “O pesquisador de folclore capixaba Guilherme Santos Neves já havia registrado num de seus livros a toada ‘Madalena’ na década de 40. A música é muito marcante na Serra, e acredito que ela vem de lá”, afirma.

Mazzoco ressalta, no entanto, que a cultura popular tem muitas versões para a música. “Uma das versões é de que a toada é da Barra do Jucu. O Martinho da Vila gravou o samba que tem a letra do congo que ele ouviu na Barra. É comum quando as pessoas passam a cantar uma música, e com o passar do tempo se apropriam dela”, explica.

Apesar das controvérsias, o historiador garante que “Madalena” é essencialmente capixaba. “Não resta dúvida de que essa toada é capixaba, e tudo indica de que seja do município da Serra.

Ela tem uma história, e essa é a beleza da cultura popular”.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, 08/02/2008

 


Variedades

Capítulo III Maximiliano de Wied-Neuwied

Capítulo III Maximiliano de Wied-Neuwied

Oitavo na linha de sucessão do Conde de Wied, Maximiliano, como a grande maioria dos herdeiros de segunda ordem, optou pela carreira militar

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

UMA FEIRA, COM AMOR - Por Luiz Sérgio Quarto

Vá, mesmo que não tenha vivido no interior. Mas vá com a seguinte condição: a de expor o seu interior. Feito isso, será bem-vindo. Ou melhor: festejado

Ver Artigo
Cienfuegos no bar do Valfredo na Vila Rubim - Por Gilson Soares

O relógio na parede do Bar da Vila marcava meio-dia. Era a hora. O bando de bêbados inventou de enumerar em coro, sob a batuta de Cienfuegos, as batidas do velho relógio 

Ver Artigo
Bananas, Curiós e Peroás - Por Marien Calixte

Ali chegavam as canoas vindas de Caçaroca, Jucu, Tanque, Cariacica, via rio Marinho. Também vinham do rio Santa Maria.

Ver Artigo
Bota Muito - Por Cariê Lindenberg

Era um ritual quase religioso: frequentar o botequim do mercado da Vila Rubim apelidado pelo pessoal de, "Bota Muito", por razões que acredito óbvias

Ver Artigo
Frases de Caminhão - Por Eurípedes Queiroz do Valle

As 10 mais espirituosas Frase de Caminhão do Espírito Santo, 1971

Ver Artigo