Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Teatro no ES

Anchieta

O padre José de Anchieta foi, possivelmente, o primeiro a fazer teatro no Espírito Santo, no intuito da propagação do catolicismo por meio da arte, entre as grandes massas da população, particularmente a indígena, para quem o teatro anchietano cumpria um dos grandes objetivos da contra-reforma, de levar a arte ao povo, para levar o povo a Deus, afastando-o, neste caso, de seus deuses pagãos.

Nesse intuito, ensaiou em Vitória, no Colégio de São Tiago, em 1586, a peça de sua autoria denominada “Auto de São Maurício”. Também em Vitória, por ocasião da chegada das relíquias das “Onze Mil Virgens”, fez representar no Colégio o seu “Auto de Santa Úrsula”. Igualmente marcante em sua vida foi a entronização na igreja de Reritiba, no dia 15 de agosto de 1590, da imagem de Nossa Senhora da Assunção, quando foi realizada pomposa festa, cujo auto assistido por milhares de pessoas, proclama a fé no catolicismo e na Virgem Maria convidando-a a tomar posse da aldeia e ali permanecer, depois da expulsão do diabo que queria convencê-la do contrário.

Relacionadas ao teatro anchietano encontramos ainda os autos: Na Noite de Natal, São Lourenço, São Sebastião, Diálogo do P. Pero Dias Mártir, Na Aldeia de Guaraparim, do Crisma, Recebimento do Pe. Marcos da Costa, Da Visitação de Santa Isabel; peças escritas em Castelhano, português e tupi, e, a exceção dos dois primeiros, que estrearam no Rio de Janeiro e São Paulo, respectivamente, todos os demais autos foram encenados no Espírito Santo.

A visitação de Santa Isabel, considerada última obra do jesuíta, é um diálogo em espanhol que narra o encontro da Virgem Maria com sua prima, Isabel (mãe de São João Batista). Finalizada por uma procissão solene, a encenação era para celebrar a construção de uma Santa Casa de Misericórdia, com data e local de representação obscuros.

Auto (latim: actu = ação, ato) é um sub-gênero da literatura dramática. Tem sua origem na Idade Média, na Espanha, por volta do século XII. Em Portugal, no século XVI, Gil Vicente é a grande expressão deste gênero dramático. Camões e Dom Francisco Manuel de Melo também adotaram esta forma.O auto era escrito em redondilhos e visava satirizar pessoas. Como os autos de Gil Vicente deixam perceber claramente (vide, por exemplo, O Auto da Alma e O Auto da Barca do Inferno), a moral é um elemento decisivo nesse sub-gênero.


Fonte: Palácio Anchieta: de colégio à casa da governadoria, 2000
Autores: Gabriel Bittencourt e Nádia Alcuri Campos

História do ES

Comentários da Invasão de Cavendish (7ª Parte)

Comentários da Invasão de Cavendish (7ª Parte)

Os historiadores José Teixeira de Oliveira e Maria Stella de Novaes fazem referência ao cacique Jupi-Açu e seus duzentos índios, acampados nas imediações de Vila Velha

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A história dos cinemas no ES

A história do cinema no Espírito Santo tem aspectos interessantíssimos a serem investigados adequadamente que demonstram como, desde os primórdios do último século XX, a sociedade urbana capixaba incorporou a ida ao cinema à vida cotidiana

Ver Artigo
Fundadores de Cachoeiro de Itapemirim - João Eurípedes Franklin Leal

Grande é a discussão em torno do povoamento e fundação da atual cidade de Cachoeiro de Itapemirim

Ver Artigo
Carta a um amigo

Aristeu Borges de Aguiar comenta rapidamente a situação em Portugal, e, como que vaticinando, diz “o Mundo anda meio atrapalhado, parecendo que caminha para grandes transformações". 

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES - Por Bruno César Nascimento

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo