Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Personalidades Capixabas

Entrevista de Adelpho Poli Monjardim, um grande capixaba

Entrevista de Adelpho Poli Monjardim, um grande capixaba

Adelpho Poli Monjardim foi um atleta vigoroso, praticou remo, natação, water polo, boxe, levantamento de peso e futebol

Saíram assim - Por Fernando Achiamé

Saíram assim - Por Fernando Achiamé

Eram jovens quase todos os integrantes da turma que cursaria História de março de 1971 a dezembro de 1973

A Sala Centro de Artes da UFES - Por Gracinha Neves

A Sala Centro de Artes da UFES - Por Gracinha Neves

Quinze homens da entidade, viabilizaram a chegada do piano de cauda da Escola Villa Lobos para a Sala Centro de Artes

Personalidade Capixaba - Antônio Pinto Rodrigues

Personalidade Capixaba - Antônio Pinto Rodrigues

Nasceu em 1903, em Vila Velha, Antônio Pinto Rodrigues, filho de Cleto Rodrigues e Henedina Pinto Rodrigues

Zacharias Fernandes Moça

Zacharias Fernandes Moça

Certos homens, nasceram com uma extrema capacidade de cultivar como um tesouro a dignidade e a lealdade

O Centro de Vitória e sua revitalização - Por Gabriel Bittencourt

O Centro de Vitória e sua revitalização - Por Gabriel Bittencourt

Muito do patrimônio histórico-arquitetônico, de que vale a pena preservar para a memória capixaba, localiza-se no Centro de Vitória

Surge ao longe a estrela prometida – Jerônimo Monteiro

Surge ao longe a estrela prometida – Jerônimo Monteiro

No Campinho, brejo e mangue, o quartel de Polícia mostrava-se imponente

Carlos Fernando Monteiro Lindenberg (Nêni) e os Monteiro

Carlos Fernando Monteiro Lindenberg (Nêni) e os Monteiro

Nêni recebeu da avó Riqueta, em 1919, uma função: “fazer o levantamento da escrita” da Fazenda Monte Líbano

Jerônimo Monteiro - Capítulo III

Jerônimo Monteiro -  Capítulo III

Nasceu Jerônimo a 4 de junho de 1870, na casa-grande inaugurada em 1869, no batizado de Helena

Zacimba Gaba – Princesa, Escrava e Guerreira

 Zacimba Gaba – Princesa, Escrava e Guerreira

Zacimba, que havia, “ainda mocinha”, cruzado o Atlântico naquelas precárias embarcações que traziam até 500 escravos, sabia muito bem o que devia representar a liberdade para o seu povo