Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A arte de fazer panela de barro

Argila: é extraída de um barreiro do Vale do Mulembá - Foto:Foto: Edson Ghagas

As panelas de barro de Goiabeiras são feitas utilizando uma série de elementos naturais e artificiais (matéria-prima), e procedimentos técnicos específicos.

Matéria-prima

Argila: é extraída de um barreiro do Vale do Mulembá, localizado no bairro Joana D’Arc, município de Vitória. Essa argila foi formada pela decomposição de rochas gnáissicas misturadas com feldspato, mica, argilitos, quartzitos e fragmentos de gnaiss e quartzo. Pelos seus resíduos, principalmente pela sua angulação do quartzo, verifica-se que o aluvião é local e que foi pouco transportado. Desses elementos, os fragmentos de quartzo são de extrema importância na funcionalidade das panelas, pois, juntamente com outros grânulos de areia, captam o calor quando submetidos ao fogo e depois o expande mantendo as panelas quentes por um período longo.

Ao ser extraída do barreiro, a argila recebe o primeiro tratamento com a retirada de algumas impurezas e do material orgânico visível, sendo a seguir transformada em “bolas” que são então transportadas aos locais de confecção. Registros históricos mostram que essa técnica é antiga pois “... a argila era moldada em pequenas bolas, de modo que oito bolas formavam um “bolo” que pesava aproximadamente 50 kilos...” (Pacheco, 1975).

Tanino: produto obtido da casca de uma árvore característica do mangue (Rhizophora mangle).

A sua retirada é feita deixando a metade do tronco com a casca para que a árvore não morra, técnica usada pelos índios. Depois de retirada, a casca é levada para um local apropriado aos procedimentos de extração da tinta. A seguir, é feita uma masseração através de percussão, utilizando-se um batedor de madeira ou ferro até reduzi-la em pequenos fragmentos. Após a masseração são colocadas em um recipiente com água para que haja liberação da tinta.

“... Isso aqui (diz apontando a casca em suas mãos), esse tom escuro da cascado tronco não dá na beira do mangue. Isso dá mais no centro (mangue) e dá muito trabalho de tirar...” “... Se eu bater na árvore e ela estiver fina, amarela, então não continuo a tirar...” (Seu Deco).

O tanino é usado para dar cor e, principalmente, impermeabilizar as panelas depois da queima.

Com a produção tomando um rumo um pouco diferente das técnicas tradicionais, devido à participação de pessoas sem compromisso com a tradição e, consequentemente, não usando os meios compatíveis com a preservação do meio ambiente, as cascas estão sendo retiradas de todo o tronco, fazendo com que as árvores do mangue sofram um processo degenerativo.

“... Se o mangue estiver para morrer, então eu tiro... Nem sempre dá para tirar toda a casca, só quando o tronco está velho, que eu sei que ele vai morrer, aí eu tiro todo...” (Seu Deco).

Madeira: componente que entra na parte final da confecção das panelas, ou seja, na etapa da queima. No passado, a madeira utilizada era a mesma de uso dos fogões de lenha nas cozinhas. Atualmente, com o controle do corte de árvores para venda como lenha, são usadas madeiras recicladas que foram utilizadas pela construção civil.

 

Fonte: Memória Viva – As paneleiras de Goiabeiras, 1997
Texto e Pesquisa: Celso Pereira, Jaime Roy Doxsey e Roberto A. Beling Neto
Fotos: Edson Ghagas
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2012 



GALERIA:

📷
📷


Folclore e Lendas Capixabas

Os remadores noturnos – Por Maria Stella de Novaes

Os remadores noturnos – Por Maria Stella de Novaes

Um dos afluentes do rio Doce, o "São José", tem o seu curso envolto em névoa lendária, que nos recorda os tempos idos da escravidão

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Como São Pedro aprendeu a pescar – Por Maria Stella de Novaes

Contou-nos certo pescador da Praia do Suá que São Pedro e seus companheiros de ofício lutavam sempre com a falta de peixes

Ver Artigo
Frade e Freira – Por Maria Stella de Novaes

Frade e Freira é o conjunto de dois rochedos, que se defrontam, num mesmo alcantil, como se fossem esculturas planejadas, para a representação das figuras de um monge e uma devota, esta envolta num manto, em atitude contrita

Ver Artigo
Folclore, cinema e teatro - Por Luiz Buaiz com texto de Sandra Medeiros

O teatro que sucedeu o Melpômene foi o Carlos Gomes, inaugurado em 1927, seis anos depois do nascimento de Luiz Buaiz

Ver Artigo
Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo