Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A campina do ouro - Por Maria Stella de Novaes

Contra capa do livro: Lendas Capixabas, da autora Maria Stella de Novaes, de 1968

O Oficial de Milícias Inácio Pereira Duarte Carneiro não havia ainda rasgado a estrada para a Capitania de Minas Gerais, — a famosa Estrada do Rubim, depois, São Pedro de Alcântara. Aventuravam-se apenas os colonizadores a algumas entradas, para a descoberta de minas auríferas e pedras preciosas. Dirigiam-se, porém, quase todas, para o Castelo e o Rio Doce.

Findava o Século XVIII.

Fugido para os lados de Taquari, um escravo chamado André chegou ao sertão, posteriormente denominado Santo Agostinho, certo de alcançar um dos numerosos quilombos, que se multiplicavam, até o Timbuí. Andou... Andou... Exausto, adormeceu, recostado a uma grande laje. Despertou, à guarda atenta de um velho índio, que parecia estranhar-lhe a cor e a figura, diversas de um branco. Não trazia arma de fogo, para atacar sua tribo.

— Seria um habitante da selva, talvez, "parente do macaco"?

Possuía apenas um espelho, que lhe causou admiração. Sorriram simultaneamente. Eram de paz. Confrades no sofrimento: — um, perseguido, no próprio domínio; outro, escravizado, à vontade dos prepotentes, que o arrancaram da sua terra distante! Sim, a dor, na fraternidade das almas, incutia-lhes instintiva revelação de suas vidas, independente da expansão verbal. Justifica-se por que se entenderam, pelo simples olhar. Passaram, depois, à mímica.

Ardiloso, com a prestidigitação do espelho, André conquistou, logo, a simpatia do aimoré. Colheu notícia de que sua tribo vivia num lugar bonito, cercado de matas, e onde existia uma "poeira cor do Sol", distribuída aos jovens, pelo morubixaba, a fim de que a espargissem nos cabelos de suas noivas, na festa nupcial. Retirava-se, — explicou-lhe, desde os seus avós, de um lugar onde a tribo erguera sua taba, — uma grande campina.

Tal notícia interessou ao escravo, perito bateador, nas minas do Caieté, antes que um comboieiro o vendesse, numa descida para o Espírito Santo. Por isso, sempre jeitoso, concordou em ficar e acompanhar o novo amigo, até o reduto silvícola, sob o juramento de ali permanecer.

Eram magníficas as matas, que margeavam o rio Santa Maria da Vitória, e não menos soberbas as de Santo Agostinho, que foram varadas pelo escravo, de olhos vendados, até a entrada num verdadeiro Éden: — extensa planície, na moldura esmeraldina e bela da floresta virgem, densa e opulenta. Haviam, ali, os índios, erguido suas ocas, em volta de um fosso coberto de rede marchetada de pedrarias e pepitas. Brilhava, quando refletia o luar; reluzia, aos esplendores do Sol. Apresentado ao murubixaba, foi o escravo devidamente iniciado, nos hábitos da tribo. Gostou, a princípio, da vida, na selva; aprendeu a moquear a caça; pescar, à mão; defender-se do guarapu e das serpentes. Assim, passou muitas luas. Aspirava sempre conhecer o segredo da Campina. Já preparava as setas e manejava o arco. Finalmente, conseguiu o seu objetivo: — "Rio de Tupã, entrado na Terra", explicou-lhe o pajé. E contou-lhe, então que, certo dia, o fogo do Céu (o raio), caído na mata, incendiou-a. Abriu-lhe extensa clareira, que os índios limparam e, com o decorrer do tempo, cobriu-se de vegetação rasteira. Uma rocha pontiaguda foi o lugar atingido pela centelha. Fendeu-se estrondosamente, em vários fragmentos, cujo interior brilhava, como "poeira do Sol". Removeram os blocos e encontraram, na base, um fosso que "tragava a chuva". Escavaram-lhe as bordas e retiraram bolinhas brilhantes (pepitas). Moeram-nas e conseguiram a poeira linda, para os cabelos das noivas. Resolveram, por isso, cobrir o lugar, de modo que não fosse "profanado" pelos animais. E concluiu, incisivo: — "Qualquer da tribo, que revelar ao homem branco a existência do lugar, será torturado e morto; entregue ao fogo do Céu, sobre um penedo, em lugar ermo... Bem distante!

A Campina era o seu paraíso!

Estarrecido, André ouviu a tremenda ameaça. E, após invernos, em conta já perdida, aprendeu a orientar-se pelo Sol, e planejou safar-se daquele segundo cativeiro. Saturado estava da monotonia de uma vida quase inativa, constante alimentação de caça, frutos silvestres, raízes e mel. Ensinou às mulheres a plantar e moer o milho; fazer angu, para o desjejum matinal. Repugnavam-lhe, porém, a carne, o peixe e outros alimentos completamente insossos.

Emagrecia.

Fome!...

Compreendeu, finalmente, a realidade: — melhor, de certo, o estômago nutrido que a liberdade, sem sal e sem o café quentinho, de manhã. Além disso, crescia a vigilância dos índios, quanto às suas mulheres. Percebia o escravo que, mesmo entre os silvícolas, existia o preconceito contra a raça infeliz. Jamais, portanto, conseguiria uma esposa e o carinho de um filho, nas horas intérminas da solidão. Aconteceu, nesse ínterim, que a primogênita do morubixaba adoecesse, presa de "tremedeira", na linguagem do tempo. Folhas medicinais foram aquecidas e aplicadas na sua testa; chás, sangria, com a ponta de sumaré; coberta de areia quente e outros recursos da medicina indígena, tudo estava falhando.

André observou que se lhe apresentava a suspirada oportunidade, para agir. Lembrou ao pajé que, na Vila, se encontrava uma casca milagrosa, para debelar a "tremedeira". Poderia buscá-la, com a palavra de honra e o juramento a Tupã. Mandasse escoltá-lo, até a pedra, onde fora encontrado, porque ignorava o caminho e temia encontrar outros índios e animais bravios. Cumpria às sentinelas aguardá-lo, na mata, às ocultas dos brancos.

À visão de perder a filha estremecida, transido de dor, o morubixaba acatou a lembrança do negro. Despachou-o, com dois flecheiros devidamente equipados. Assim, precedido pelos guias, André foi mupicando, às ocultas, com o seu canivete. Teria, portanto, o roteiro da Campina do Ouro, e talvez a liberdade.

Na Vila, relatou sua odisséia. Imediatamente, circulou o boato que o promoveu a herói de uma aventura, fato que o libertou dos açoites, ferros e outros castigos reservados aos negros fugidos.

Sua demora, porém, inquietara os índios, que resolveram castigá-lo, enquanto os flecheiros se quedavam desconfiados, perante indícios de incursão de colonizadores, entre o sertão de Santo Agostinho e o Vale do Santa Maria da Vitória. Isso porque Duarte Carneiro, instruído pelo Governador Francisco Alberto Rubim, realizara os estudos preliminares da futura estrada.

Não resistiu a doente à força da febre. Sucumbiu, antes que o negro voltasse, com o remédio, — a casca de quina moída, usada pelos escravos, contra as terçãs e quartãs. Então, à ordem do morubixaba, reuniu-se a comunidade, para os funerais e...o devido castigo ao homem-macaco. Envolta em rede polvilhada de ouro; coberta de flores agrestes e penas finíssimas e belas, foi a jovem sepultada, com todos os seus pertences, na base da montanha, que ocultava a Campina do Ouro, da trilha observada pelos guardas de André, — o traçado da estrada, que seria decantada pelos brancos e detestada pelos índios. Um ranchinho assinalava a campa. E, diàriamente, durante muitas luas, a tribo ali depositava alimentos, certamente, saboreados à noite, pelos animais.

E André?

Mal se aproximara da pedra, caiu, varado de flechas. Arrastado à penedia fatídica, antes de expirar, viu, ao longe a Campina do Ouro, cujo roteiro, levianamente, divulgara, na Vila da Vitória, para safar-se dos Capitães-do-Mato. Lá, foi entregue ao raio, — o fogo do Céu, para os índios.

Jamais, entretanto, a Campina do Ouro pôde ser explorada, pelos colonizadores, porque providenciaram, logo, os aimorés a cobertura e o disfarce do "Rio de Tupã entrado na Terra". Transportaram saibros e barro, que ali depositaram. Com o tempo, desenvolveram-se algumas árvores, no lugar, e um vigoroso ipê coroou de flores doiradas o ponto privilegiado, pela existência da "poeira do Sol".

 

NOTA: Em "A Província do Espírito Santo", diz Basílio Daemon que, a 19 de agosto de 1812, chegou à Capitania do Espírito Santo uma divisão de Tropa de Linha, mandada pelo Conde de Palmas, instruída em seguir para o Oeste. Descobriu, entre soberbas matas, uma grande planície, que os antigos denominavam Campina do Ouro, segundo tradições existentes. Regressou, com amostras de ouro e pedras preciosas. Dessa Campina do Ouro consta ter havido um antigo roteiro, que descrevia o lugar, no sopé de uma montanha aurífera, na mata que separava a Estrada de São Pedro de Alcântara da de Santa Teresa.

Com a colonização e o descaso pelas tradições, desapareceram o roteiro e a Campina. Resta-nos a lenda, que nos transporta à beleza e à poesia do Passado.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2017

Folclore e Lendas Capixabas

O Morro do Alecrim – Por Maria Stella de Novaes

O Morro do Alecrim – Por Maria Stella de Novaes

Pescadores da Praia de Inhoá ouviam prantos e lamentações, que pareciam vir de um oratório encantado, existente no do Morro do Alecrim

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Carnaval em Muqui

Veja como participar do carnaval folclórico de Muqui!

Ver Artigo
Carnaval - Por Renato Pacheco

Segundo Paulo Vellozo, grande folião da década de 30, depois que se extingüiu o Pega a Nega, no Clube Vitória, surgiu o Solta a Nega, bloco de rapazes, que substituiu a velha guarda

Ver Artigo
Anchieta e seus milagres – Por Adelpho Monjardim

Muitos os milagres realizados por Anchieta; assim como os sucedidos com ele, reveladores do seu estado de Graças

Ver Artigo
O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

Junto ao mar, na encosta rochosa, abre-se uma gruta. A entrada é pouco alta e estreita, porém, ela se estende a profundezas desconhecidas

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo