Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A primeira crônica de Rubem Braga – Por Levy Rocha

Primeira crônica de Rubem Braga, quando ainda era estudante

Caiu-me às mãos o número doze do jornalzinho "O Itapemirim", órgão oficial do Grêmio "Domingos Martins", do Colégio Pedro Palácios, dezembro de 1926, com importante achado: a colaboração do terceiro-anista ginasial Rubem Braga: "A Lágrima".

Essa crônica é considerada como a primeira estampada em letra de fôrma, do intelectual capixaba. Ocupa metade superior da segunda coluna, na folha de rosto do jornalzinho estudantil.

O redator, por medida de cautela, estranhando provavelmente a precocidade do seu colega, teria acrescentado as aspas, nas quais a colaboração está fechada.

Não pretendo alongar comentário, com a intenção de mostrar uma precocidade. O estudante era meio malandro. Mesmo em português, conforme os resultados finais dos exames efetuados perante as juntas examinadoras nomeadas pelo Departamento Nacional de Ensino, publicadas noutra parte do mesmo jornalzinho, fora aprovado com as notas seis e cinco, havendo alcançado sete em francês e, por um claro significativo, deixando de figurar o seu nome ao lado dos seis colegas aprovados, parece que ficou, em álgebra, para a segunda época.

O insucesso não seria motivo inspirador da "pérola de amargura", própria essência do sofrimento", "gota de água ardente" .

Abaixo da famosa crônica, o diretor do Colégio, Prof. Aristeu Portugal Neves, publicou a carta que dirigiu ao embaixador da Itália junto ao nosso governo. Vale a pena transcrever o início da mesma: "No momento em que a alma italiana vibrando de comovedora emoção genuflexa perante o altar da Pátria de Dante agradecia a Deus ter livrado Mussolini do atentado anarquista do tresloucado Anteo Zamponi, a sociedade mais culta desta cidade, reunida no seu principal teatro, ouvia de pé o coral do hino fascista cantado pelos alunos do ginásio "Pedro Palácios", filhos da ilustre e laboriosa colônia italiana aqui domiciliada e no meio da mais entusiástica demonstração de alegria".

É também publicada a resposta de agradecimento do Embaixador, a "tutta la popolazione di Itapemirim per la manifestazione entusiastica di giubilo fatta".

Imagino os dissabores da vida desse pedagogo que viu, anos depois, alunos do seu colégio publicarem outro jornalzinho, "A Flama", quase anarquista; que assistiu à cidade repelir heroicamente a visita do chefe nacional do integralismo e que teve notícia da vitória das tropas da Democracia, de cujo contingente brasileiro fazia parte o cronista de "A Lágrima", como correspondente de guerra na Itália.

Mas, justiça se faça ao grande educador, de saudosa Memória (toda uma vida em holocausto ao ensino); se alguma convicção política ele pôde despertar nos seus ex-alunos, a mais patenteada em público foi bem diversa da que conservou através das suas vicissitudes. O maior atestado dessa afirmativa é Rubem Braga, o cronista que Cachoeiro de Itapemirim deu ao Brasil.

 

Fonte: Crônicas de Cachoeiro, 1966
Autor: Levy Rocha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

Literatura e Crônicas

Kallima

Kallima

Ali perto, Diná andava pela calçada, entre outros travestis. Com as unhas pintadas de vermelho vivo combinando com o batom, a mini-blusa de malha apertada sobre o short comprado na Vila Rubim

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Muqui de antigamente – Por Levy Rocha

Podia até fazer uma referência à casa onde a cegonha lhe deixou o presente de um menino, no ano de 1916, mas a modéstia me aconselha... 

Ver Artigo
O primeiro jornal de Cachoeiro – Por Levy Rocha

O volume que as traças haviam começado a destruir, reunia 24 números, inclusive o precioso primeiro, editado em 4 de julho de 1866

Ver Artigo
A Estrada de Ferro Caravelas – Por Levy Rocha

O privilégio para a primeira via férrea projetada, no Espírito Santo, foi requerido em agosto de 1872

Ver Artigo
O Quartel da Barca – Por Levy Rocha

O povoamento das margens do rio Itapemirim, trecho navegável, sem embargo, para as canoas, até os Caxoeiros (como se dizia, antigamente), deve retroceder aos tempos de Vasco Coutinho

Ver Artigo
O nome da cidade – Por Levy Rocha

Sabe-se que não existe, no rio Itapemirim, no local onde se situa a "Princesa do Sul", nenhuma cachoeira

Ver Artigo
Imprensa quebra-peito - Por Levy Rocha

Como me enchia de admiração o trabalho quotidiano de Hélio Ramos, ajuntando e espalhando letra por letra, imprimindo sozinho, duas vezes por semana, o "Correio do Sul"

Ver Artigo
Festa das Canoas – Por Levy Rocha

Antigamente, o burburinho de gente chegava no trem de Cachoeiro. Hoje, são os ônibus, caminhões e automóveis que enchem a praia de visitantes

Ver Artigo
Duas cartas de Newton Braga – Por Levy Rocha

A segunda carta que guardo de Newton Braga, mais extensa, enchendo duas laudas, ele a datou de 30 de setembro de 56 

Ver Artigo
Newton Braga e Ribeiro Couto - Por Levy Rocha

O passamento de Ribeiro Couto, em Paris, três anos atrás, avivou-me a lembrança de outro poeta, da mesma escola penumbrista, o nosso Newton Braga

Ver Artigo
Os Barões de Itapemirim – Por Levy Rocha

Quem viajasse pela Estrada de Ferro Itapemirim poderia observar um palacete "construído no feitio dos castelos medievais", que servira de residência ao Barão de Itapemirim

Ver Artigo
Um antigo morador do Caxoeiro - Por Levy Rocha

Se pudéssemos encontrar outros documentos da fazenda desse imigrante suíço, quantas luzes viriam aclarar a história do Caxoeiro

Ver Artigo