Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A tristeza do Urubu – Por Maria Stella de Novaes

Urubu

Faltavam água e esgotos, em princípios deste Século, na Cidade da Vitória, melhoramentos introduzidos, ali, no Governo do Presidente Jerônimo de Sousa Monteiro (1908-1912). Eram, por isso, os urubus numerosos, preciosos e utilíssimos. Contribuíam para a limpeza urbana, apesar de imprimirem, às vezes, na paisagem, uma nota de tristeza.

Certa ocasião, a Sra. Maria dos Cágados, residente nos Pelames, e dedicada à criação dos mencionados quelônios, relatou-nos o motivo da tristeza dos urubus: — Na grande família dessas aves, sempre emplumadas de preto, nascera um lindo rebento, portador de uma pena branca, frisada e bela, no peito. Cresceu, envolto no carinho de todos, tornou-se vaidoso do seu privilégio. Mesmo porque foi eleito — o representante máximo do seu clã. Empavonava-se, quando passava pelas outras aves. Julgava-se um rei.

Um dia, cantava deliciosamente um sabiá, num galho de sapucaia florida, árvore que servia igualmente de pouso ao urubu da pena branca, já de todos conhecido, quando passou um bando de urubus, em demanda a certo alimento. Alguns avistaram o seu eleito e julgaram-no fosse o magno cantor. Elogiaram-no: — "Que voz maravilhosa a do real confrade!"

Orgulhoso, o urubu da pena branca ordenou-lhes que fossem depressa convidar a passarada inteira, para deliciar-se com a sua melodia.

Vieram logo sabiás, bem-te-vis, pintassilgos, carriças, canários e muitos outros pássaros da região.

Iniciou o presunçoso o seu roncar, desafinado e ridículo.

Rompeu a assistência alada, em cantoria confusa, verdadeiro gargalhar de ironia, que se elevava, à medida que o "rei" da pena branca mais roncava e se debatia, até que, exausto, arrancou o seu distintivo, para confundir-se com os seus companheiros, então, desconfiado e triste, para sempre, na grande família emplumada.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Paneleiras

Paneleiras

Goiabeiras e paneleiras não é apenas uma rima, é muito mais. As duas se moldam e se fundem. Sem Goiabeiras não há paneleira e vice-versa. São essas mulheres humildes, que se encarregam de preservar a mais importante manifestação cultural capixaba

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Pedra da Ema – Por Adelpho Monjardim

Em Burarama, Município de Cachoeiro de Itapemirim, situa-se a Pedra da Ema, notável pelo fenômeno que ali se processa

Ver Artigo
As minas do Castelo- Por Adelpho Monjardim

Atribui-se aos jesuítas, ainda no Século XVII, o desbravamento do território do Município de Castelo

Ver Artigo
Chico DAnta, o Violeiro Escravo de São Benedito

O professor Elias perguntou de que família era ele. Chico respondeu: A prugunta num tá certa não. Voscimicê quer sabe de que família nóis era escravo, né?

Ver Artigo
Lendas, folclore, crendices de tropeiros – Por Ormando Moraes

Os tropeiros divulgavam também o caso da figueira mal assombrada da Fazenda do Bandeira, perto de Calçado, onde se ouviam gemidos e gargalhadas à noite

Ver Artigo
Carnaval em Muqui

Veja como participar do carnaval folclórico de Muqui!

Ver Artigo