Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Arte em alta na vila dos pescadores - Regência 2008

Coleção de quadros de artistas locais na casa do Profeta

LINHARES — Um dos principais artistas plásticos do Estado, Luis Natal, reside em Regência e inspira-se no local para criar telas reconhecidas em todo o País.

Com estilo próprio e peculiar, seguindo a temática da cultura, do meio ambiente e do cotidiano de Regência, com caboclos, barcos e tartarugas, Natal vai recriando sonhos em telas coloridas e criativas.

Ele expõe quadros mais despojados, quebrando a ideia das simples telas emoldurada. Seus trabalhos sem moldura seguem formas retangulares, triangulares e circulares, onde o artista aproveita toda a superfície para brincar com cores, conteúdos e formas.

Luis Natal, de jeito alegre, simples e expressivo, pode ser considerado um dos artistas mais marcantes do Estado. Ele já fez várias exposições o tem obras espalhadas por todo o Brasil e exterior, algumas premiadas em salões de artes.

Sua técnica já foi fonte de estudos científicos de alunos do Centro de Artes da Universidade Federal do Espírito Santo.

Inspirada no amigo Luis Natal, a artista plástica Marjori Faria também é uma das revelações de Regência. Há seis anos mudou-se para a vila e garante que foi essa mudança que a levou a seguir uma nova profissão, baseando-se na paisagem da pequena vila para criar seus quadros, inspirados na arte naif.

"Eu era contadora e morava em Jacaraípe, na Serra. Mudei para cá e descobri um outro talento. A maioria das minhas pinturas está relacionada com o que vivo em Regência. As casinhas coloridas, a igreja, a calma, a paz, o silêncio, tudo isso ajuda a criar", declarou Marjori.

A artista plástica conta que em 2006 teve um quadro selecionado e vendido na Bienal Naif, em São Paulo, e esse quadro virou cartão postal dos distribuidores do Sesc de Piracicaba.

Já o músico e artesão Carlos Caser, o Profeta, mora em Regência há 12 anos. Ele confessa que saiu de Vitória porque nunca se adaptou a cidade grande.

"Sinto falta do cinema, do teatro, mas tem um outro lado aqui, que é a tranquilidade e o sossego.O Rio Doce é uma das coisas mais lindas do mundo. Além disso, podemos curtir a natureza e a possibilidade de desenvolver um trabalho que não requer que nós moremos em um grande centro", justificou.

 

Fonte: A Tribuna - Vitória-ES - 23/11/2008
Fotos: Marcos Faria
Texto: Wilton Júnior
Arquivo: Instituto Jones dos Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2018

Ecologia

Presença do Boi Marinho na Baía de Vitória

Presença do Boi Marinho na Baía de Vitória

Há um certo peixe, a que chamamos boi marinho, os Índios o denominam iguaraguâ, freqüente na capitania do Espírito Santo e em outras localidades para o Norte, onde o frio não é tão rigoroso

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cientista Augusto Ruschi

Uma vez passou um carnaval inteiro atrás de uma formiga. Havia uma formiga preta que a gente encontra na mata sempre sozinha. Mas ele achava que essa formiga não mora sozinha e sim com outras companheiras

Ver Artigo
Paisagens de Passagens - Por Rubens Câmara Gomes

A Praia de Camburi sem nenhuma construção também era muito melhor, embora eu tivesse freqüentado pouco quanto ela ainda era virgem. Lembro que o acesso era pela Ponte da Passagem

Ver Artigo
Marinha desmonta o farol de Regência - 1998

Foi iniciado ontem, em Regência, o processo de desmontagem do farol que foi instalado no local em 1888

Ver Artigo
Turismo no Campo - Por Cacau Monjardim em 1975

Nestas propriedades seriam mantidas as tradições que poderiam vir a ser incluídas  na programação e formação de uma rede estadual de turismo rural ou melhor, de turismo-natureza

Ver Artigo
Medidas para ajudar a salvar o Rio Doce

Especialistas sugeriram em encontro o reflorestamento das margens e recuperação de nascentes para preservar o rio

Ver Artigo