Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Dom Pedro II e o Congo

O instrumento chamou a atenção de Dom Pedro II, a ponto de merecer do seu lápis de desenhista um rápido bosquejo, 1860

Em sua visita à Reis Magos ou Nova Almeida no ano de 1860, Dom Pedro II foi atraído por uma banda de congo que os caboclos formavam em louvor a São Benedito.

Ele anotou:

Dança de caboclos com as suas cuias de pau de [regos] para esfregarem outro pau pelo primeiro.

O ritual dos ancestrais consistia em formarem um círculo, acocorados, e ao mesmo tempo em que seguiam o ritmo da música, marcado pelos tambores, reco-recos e o chocalhar de uma cabaça contendo sementes, batiam com as mãos espalmadas nos peitos e nas coxas, fazendo caretas e trejeitos e produzindo sons guturais que mais pareciam guinchos.

Os pretos juntaram à orquestra um outro instrumento de percussão, o ferrinho ou triângulo; modificaram a coreografia e incorporaram cantigas entoadas em coro e solo.

O instrumento que chamou a atenção de S. M. I., a ponto de merecer do seu lápis de desenhista um rápido bosquejo, a cassaca, casaca, ou reco-reco de cabeça, era típico e sui generis do folclore capixaba. Assim o descreve modernamente Guilherme Santos Neves: “um cilindro de pau, de 50 a 70 centímetros de comprimento, escavado numa das faces em que se prega uma lasca de bambu com talhos transversais, sobre os quais se atrita uma vareta. Na extremidade superior desse reco-reco se esculpe, na própria madeira, uma cabeça grotesca, com pescoço comprido, lugar em que se segura o instrumento”.

Sem dar mostras de cansaço, S. M. aproveitou parte da noite organizando um vocabulário português-tupi, com auxílio “de uma índia velha da tribo Tupiniquim”, conforme escreveu.

Aos estudiosos do gênero lingüístico, vale a pena um confronto desse vocabulário, que transcrevo no fim do livro, com o que organizou Saint-Hilaire, quando visitou Nova Almeida.

O imperador recolheu-se aos aposentos que lhe estavam reservados um pouco apreensivo: Já se mataram 2 morcegos na parte do convento [habitável] e onde hei de dormir; um deles, grande e de trombas.

 

Fonte: Viagem de Pedro II ao Espírito Santo
Autor: Levy Rocha, 2º Edição - 1980 (1ª edição de 1960)
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2014



GALERIA:

📷
📷


Folclore e Lendas Capixabas

O Monstro – Por Adelpho Monjardim

O Monstro – Por Adelpho Monjardim

Bonitão, o Casanova conseguiu entabular namoro com a filha mais velha do fazendeiro e encorajado pela conquista, começou a cortejar a mais nova das irmãs

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo
Os Santos Populares – Por Aerobaldo Lellis Horta

Santo Antônio, São João e São Pedro foram sempre considerados santos populares

Ver Artigo