Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Escrivaninha – Por Reinaldo Santos Neves

Contra-capa da Revista Ufes - ano v - nº 42, setembro/1996

Nunca vi, em Vitória, um Michel que não fosse de família libanesa. Em qualquer geração. O, por exemplo, saudoso professor Michel Saade; o médico, por outro exemplo, Michel Sarkis, a quem de vez em quando entrego na bandeja os meus ouvidos para ele desobstruir do entulho auricular; e, também por exemplo, o nosso Michel Minassa, lá da mesa sabamatinal (desculpem-me o joycismo) da Livraria Logos da Praia do Suá.

Já Michèle, ou Michelle, nunca vi, em Vitória, nem uma só que fosse de família libanesa. Pode até ser que haja, mas não de meu conhecimento. Michèle, aliás, só me lembra a oxítona Michèle Morgan, que reinou soberana e fatal entre as décadas de 40 e 50, e que eu vi mais em fotos de revista do que propriamente nos seus filmes — filmes que Ivan Borgo certamente viu, todos eles, sentado nas duras cadeiras de pau do velho Cine Trianon de Jucutuquara. Quanto a Michelle, ma beile, era, é claro, e será sempre, primordialmente, a dos Beatles — e ponto parágrafo.

E Michela? Tem despontado, aqui e ali, tímida e esparsa, essa forma de nome feminino. Tendo em vista que essas Michelas têm cerca de vinte anos, pode-se deduzir que, vinte anos atrás, o nome desfrutou de leve — e efêmero — favor entre pais e mães na hora exata de dar nome às filhas. Não sei, porém, de onde procede o nome. Talvez tenha sido visto, por pais lusófilos, como a forma aportuguesada de Michelle. Ou, por outra, talvez seja a forma italiana do nome Michele (celebrizado por um certo livro de San Michele que fez furor nos ingênuos anos 40 brasileiros) — não tenho Luiz Busatto à mão, para fazer a pergunta, e tanto melhor, porque assim fica no ar a dúvida, como numa bolha, sem pocar.

Faço notar apenas que, nesse caso, a pronúncia seria Miquela e não Mixela. O que o aproxima de uma outra forma desse nome, já se vê, multifário: Micaela — nome típico de violinista erudita e que, em sua forma masculina, Micael, consta que é nome especialmente apropriado para gato.

Esse longo atalho onomástico é só para chegar até Michella Gennifer Silva, a poeta desta edição de Escrivaninha — de que a revista Você não pode ser vendida separadamente. Dela só direi que é da geração 70, é daqui e não dali, é aluna de Letras na boa e velha UFES, fez oficina literária com Valdo Motta, e acredita piamente em si mesma e na literatura — tanto que sua opção preferencial é pela prosa. Enquanto o romance não sai, exercita o espírito e o estilo em versos como estes:

O Anjo da Palavra

Ocultadora da alma,

mascará é o meu nome,

cruel ditador de destinos

que com esforço controlo.

 

Sufoca-me, Miguel,

Angelicamente

- ser da máscara que ostento,

guardião da essência divina.

 

Mas, mesmo assim,

amo tua presença

em palavra, nome e verbo.

 

Madrugada

Correm lágrimas

sob o vento gelado,

tensas idéias

brincam

com o nada.

 

Escurecendo o céu,

O tempo, garoto

perdido

tentando

encontrar a paz, sufoca.

 

E eu, à espera

de uma fuga

em sua respiração

e no silencio a ser quebrado,

adormeci.

 

Lua

Você que é irradiante

não tente me enganar.

simples cansaço

não deixaria seus olhos semi-

úmidos.

 

Percebo agora que você

só é doce quando quer

e suas palavras amargas

são vultos negros na minha alegria.

 

Dia de lua

Noite sem brilho

O brilho dos seus olhos

Cadê?

 

Atrozmentante

Uma dor atrozmentante,

diluidora de trêmulas

realidades,

chocou-se contra mim,

jogando-me no espaço

vazio da palavra.

O sol que era para mim

brilho,

tornou-se lua.

 

Alma

Andando por todos os cantos,

olhos através de mim,

pareço invisível,

e às vezes até gosto disso.

 

Posso ver tantas coisas

e sentir tantas outras coisas

silenciosas

sem ninguém sentir que as sinto.

E me realizo

Sabendo que meu silêncio incomoda.

 

Fonte: Você – Revista da Secretaria de Produção e Difusão Cultural/UFES – ano V – nº 42 – set/1996
Autor: Reinaldo Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2015

Literatura e Crônicas

Também Eles - Por Judith Leão Castelo Ribeiro

Também Eles - Por Judith Leão Castelo Ribeiro

Éramos treze... não estou parodiando o romancista. Éramos, de fato, treze irmãos. Tudo veio do interior e ficou numa casa de sobrado, na extinta Rua José Marcelino, engaiolado

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Paradise Bar Island Blues

Pois este é o êxtase: os milagres de ver, de ouvir, de tatear, de cheirar, de gustar de você, excelência, leitora vil, avessa do zero até onde é o mil! 

Ver Artigo
O Marrocos

Acabo de saber - mas que castigo, que acaba de fechar meu velho bar!

Ver Artigo
Bares, doces bares amargos da juventude - Por Milson Henriques

O Britz Bar  ficou famoso por estar localizado perto das redações de todos os jornais e logicamente freqüentado pelos jornalistas que viam o sol nascer em suas cadeiras

Ver Artigo
O Bar do David - Por Miguel Depes Tallon

Ao longo dos anos, o Bar do David foi se especializando em frutos do mar e peixe, com o melhor caranguejo 

Ver Artigo
Bares? Eu hein, nem pensar! - Por Marilena Vellozo Soneghet Bergmann

Para as colegiais de recatadas saias (quatro dedos abaixo dos joelhos), os bares eram um lugar cheio de proibições e ambivalências. Tinham algo de sombra e mistério, sedução e... fumaça

Ver Artigo