Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Francisco Alberto Rubim e a Autonomia Administrativa do ES

Francisco Alberto Rubim - Fonte da Foto: Paulo Stuck

Com a posse, em 6 de outubro de 1812, do governador Francisco Alberto Rubim, o Espírito Santo via-se livre da ingerência do Governo da Bahia nos assuntos administrativos locais.

Nascido em Lisboa, a 27 de janeiro de 1768, Francisco Alberto Rubim da Fonseca e Sá Pereira era Capitão de Mar e Guerra da Esquadra no Mediterrâneo, de 1790 a 1799, e posteriormente na Costa da África e no Brasil (NOVAES, Maria Stella. História do Espírito Santo. Vitória, FEES, s/d, p. 115). Governou a Capitania do Espírito Santo de 1812 a 1819, passando depois ao Governo da Capitania do Ceará, de onde retornou a Portugal quando da Independência do Brasil.

A postura independente de Rubim no governo do Espírito Santo, dirigindo-se diretamente ao Rio de Janeiro na condução dos negócios da Capitania, consolidava as disposições do Decreto de 13 de setembro de 1810: em virtude dos ataques indígenas às povoações vizinhas aos quartéis, chegando estes a descer até às cercanias de Vitória, por aquele diploma o Comando das Armas locais era entregue ao Governador Manuel Vieira de Albuquerque e Tovar, que passava a ter autonomia plena no trato dos assuntos militares.

Assim agindo provavelmente com a autoridade que lhe conferia sua alta patente, o governador Rubim na prática inaugurava uma nova fase administrativa na Capitania do Espírito Santo. Embora acusado de despótico por alguns (no poema Derrota de uma Viagem ao Rio de Janeiro em 1817 o padre Marcelino Duarte refere-se a vítimas da perseguição do governador) Rubim foi um grande propagandista do Espírito Santo, atraindo visitantes estrangeiros ilustres e incentivando a imigração, sendo responsável pela chegada dos primeiros casais de açorianos que em 1813 se instalaram na localidade de Viana.

 

Fonte: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, 2012
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2012 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viagens à Capitania do ES (Cap. I) - Por Bruno César Nascimento

Capítulo I - Brasil: entre o real e o imaginado

Ver Artigo
Introdução do livro Viagens à Capitania do ES

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES - Por Bruno César Nascimento

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
República , a grande transformação - Por Cristina Dadalto

No governo de Florentino Avidos várias edificações importantes para o Centro foram iniciadas: a construção do Viaduto Caramuru

Ver Artigo
A urbanização do Centro – Por Cristina Dadalto

A capela demolida em 1894 deu lugar ao Hotel Império que depois se chamou Hotel Europa

Ver Artigo