Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Inscrições

Farol de Santa Luzia - Foto: Mônica Boiteux

Em Vila Velha e nos seus arredores são encontradas várias inscrições, históricas ou não, como as que registramos.

Uma, datada de 1864, aposta por Frei Teotônio na entrada da gruta de Pedro Palácios, é escrita em latim:

"ECCE PETRI PALACIOS ARCTA HABITATIO PRIMA
QUI DOMINAM A RUPE VEXIT AD ISTA LOCA
MIRUM COENOBIUM CONSTRUXIT VERTICE RUPIS
QUO TANDEM DOMINAE TRANSTULIT AEFFIGIEM
QUAM MAGNIS MERITIS VITA DECESSIT ONUSTUS
JAM PROMISSA BONIS PRAEMIA COLUM HABET.
Obiit 1575. Jacet in Conv. S. Francisci Victoriae
F.T.S.H. An 1864"
.

Tradução:

"Eis de Pedro Palácios a primeira e estreita habitação
O qual trouxe para estes lugares a Senhora da Penha
Construiu no cume do monte um admirável Convento
Para onde transferiu finalmente a Imagem.
Onerado de grandes merecimentos, passou desta vida
E já possui os prêmios celestes prometidos aos bons.
Morreu em 1575. Jaz no Convento de São Francisco de
Vitória. Frei Teotõnio de Santa Humiliana, ano de 1864".

Outras inscrições podemos ler no Farol de Santa Luzia, referentes à sua construção e inauguração:

"Reinando o Senhor D. Pedro II I. C. o Barão de Cotegipe, Ministro da Marinha, mandou construir este pharol.

Engenheiro Zozimo Barroso.
Construtores - P.A.W. Maclellan
Glasgow. 1870"

Diz a outra inscrição:

"Data do Acendimento, 7 de setembro de 1871.
Julio Alvaro Teixeira de Macedo.
Eng. Civil".

As inscrições populares de Vila Velha eram poucas, porém, sugestivas. Na casa de campo do Desembargador Ferreira Coelho, no lugar ainda conhecido por "Toca", havia uma inscrição logo na entrada:

"TOCA LITERÁRIA"

Num belo jardim existente na residência de um cidadão conhecido na cidade por "Chico Besta", havia uma inscrição carinhosa com sua esposa Maroca:

"Estas flores não se dá, não se vende e nem se troca. É só de Maroca".

Era comum o uso de inscrições na fachada das residências, como: "Lar da Penha" - "Vilino Neyde" - "Lar Maria", etc.

 

Fonte: Livro Vila Velha de Outrora
Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte / Vitória, 1990
Compilação: Walter deAguiar Filho, dezembro/2011



GALERIA:

📷
📷


História do ES

A Independência no Espírito Santo - Por Mário Freire

A Independência no Espírito Santo - Por Mário Freire

O Ministro Manoel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, notável espírito-santense, que faleceu em 1857 como presidente do mais alto Tribunal do País

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo